Com um aperto de mão, princesa Diana marcou a luta contra a AIDS

Ontem, dia 31, fez 20 anos que a princesa Diana morreu em um trágico acidente de carro. Fatos como sua personalidade carismática e o uso de sua fama para o bem, fez o mundo relembrar essa data com diversas homenagens.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Aperte o play acima e entenda como a princesa marcou essa luta!

Desde o começo da semana, há dezenas de cartões e flores em frente ao palácio de Kensington, em Londres, lugar onde ela vivia.

Uma das causas que a princesa abraçou estava no auge na década de 80: a epidemia da Aids.

Não existia tantos recursos para o tratamento e nem informações suficientes sobre a transmissão e formas de prevenção, na época. Além disso, o preconceito contra soropositivos era enorme, o que fez a doença ganhar o título de “epidemia gay”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas Diana foi pioneira e inaugurou a primeira clínica do Reino Unido em 1987 dedicada exclusivamente ao tratamento do HIV e da Aids. Na época, a imprensa questionou se a princesa usaria luvas para se proteger dos pacientes, pois muitos acreditavam que a doença era contagiosa ao toque, o que infelizmente levou muitos portadores do vírus ao isolamento.

Na inauguração, a princesa apareceu sem luvas, mas ficou surpresa com o que encontrou: todos os leitos da clínica estavam vazios, pois os pacientes estavam com medo de se exporem, devido ao preconceito.

O  enfermeiro John O’Reilly, que trabalhava na clínica, disse ao canal britânico BBC  que conseguiu convencer apenas um doente a encontrar a princesa, devido ao fato dele já estar próximo da morte. Mesmo assim, ele apenas deixou ser fotografado de costas.

“O HIV não faz com que seja um risco encontrar pessoas. Pode-se apertar suas mãos e abraçá-las, e eles precisam muito de um abraço”, declarou a princesa.

“Ela foi a primeira pessoa importante que estava disposta a apertar as mãos e tocar pessoas com HIV, algo que era considerado arriscado na época, disse Ian Green, CEO da fundação Terence Higgins, dedicada à luta contra o HIV.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Esse gesto público desafiou a noção de que o HIV era transmitido pelo toque. A princesa Diana utilizou seu status para ajudar ao máximo as pessoas que viviam com HIV e nossa instituição beneficente. Às vezes, ela aparecia em nossas clínicas sem o acompanhamento da imprensa, apenas para passar algum tempo com as pessoas que estavam doentes”, completou.

O trabalho da princesa Diana ainda continua através do Diana Award, que homenageia pessoas que lutam pelo fim do estigma que ainda está associado ao HIV.

Via

[Nota da Redação]

Acreditamos que a tecnologia pode proporcionar momentos inesquecíveis, como a realização de assistir uma apresentação de balé ou viajar para a Espanha, tudo isso é possível através da realidade virtual. Assista a experiência que levamos a uma casa de repouso de São Paulo:

Dona Gilda relembra a época de costureira e reproduz o vestido do filme “E o Vento Levou” com a ajuda da realidade virtual. Assista!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,491,052SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Crianças ribeirinhas de Rondônia lançam livro com histórias locais

Criado há nove anos pela professora Gloria Valadares, o projeto “Leitura no Sítio” desenvolve um trabalho exemplar de alfabetização de crianças e adolescentes da...

Menino de 5 anos se fantasia de super-herói e ajuda gatos de rua

Todos nós precisamos de um herói, e os gatos, especialmente os gatos de rua, não são exceção. Por isso, Shon Griffin,de 5 anos de idade,...

Artista redesenha personagens femininas como mulheres gordas visando valorizá-las

“Querem que eu chame apenas de gordas, mas acho uma palavra ofensiva. Prefiro chamar assim, que soa carinhoso”, defende o artista.

Faxineira do STF rotulada de analfabeta passa em 4 concursos públicos de nível federal

“Pensaram que eu era analfabeta”, diz a ex-faxineira do STF, Marinalva Luiz.

É agora! Vídeo mostra que não existe diferença no amor

O vídeo é uma iniciativa na Austrália, mostrando que o amor não faz distinção de sexo. Sabe aqueles momentos especiais do cotidiano de um...

Instagram