Após sofrer ameaça, vendedor de sopa é surpreendido por apoio de moradores que compram todas suas quentinhas

Izael Menezes, 32, foi humilhado na semana passada ao ouvir ameaças de um dos moradores de um condomínio enquanto vendia suas sopas na região do Acupe de Brotas, em Salvador (BA). O vendedor foi visto chorando ao voltar para casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Após mandarem Izael “calar a boca” e “sair dali”, um grupo de moradores o esperou com aplausos e, claro, muito amor para comprar suas sopas. Para continuar essa corrente do bem, criamos uma vaquinha para Izael. Clique aqui para ajudar!

A história de Izael sempre foi de muita luta. Ele não tem lembranças da mãe e foi entregue ao orfanato pelo seu pai ainda criança, junto com mais 4 irmãos. Ele passou por vários orfanatos e chegou a dormir nas ruas até completar 18 anos, quando um amigo o acolheu.

Luta para sobreviver

Antes de vender sopas, a esposa de Izael trabalhava como cozinheira e babá em casas de família. Depois de algum tempo, o casal começou um negócio próprio com uma banca de acessórios para celular.

Após ser ameaçado, vendedor de sopa da Bahia ganha vaquinha para abrir negócio
Foto: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Mas, no primeiro lockdown, em 2020, a banca foi roubada duas vezes, fazendo com que Izael abandonasse o negócio da família. Sem emprego e sem dinheiro para comprar mercadorias, começou fazer pequenas vendas em ônibus da capital baiana.

Depois disso, começou a oferecer serviço de lavagem dos pés após banho de mar nas praias perto de sua casa, também sem sucesso. Foi aí que o casal vendeu um violão e um celular para comprar ingredientes e fazer vendas de quentinhas e sopas.

O casal vive com mais 3 crianças em um imóvel pequeno com apenas 4 cômodos, e desta forma, não consegue desenvolver o negócio devido a falta de espaço para armazenamento e falta de condições financeiras.

Após ser ameaçado, vendedor de sopa da Bahia ganha vaquinha para abrir negócio
Foto: arquivo pessoal

Izael, mais conhecido como “olha a sopa”

Izael sai todos os dias às 5 da manhã para comprar material e volta para casa para sua esposa preparar as marmitas. Novamente, às 10h30, ele sai para vender as quentinhas e volta às 13h30, já com os materiais para sua esposa preparar a 2ª rodada de sopas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele almoça e se prepara para sair novamente às 17h e vender ultima rodada de sopas. Por dia, ele anda mais de 8 horas carregando um isopor pesado, já que sua moto está quebrada.

Após 3 meses vendendo suas quentinhas de 500 ml de sopa para os moradores de dois condomínios no Acupe de Brotas, conhecido pelo seu famoso grito de “olha a sopa, pessoal“, Izael foi surpreendido por um dos moradores do local.

Após ser ameaçado, vendedor de sopa da Bahia ganha vaquinha para abrir negócio
Foto: arquivo pessoal

Enquanto aguardava os clientes, Izael ouviu gritos ordenando para que se calasse e saísse dali, ou sofreria consequências. Após ser ameaçado, o vendedor chegou a ser visto chorando enquanto fazia o caminho de volta para casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu estava vendendo minha sopa como de costume. Eu grito para que as pessoas saibam que eu estou ali”

Laís Brito, moradora do condomínio, decidiu criar um grupo de Whatsapp com outros moradores para ajudar Izael. Por incentivo de outros condôminos, ele voltou ao Acupe de Brotas, mas desta vez, não precisou gritar para avisar de sua presença.

Um grupo de moradores já o esperava em uma fila e com gritos e aplausos que contagiaram outros condôminos nas varandas. Foram eles que avisaram da presença de Izael: “Olha a sopa!”, gritaram os moradores do local.

Confira o vídeo!

“Foi emocionante ver o povo gritando ‘olha a sopa’ e todos lá me esperando. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer. Foi bonito”, contou Izael, que em menos de meia hora, vendeu todo o estoque.

A vaquinha de Izael

Com a divulgação da história, eles receberam doação de alimentos e ganharam roupas para as crianças de 8, 6 e 2 aninhos. Hoje, eles vivem somente com a venda das quentinhas e um pequeno benefício do bolsa família no valor de R$140.

A família possui um espaço, que há mais de 5 anos está parado. O sonho deles é conseguir finalizar o local e equipar com fogão, freezer e despensa, para dar continuidade ao negócio em um lugar fixo. 

A vaquinha é para que eles consigam finalizar o espaço para conseguir abrir seu negócio e se possível, quitar suas contas de luz, água e o financiamento da casa que está em atraso também. Clique para ajudar!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,211SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Suíça decreta lei que obriga a adoção de animais em pares

As autoridades locais reconhecem que os animais são seres sociais e precisam de companhia.

Pastora trans adota segunda filha também trans; ela é a 1ª no Brasil a realizar tal feito

A pastora trans Alexya Salvador, 40 anos, mãe adotiva de um menino com necessidades especiais e de uma menina trans, viu sua família crescer...

Costa Rica fechará todos os seus zoológicos e libertar os animais

O país da América Central tem uma das mais ricas biodiversidades do planeta, com 4% de todas as espécies conhecidas. É também referência mundial...

Homem prepara café da manhã simétrico para ele e o namorado todos os dias

Três anos atrás, quando se mudou para morar com o namorado Mark van Beek, o britânico Michael Zee preparou um café da manhã para...

Filho adotivo retribui casal pobre que o adotou com uma vida dos sonhos

Jayvee teve uma infância humilde. Os brinquedos eram reaproveitados do descarte de outras crianças, enquanto roupas e calçados sem furos ou rasgados eram raros...

Instagram