Após buscar a igreja para “se curar”, ela só foi feliz ao se aceitar como transexual

Alee (Alessandra Prates) como gosta de ser chamada, fala muito sobre sua infância, que desde pequena já gostava de brincadeiras e brinquedos de meninas. Ela diz que já aos 6 anos queria brincar de bonecas e ser como elas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na adolescência seus gostos não mudaram, ainda era muito diferente dos garotos, porém se sentia com uma dificuldade ainda maior, pois ela não se identificava nem com eles nem com os gays, o que fez com que sofresse muito bullying por causa disso.

“Minha maior frustração era ir ao cabeleireiro cortar o cabelo. Não aceitava me olhar no espelho e ver minha imagem masculinizada. Por vezes, chorei sozinha.”

Alessandra se sentia muito deslocada e chegou a namorar uma menina uma vez, porém não se sentia atraída por ela. Acabou também procurando a igreja, com a intenção de se curar, porém apesar de insistir nos cultos por dois anos, a cura não veio, afinal não existia doença. Então, determinada a se aceitar e com total apoio de sua mãe, ela aos 18 anos começou o processo de mudança em seu corpo, deixou o cabelo crescer, tomou hormônios e foi para a academia.

trans-alessandra-prates-2

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Finalmente, quando conseguiu atingir a mudança que tanto queria, Alee viu que poderia correr atrás de mais um grande sonho, que era se tornar cabeleireira. Ela ainda sofreu muito preconceito nos salões que procurou emprego, mas ainda assim, após se assumir o nível desse preconceito só foi caindo, a sociedade, as pessoas aos poucos começaram a respeitar mais e mais.

“Na visão da sociedade, todas as transexuais são travestis, vendem seu corpo e se prostituem, mas essa não é a minha realidade. Eu sempre tive meus valores e sempre corri atrás dos meus sonhos.

Espero, no futuro, que as pessoas sejam mais tolerantes e conscientes. E que comecem a tratar os outros pelo que são e não pela opção sexual. Não somos movidos apenas pelo sexo, mas pelas nossas convicções e aprendizado. Respeito deve vir, sempre, em primeiro lugar.”

Alessandra hoje tem 21 anos, é cabeleireira em Campo Grande e diz com orgulho “sou transexual”.

MsLove_faixa

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,020,252FãsCurtir
2,152,322SeguidoresSeguir
11,487SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovens e agricultores se unem e abrem bibliotecas na zona rural da Paraíba

Eu já estou apaixonado por essa história antes mesmo de começar a contar pra vocês. Esse é um exemplo de que a união entre...

Após alagamento, vaquinha arrecada R$117 mil e idosos ganharão um lar novo (BA)

Os velhinhos da Casa de Idosos Giuseppe Aras, em Itabela (BA), vão ganhar um lar novo! O asilo onde os 34 idosos moravam ficou alagado...

Pescadores salvam 5 tartarugas marinhas presas em rede de pesca

Na praia de Araranguá, em Santa Catarina, o que tinha tudo para ser apenas mais um dia normal para alguns pescadores, transformou-se em uma...

Batismo de bebê conta com bençãos de familiares católicos, espíritas, evangélicos e umbandistas

Quando completou três meses de vida, o pequeno Iago recebeu as bençãos de sua família, cada qual à sua maneira: uma avó é católica,...

Itália começa a sair do confinamento com reabertura de comércio e igrejas

Hoje (18) o dia amanheceu diferente na Itália. Amanheceu “lindo e excitante” como descreveu um barman de Roma. Após dez semanas de portas fechadas, lojas,...

Instagram