Após infância difícil, atriz transgênero é reconhecida internacionalmente por sua luta e talento

Aos 8 anos, Laverne Cox (que não revela seu nome de batismo a ninguém) sentiu pela primeira vez o preconceito violento das pessoas. Ao descer do ônibus escolar sempre corria para casa, no Mobile, no estado sulista do Alabama. Porém, um dia, não deu tempo e uma banda de rock a alcançaram.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Laverne era um garoto, mas tinha jeito de menina e fazia balé. Os garotos espancaram-na e marcaram seu corpo com golpes de baquetas de bateria.

Vinte e dois anos depois, aos 30 anos, Laverne é eleita uma das pessoas mais influentes do mundo pela revista “Time”, por sua luta pelos direitos dos transgênero. Ainda em abril de 2015, ela reuni-se com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e sua mulher, Michelle.

laverne-cox-time-cover

“Com certas pessoas que encontro, tento me controlar, manter a postura, mas encontrar o presidente e a primeira-dama foi demais para mim”, brinca a atriz que ganhou fama como Sophia Burset, a cabeleireira e prisioneira transgênero da série “Orange is the New Black”, do Netflix.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por conta dessa personagem, Laverne se tornou a primeira transgênero indicada ao Emmy, o Oscar da TV americana, em 2014.

26397555b53938ce408204db8f1baee0

“A personagem é importante para muita gente. Em minhas viagens, encontro adolescentes que dizem que Sophia lhes salvou a vida, ajudando na transição sexual”, diz a atriz, que mora em Nova York.

Além disso tudo, ela ainda trabalha no Actor’s Studio, escola de atores que formou gente como Al Pacino e Robert De Niro. “Temos nove alunos transgênero. Eles achavam que nunca poderiam alcançar o que queriam por serem trans e negros. Meu exemplo lhes deu força.”

O CAMINHO ATÉ AQUI

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Laverne diz que sonhava ser “rica e famosa” quando criança. “Queria mostrar que eu era melhor que os valentões do colégio”, diz. “Como adulta, sei que não sou melhor que ninguém. A dor que carrego da infância não foi embora quando ganhei um programa na TV [“TRANSform Me”, de 2010]. Notei que precisava de ajuda externa.”

transform-me-040510jpg-7e874a10fb27d908_large

Foram anos de terapia até que ela entendeu seu lugar no mundo. Diz que aceitação é a palavra de sua vida e sempre desmente o título de pioneira da popularização das pessoas transgênero. “Sou cuidadosa quando alguém diz que sou o ‘marco zero’ de algo, porque Candis Cayne [a primeira atriz transgênero a atuar em uma série no horário nobre] veio antes e há várias que não podiam sair do armário”, diz a atriz.

Apesar de a primeira grande oportunidade ter vindo com “TRANSform Me”, a fama mesma veio com o seriado “Orange is the New Black” em 2013.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,851,931SeguidoresSeguir
24,983SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Britânica de 26 anos acolhe 14 crianças da África após trabalho voluntário e adota 9 delas

As mudanças que acontecem em nossas vidas são, muitas vezes, surpreendentes. Letty McMaster, hoje com 26 anos, tinha apenas 18 anos quando foi do...

Empresa de tecnologia ensina Libras para integrar colaborador surdo

A ideia é fazer com que o colaborador se sinta totalmente integrado ao seu time na empresa.

Menina com paralisia cerebral realiza sonho de ‘pular amarelinha’; veja vídeo

Durante todo o mês de outubro, em uma espécie de extensão do Dia das Crianças, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae)...

Garoto que gosta de se vestir de princesa inspira mãe a criar livro infantil

Cada vez mais somem as barreiras entre as coisas de menina e coisas de menino. Ainda bem, pois não faz o menor sentido! E quem...

Instagram

Após infância difícil, atriz transgênero é reconhecida internacionalmente por sua luta e talento 2