Após interromper a carreira de jogador de futebol, ele encontrou novas oportunidades na educação

“Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?” No Brasil pouquíssimos meninos. Meu nome é Alefher Silva Nascimento e eu vivi durante seis anos a expectativa de tornar esse sonho realidade. Desde os sete anos de idade jogava em campeonatos de várzea e cheguei a disputar diversos torneios nas categorias de base, inclusive pelo São Paulo Futebol Clube. Eu não tinha plano B.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Minha mãe, dona Amélia Silva, teve sete filhos. Eu era o sexto e aos 12 anos precisei dividir o tempo entre meu sonho de jogar futebol e a minha realidade de ajudar com as despesas de casa. Comecei a trabalhar em um mercado e desde então assumi muitas responsabilidades financeiras com a minha família, mesmo sendo tão jovem. Minha mãe sofria com problemas de saúde, meus irmãos mais velhos iam tomando o rumo de suas vidas e rapidamente assumi um papel importante para manter a casa.

Como muitos garotos que até conseguem ingressarem nas categorias de base do futebol brasileiro, o difícil mesmo era me manter lá. Eu precisava de dinheiro para chegar nos treinamentos, de uma boa alimentação e também gastos com hospedagem em outras cidades, quando o time era locado em outro lugar que não São Paulo. Chegou um momento em que foi necessário deixar a bola de lado pela falta de recursos financeiros.

Sem plano B, passei bastante tempo sem saber o que fazer da vida. Sensação de frustração, sem mais sonhos para o futuro.

Alguns anos depois, lendo um jornal com oportunidades de emprego cheguei até o Instituto Ser +, que estava com vagas abertas para o programa Jovem Aprendiz, em parceria com a Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP). Fiz a minha inscrição e no mesmo dia fui chamado para o processo de seleção que me deu a oportunidade de fazer um curso profissionalizante, com ênfase em tarefas de Administração e também uma vaga de emprego em naquela importante empresa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aos poucos a vida foi ganhando novos rumos. Novos caminhos foram nascendo e foi moldado em mim um perfil profissional preparado para o mercado de trabalho, que antes eu jamais havia pensado.

Hoje eu tenho 21 anos e muitas oportunidades e sonhos para o futuro. Descobri que meu sonho de ser jogador de futebol foi interrompido, mas que meus objetivos podem ser alcançados de outra forma e é isso que tenho feito hoje. Meu principal foco sempre foi oferecer uma condição de vida melhor para a minha mãe e hoje, ainda que não seja pela via futebolística, eu já tenho proporcionado muitas coisas para a minha família.

O Programa de Aprendizagem, que tive acesso via o Ser + e a CIP, é um exemplo de projeto que pode transformar realidades. Meu universo se expandiu e hoje eu acredito que a educação pode formar pessoas grandes, pode moldar sonhos novos.

Minha história, ainda tão jovem, assim como de muitas pessoas, já envolve dificuldades e superações. Ainda que a gente muitas vezes não enxergue uma luz no fim do túnel sempre é possível avançar. E existem sim muitas pessoas dispostas a ajudar.

Eu jogo futebol nas horas vagas, será sempre um prazer. Se eu terei novas oportunidades nesse ramo eu não sei, mas hoje eu tenho um plano de vida, objetivos. Estou cursando o terceiro semestre de Ciências Contábeis e quero muito estudar fora do País.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A oportunidade te leva de um estado sem perspectivas a viver a realidade de um sonho”.

Alefher Silva Nascimento é aluno do Instituto Ser +, Universitário e Jovem Aprendiz na Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP).

[Nota da Redação]

É cada vez mais visível a sensação de total falta de sentido. Desenvolvemos nossas habilidades para executar tarefas e ocupar um cargo, mas pouco fazemos em nome da melhor convivência e da vida em sociedade.

Ainda investimos muito em conhecimentos específicos, muitas vezes desconectados da realidade, com o único objetivo de se vencer etapas: passar de ano, passar no vestibular, entrar numa boa faculdade, conseguir um bom emprego… Tudo isso para quê?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Se você quer tentar encontrar respostas para algumas dessas questões, venha participar de mais um encontro do R:evolucione, no dia 26/07, com Priscila Alvim, consultora especialista em comunicação e que acredita na troca e no diálogo como meios verdadeiros de aprender e ensinar.

Garanta seu ingresso grátis aqui.
Após interromper a carreira de jogador de futebol, ele encontrou novas oportunidades na educação 1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,286,141SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Conheça os alunos que fizeram uma rifa para ajudar seu professor

“Acredito que só o fato deles terem feito, o futuro deles já muda, porque já mostra que tipo de pessoas eles serão."

Além da deficiência: João Maia é cego e faz fotos incríveis dos Jogos Paralímpicos

“Minha visão é uma grande aquarela e a fotografia é um quadro que vou pintando com os meus clicks.” A declaração é de João...

Filha caçula de Obama ‘rala’ trabalhando como caixa de lanchonete nas férias escolares

A filha caçula do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, virou exemplo de humildade e trabalho duro depois que uma foto dela trabalhando no...

Menina de 10 anos cria kits infantis para vender e salva família da crise

Essa história dá um bom enredo de teatro. Foi o seguinte: a pandemia obrigou os pais de Maria Clara, de 10 anos, que são...

Adidas já vendeu 6 milhões de tênis feitos com plástico retirado do oceano

A empresa planeja produzir todos os seus produtos com plástico reciclado até 2020!

Instagram

Após interromper a carreira de jogador de futebol, ele encontrou novas oportunidades na educação 3