Após veto do Uber a bairros de SP, moradores da periferia criam a Ubra

Soluções e inovações acontecem o tempo inteiro, e moradores da periferia criaram mais uma: Ubra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As ruas estreitas, ladeiras e vias de terra da Brasilândia, bairro da zona norte de São Paulo, limitam a chegada do carro Uber na região.  Problema que outros bairros e favelas da capital paulista, como Paraisópolis e Heliópolis, também enfrentam, depois que a empresa limitou o acesso de veículos a diversas regiões da cidade.

Diante da falta do serviço na região, dois moradores decidiram criar uma alternativa, mais simples e que atende às necessidades da comunidade, chamada Ubra (União da Brasilândia). Uma pequena sala, dividida por madeirite, acomoda o escritório da empresa, que tem duas cadeiras, mesa e um sofá.

Chamas para o Ubra são feitas via WhatsApp

Criada há pouco mais de 20 dias pelo tatuador Emerson Lima, de 40 anos, e o motorista Alvimar da Silva, de 48, a empresa possui seis motoristas. As chamadas são feitas via WhatsApp ou por um telefone fixo. “A demanda está muito grande e a gente já está perdendo corrida. A área tem uma carência grave de transporte, principalmente à noite”, contou Emerson em entrevista ao site da BBC Brasil.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ubra surgiu para atender demanda da periferia
FELIPE SOUZA/BBC BRASIL

Segundo a reportagem, a prefeitura informou que tem conhecimento do serviço oferecido na Brasilândia e disse, por meio de nota, que seu “interesse em aumentar o número de empresas que operam na cidade, sobretudo em locais onde o sistema viário ainda é pouco aproveitado pelo transporte individual de passageiros”.

Porém, destacou que pelo fato de não estar credenciada no Conselho Municipal de Uso Viário (CMUV), a Ubra não pode transportar passageiros. A prefeitura disse também que a “empresa e os motoristas estarão sujeitos à fiscalização e às sanções cabíveis que incluem apreensão dos veículos e multa”.

Ubra na periferia
ARQUIVO PESSOAL

Atualmente, a Ulbra atende algo em torno de 40 clientes, que usam o serviço para fazer compras, ir a consultas médicas ou mesmo para curtir a noite paulistana. Os preços cobrados são semelhantes ao da concorrência: cada quilômetro rodado custa R$ 2 contra cerca de R$ 1,80 do Uber. A empresa aceita dinheiro e cartões de crédito e débito. O preço é calculado pela distância medida no Google Maps. Leia a matéria completa aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,539SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

[VÍDEO] Merendeira conquista cidadania americana e ganha homenagem emocionante de alunos

Yanet López nasceu em Cuba, mas, há alguns anos, migrou para os EUA. Hoje, trabalha como merendeira em cantinas de escolas. Finalmente, ela conseguiu...

Estudante une saberes de quilombo e da universidade para triplicar produção de milho da família

Unindo os conhecimentos adquiridos na faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) com os costumes da comunidade quilombola São Pedro Alagadiço,...

Depois de apelo da mãe, ladrões devolvem bike a menino no aniversário da morte do pai

Este é um tema muito delicado, que já abordamos algumas vezes aqui no Razões, trata-se do arrependimento de pessoas que, por algum motivo, roubaram...

Paola Carosella comemora o sucesso do curso para travestis e transexuais

“E quem mais aprendeu de todas e todos fuiu eu. Obrigado."

Morador de rua vende latinhas e doa dinheiro para a campanha “Salve Laurinha”, em SC

Os voluntários da campanha Salve Laurinha foram surpreendidos com uma doação muito especial neste final de semana. Enquanto realizavam um pedágio, na cidade de...

Instagram

Após veto do Uber a bairros de SP, moradores da periferia criam a Ubra 2