fbpx

Projeto “Arquitetura na Periferia” ensina mulheres a construir suas próprias casas


Projeto "Arquitetura na Periferia" ensina mulheres a construir suas casas
PUBLICIDADE ANUNCIE

As mulheres são o concreto e o tijolo que fortificam os movimentos de luta por moradias em nosso país. Elas constituem maioria nas ocupações territoriais do MST e do MTST – Movimento dos Trabalhadores sem Teto.

Além de coordenar com firmeza as políticas de assentamento e organização estrutural, elas tomam as rédeas na construção de habitações populares. Não à toa que tantas ocupações Brasil afora levem nomes de mulheres, como Dandara – uma líder de um quilombo do período imperial.

Coordenadora do MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), Cheyenne Pereira Miguel organiza um núcleo social na capital mineira.

Em 2017, Cheyenne mudou-se para a Ocupação Paulo Freire, e com a ajuda de seus irmãos, construíram sozinhos uma casa de madeirite – estrutura alinhada com a realidade das ocupações comunitárias, onde a população carece de assistência profissional de um engenheiro ou arquiteto.

Projeto "Arquitetura na Periferia" ensina mulheres a construir suas casas
Foto: Facebook / Arquitetura da Periferia

Após concluírem a construção do último cômodo, Cheyenne já almejava melhorar a estrutura física da casa. “Queria aprender como fazer para não gastar tanto com mão de obra na minha casa.”

Leia tambémCobogós e azulejos: designer mapeia a rica arquitetura de Olinda

Com a ajuda da vizinha, Eliana Silva, a modelo fotográfica e limpadora de vidros descobriu o projeto Arquitetura na Periferia.

Mulheres ensinando mulheres

O Arquitetura na Periferia surgiu em 2014 a partir de uma tese de mestrado da então estudante de arquitetura Carina Guedes. A iniciativa oferecia capacitação e assistência técnica para as mulheres de territórios com déficit de habitação e infraestrutura – como favelas, comunidades periféricas e ocupações.

“Trabalhamos para que as mulheres tenham o máximo de autonomia no processo de tomada de decisões envolvendo a melhoria de suas casas”, diz Carina.

A cúpula do projeto é toda composta por mulheres, desde Carina, que deu origem à iniciativa, às suas colegas de trabalho – Marina Bornel, arquiteta, e as engenheiras civis Tereza Barros e Rafaela Dias.

Projeto "Arquitetura na Periferia" ensina mulheres a construir suas casas
Mulheres trabalhando na Ocupação Dandara. Foto: Facebook / Arquitetura da Periferia

O projeto Arquitetura na Periferia começou a atuar nas ocupações Paulo Freire e Eliana Silva, demonstrando que, embora as mulheres estejam, muitas vezes, à frente das lutas civis, “na construção civil e nas decisões de como a casa vai ser a maioria relata que suas vontades não são respeitadas, e algumas nem sequer são consultadas. São o pai, tio, marido ou pedreiro que decidem. Isso traz consequências ruins na vida das mulheres que, além do trabalho, cuidam da manutenção da casa, tais como: cozinhas sem ventilação, escadas estreitas, torneiras onde não se consegue enfiar o balde”, afirma a arquiteta.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Com oficinas de aprendizado com 4 a 6 meses de duração, as aulas começam com princípios de desenhos e croquis, noções básicas de finanças (para saber como lidar com o empréstimo recebido pelo projeto), matemática e como comprar os materiais necessários de construção.

“É muito legal ver a transformação delas durante este processo: líderes comunitárias já reconhecidas nesse espaço de luta, mas não no doméstico, passam a ver que têm igualmente a mesma capacidade, e que a elas só falta o acesso à informação”, diz Carina.

Projeto "Arquitetura na Periferia" ensina mulheres a construir suas casas
Nas oficinas, as mulheres aprendem juntas os princípios básicos de construção civil. Foto: Facebook / Arquitetura da Periferia

O papel social da arquitetura

Apesar de nunca ter tido experiência pregressa à área de construção civil, Cheyenne já se vê pondo em prática tudo que aprendeu nas oficinas, como elétrica, alvenaria, assentamentos de pisos e até hidráulica. “Para um mulher militante de ocupação, esse aprendizado vai além da construção. Ele representa liberdade e conquista.”

Carina, mulher por trás do projeto, afirma que o Arquitetura na Periferia tem um importante cunho social: retirar a pecha de que a arquitetura se destina apenas à construção e melhoria de áreas ricas e privilegiadas, reconhecendo e reagindo às enormes desigualdades do Brasil.

Leia tambémAos 90 anos senhor realiza sonho antigo e começa faculdade de Arquitetura em Ribeirão Preto

“Uma vez, fazendo uma pesquisa com uma moradora da Ocupação Dandara, vi que já havia um projeto de arquitetura para ela. Ela dizia que era lindo, mas quando perguntei porque não construiu, ela falou: ‘Não é para mim’. Do que adianta um projeto bonito se ele vai ficar na gaveta? O importante da assessoria técnica é reconhecer os hábitos e o desejo de quem mora”.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Portal Aprendiz

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar