Arte e esporte fortalecem vínculos e abrem possibilidades para crianças e jovens

(Por Claudia Corbett)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os olhos de Beatriz brilham quando ela fala de balé clássico. Aos seis anos conheceu a dança no Centro Promocional Nossa Senhora da Visitação. Hoje, com 16 anos, já apresenta o balé de repertório, modalidade que conta uma história como se fosse uma peça teatral e domina a sapatilha de pontas. A garota rompeu os limites da instituição e faz aulas também em uma academia de balé pela qual foi convidada. “A dança faz parte de mim. Minha meta é tirar meu DRT, registro que regulamenta a profissão de bailarina e começar a dar aulas”, comentou Beatriz. Cursando o segundo ano do ensino médio, a jovem ainda está indecisa em seguir a carreira de bióloga ou de professora de educação física, mas confessa que nunca deixará de se dedicar ao balé.

Assim como Beatriz, outras centenas de crianças e adolescentes atendidos pela Nossa Senhora da Visitação, entidade parceira da Fundação FEAC, estão conhecendo novas possiblidades para suas vidas graças à oferta de atividades com música, dança e esportes. João Vitor Ramos de Queiroz, 9 anos, é mais um exemplo. Craque no futebol, agora faz parte da escolinha do Guarani Futebol Clube. “Além de uma possibilidade de profissão, o futebol, como qualquer outro esporte, é importante para a saúde, e soma o aprendizado de cooperação, respeito às regras e a lidar com frustações”, complementou Wilson Antonio da Silva Junior, educador social que também tem formação em Educação Física. A entidade tem cinco turmas de futebol para meninos e duas dedicadas às meninas.

Ao término das oficinas temáticas, enquanto tomam lanche, as crianças e adolescentes participam de rodas de conversas. É neste momento que trocam experiências, falam das suas vontades e contam seus sonhos. “A cultura e o esporte trazem muitos benefícios para a formação pessoal, para o desenvolvimento motor e ainda trabalham o emocional. Melhoram a autoestima e isso faz com que as crianças, adolescentes e jovens sintam-se motivados”, destacou Camila Etter, educadora social dedicada às atividades de balé clássico.

Música para o futuro

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A musicalização tem várias frentes. A instituição oferece oficinas de violino, violão, teclado e coral. Este projeto envolve a maioria das crianças e jovens atendidos. “Alguns passam por todos os instrumentos sem se apegar, mas permanecem na oficina por se sentirem bem e gostarem de música. Outros se identificam logo de cara e querem se aperfeiçoar”, contou o educador Rodrigo Monteiro Capri – responsável pela oficina de viola e violino.

O contato com os instrumentos melhora a autoestima e desperta o interesse por disciplinas como matemática, desenho, português e línguas estrangeiras. “A música desenvolve o lado esquerdo do cérebro, que é o lado da criatividade, do raciocínio lógico e do saber se expressar”, destacou Wanderlei Teixeira de Jesus, à frente da oficina de violino e violoncelo. Segundo os educadores sociais, os jovens se sentem mais seguros a partir do momento em que começam a se apresentar em público. “A partir do domínio do instrumento e presença no palco, se fortalecem e passam a pensar no que querem ser profissionalmente, porque sentem–se capazes de enfrentar todas as barreiras que possam aparecer”, complementou o professor.

Marcelo Raziel Carvalho Lopes Graciette, 18 anos, iniciou o aprendizado musical com o violino e passou para violoncelo. Hoje, incentivado pela instituição, frequenta outros conservatórios musicais e uma escola de música em busca da especialização que precisa para realizar seu sonho de ser músico profissional e professor de violoncelo. “A música para mim é tudo. Posso dizer que é o ar que eu respiro”, frisou.

As atividades de cultura e esporte são estratégias meios para o serviço de convivência e fortalecimento de vínculos. Por meio delas, é possível desenvolver habilidade sociais importantes para o desenvolvimento pessoal e social da criança e do adolescente. “Estas ações ampliam o repertório comportamental para o enfrentamento de situações de vulnerabilidade e risco social que a mesma enfrenta”, destacou o assessor social da Fundação FEAC, Alann Scheffer Oliveira.

O Centro Promocional atende cerca de 365 pessoas com prestação de serviços, execução de programas e projetos de proteção social básica voltados a crianças, adolescentes, adultos e idosos em situação de vulnerabilidade ou risco social e pessoal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Saiba mais: https://www.cpvisitacao.org.br/

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,498,345SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fábricas concorrentes se unem para confeccionar máscaras e ajudar Corpo de Bombeiros

O empresário Jonas do Carmo é um dos empreendedores de pequenas empresas que se viram no desafio de como manter empregos e pagar as...

Papa Francisco convida 2 mil pobres e imigrantes para espetáculo circense

O Papa Francisco – sim, sempre ele! – convidou dois mil pobres e imigrantes para assistirem a um espetáculo circense na última quinta-feira (15)....

Campanha produzida por estudantes de faculdade estimula a doação de medula óssea

O Brasil tem o terceiro maior banco de doadores de medula óssea no mundo: são 3,9 milhões de doadores, ficando apenas atrás dos Estados...

Pai incentiva filho a entrar na faculdade pública, e com o dinheiro que economizou ele lhe deu um carro

Juntar dinheiro é algo que necessita de disciplina e planejamento, lembram quando contei como foi pra vir pra São Paulo? Pois é, pra tudo...

Jovens empreendedores se mobilizam para ajudar lojistas que sofreram saques no ES

Os lojistas poderão adquirir produtos e serviços para limpar os estragos causados pelos criminosos a preço de custo

Instagram