Artista “bicha, trans e preta” luta contra um câncer e combate o machismo nas periferias de SP

Diretora da peça “É pra copiar ou reescrever”, apresentada em escolas da periferia de São Paulo, Linn Santos, 25 anos, declara-se como “uma bicha, trans e preta”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela disse em entrevista ao iGay que prefere ser direcionada no gênero feminino e revela questionar sua imagem e corpo: “Minha estética, meu comportamento e minha atitude não formam uma apresentação gay. Acabo transgredindo e ultrapassando essas barreiras”, diz Linn, que também luta contra um câncer.

O espetáculo dirigido por ela faz parte do projeto Espaço Aberto para a Diversidade Sexual e de Gênero na Periferia. É resultado de uma pesquisa realizada com 10 adolescentes de São Mateus, bairro da capital paulista, que discutiu questões como pornografia, sexo, sexualidade e igreja, baseando-se nas vivências dos próprios jovens.

Para Linn, a escola e os jovens ainda são opressores e machistas:

“Lá, na escola, é onde o cidadão se constrói. Nós temos que repensar e construir a maneira de olhar as diferenças desde cedo”, completa, reforçando a importância do seu trabalho.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

3onjbl317k3z6w10m7oezrim2

4kq5fsf3hnxlwt0ki2a0xvhth

506evuinnlxs1t6w99k5cchvc

Todas as imagens: Reprodução/Tumblr

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,844,630SeguidoresSeguir
24,854SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Aplicativo faz mapeamento de locais com acessibilidade para cadeirantes

É sempre bom ver as novas tecnologias facilitando o dia a dia de pessoas com alguma limitação física. O aplicativo para smartphones com os...

Filha raspa tacos da sala e escreve declaração para pai com Alzheimer

"Escrevi bem grande para que ele não tivesse dificuldade de ler. Aquilo era o que meu coração ditou para minha mão. Fiz com tanto prazer e movida por emoção tão boa que nem percebi o tempo passar", disse Anabela Sabino.

Professora leva mais de 100 estudantes do EJA ao cinema pela primeira vez

“Foi muito gratificante. Muitos alunos vieram me agradecer pela oportunidade. Todos foram muito bem vestidos, parecia um evento mesmo”, relata a professora.

Alegria de menino de 3 anos no dia que foi adotado comove a internet

O pequeno Michael, de 3 anos, era pura felicidade quando foi adotado.

Bhakti

Eu estava numa cafeteria hoje quando começou a tocar uma música que me chamou muito a atenção. O nome dela é “Orange Sky” do...

Instagram

Artista "bicha, trans e preta" luta contra um câncer e combate o machismo nas periferias de SP 3