Artista africano transforma chinelos abandonados nas praias em obras que vale mais de R$ 5 mil

Toda semana, o artista Aristide Kouame vai à praia com um enorme saco de lixo para recolher chinelos abandonados e outros calçados. Com a matéria-prima reciclada, o jovem de 26 anos cria lindas obras de arte à base de látex.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aristide mora na Costa do Marfim, nação de 23 milhões de habitantes no oeste da África. Em entrevista à agência Reuters, ele brincou que “está ciente” de que os banhistas provavelmente o consideram um vendedor de rua desesperado, ou até um louco.

No entanto, quem pensa assim está mal informado: os restos reciclados transformados em obras de arte são avaliados em até US$ 1 mil (R$ 5,6 mil).

Artista africano transforma chinelos abandonados nas praias em obras que vale mais de R$ 5 mil 1

As solas de borracha e plástico dos calçados são moldados em grandes colagens. “Este é o lixo que as pessoas jogaram no mar e o mar traz de volta para nós porque não o quer”, disse Aristide em uma praia de Abidjã, a capital comercial da Costa do Marfim.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Faço arte com calçados usados… é uma maneira de dar vida a objetos que entulham as praias”.

Artista africano transforma chinelos abandonados nas praias em obras que vale mais de R$ 5 mil 2

Sem pompa, o artista monta seu local de trabalho no chão, em um beco estreito, onde passa horas esculpindo formas, letras e rostos nas solas de borracha que resgatou da praia.

A tinta é feita por ele mesmo, triturando os restos remanescentes em pilhas de pigmento tecnicolor. Assim, sua técnica é ao mesmo tempo barata e ecologicamente consciente.

Artista africano transforma chinelos abandonados nas praias em obras que vale mais de R$ 5 mil 3

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Infelizmente, a maioria das praias urbanas da África Ocidental sofrem com enormes quantidades de chinelos perdidos ou descartados. Além disso, o lixo lançado nos canais das cidades é carregado para o mar e volta à praia com as marés.

Desde que as obras de Aristide se tornaram conhecidas na Costa do Marfim, diversos artistas e curadores consagrados do país têm convidado o rapaz para participar de galerias e exposições de arte país afora.

Junto à Stone, viajamos o Brasil para mostrar negócios que muita gente acha que não daria certo na nossa terrinha – e dão! Veja o 8º EP da websérie E se fosse no Brasil?

Fonte: Unimais
Fotos: Luc Gnago

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Doritos Rainbow reforça diversidade no Rock in Rio e doará renda a ONGs LGBT

O salgadinho da cor do arco-íris será o snack oficial do Rock in Rio e renda arrecadada será doada a cinco ONGs que apoiam a causa LGBTQI+.

Soldado reencontra cão que adotou no Iraque e o traz para a sua casa

Quando um filhote de cachorro perdido perambulou em uma base do exército no Iraque, ele ganhou rapidamente os corações de todos os soldados, que...

Peixinho ganha “cadeira de rodas” e volta a nadar bem

Até parece enredo de filme, mas essa história é bem real e com final feliz! Um peixinho dourado não conseguia nadar reto, ele tinha uma...

Professora dança junto com aluna que tem paralisa cerebral em apresentação na escola

A professora de ensino fundamental Regina Madeira preparou uma apresentação especial das suas alunas para os pais na Escola Estadual Professora Maria Amélia Guimarães,...

Instagram

Artista africano transforma chinelos abandonados nas praias em obras que vale mais de R$ 5 mil 5