Em vez de árvores, pesquisadores estão produzindo papel feito de estrume

Clique e ouça:

Mais de 40% de toda madeira cortada no mundo é usada para a produção de papel, mas graças à tecnologia essa realidade pode estar próxima de ser mudada. Pesquisadores da Universidade de Viena, na Áustria, estão criando uma maneira surpreendente e muito mais ecológica de produzir papel – através do estrume dos animais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionado: Canudinho comestível é alternativa sustentável ao plástico

A celulose, principal composto do papel e do papelão, é extraída das plantas e, os animais ruminantes, se alimentam destas plantas, ou seja, seus dejetos possuem bastante celulose. Em áreas onde existem muitos animais ruminantes, podemos reutilizar este cocô, que vai passar por um processo de limpeza, para a fabricação do papel.

“Os animais comem biomassa de baixa qualidade contendo celulose, mastigam-na e a expõem a enzimas e ácido no estômago, e então produzem esterco. Dependendo do animal, até 40% desse esterco é celulose, que é facilmente acessível”, diz Alexander Bismarck, da Universidade de Viena.
Este é um processo mais barato, já que a celulose presente nos dejetos já está parcialmente digerida e muito mais ecológico do que extrair a celulose das árvores. Isso porque, além da extração das árvores, utilizamos muita água no processo. Neste processo, o animal já mastigou a planta, que passou por um processo de transformação, através de ácidos e enzimas, o que reduz drasticamente a energia utilizada para a produção de papel.
Em vez de árvores, pesquisadores estão produzindo papel feito de estrume 1
 
Para isso podemos utilizar esterco de cavalos, vacas, bodes e até elefantes, ou seja, “material” é o que não falta na natureza. O esterco precisa ser misturado a hidróxido de sódio e passa por um processo de tratamento, onde a celulose é quebrada em nanopartículas para a produção de papel, podendo ser feito nas mesmas fábricas onde a polpa de árvore é feita, no processo tradicional de produção de papel.
“A diferença está na extração das fibras, porque depois, o processo é exatamente o mesmo”, disse Andreas Mautner, um dos pesquisadores envolvidos na iniciativa. Os resultados desta pesquisa serão apresentados no congresso American Chemical Society nesta semana. Não seria ótimo ter papel sem precisar cortar árvores?
Com informações de Good News Network
Foto: Kathrin Weiland

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,093,265FãsCurtir
2,678,824SeguidoresSeguir
22,350SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Todos ignoraram este garoto batendo nas portas das casas, até que este cara resolveu abrir

É fácil desconfiar de pessoas estranhas, especialmente quando alguém que não conhecemos bate na nossa porta. Por isso, deveríamos ler essa notícia e seguir...

Companhia aérea realiza o sonho de garoto com pernas amputadas

Há dois anos, o pequeno chinês Li Haifeng, hoje com 4 anos, sofreu um acidente de carro e teve as pernas amputadas. Por causa de sua nova condição,...

Parque suspenso em meio a Mata Atlântica é inaugurado

O Parque Ecológico Imigrantes promete ser uma nova aposta para integrar a Mata Atlântica na vida dos moradores de São Paulo e região e deve ser inaugurado dia 20 de novembro, em São Bernardo. Sendo um parque suspenso e totalmente acessível, ele deve integrar desde idosos até pessoas com mobilidade reduzida, por exemplo.

Senado aprova projeto que dá meia-entrada a doadores de sangue

O Senado Federal, por meio da Comissão de Assuntos Sociais, aprovou na última quarta-feira (10) um projeto de lei que concede a doadores regulares de...

Redeterapia simula posição intrauterina e ajuda na recuperação de bebês prematuros

A redeterapia consegue deixar o bebê mais aconchegado, simulando a posição intrauterina. Além disso, como o tecido é mais macio, exerce menos pressão sobre a pele do bebê evitando lesões.

Instagram

Em vez de árvores, pesquisadores estão produzindo papel feito de estrume 3