Associação garante segunda chance a ex-detentos, reintegrando-os à sociedade

Depois de rodar o Brasil conhecendo trabalhos sociais e projetos que trabalham para mudar o mundo de forma verdadeira, os Caçadores de Bons Exemplos, Iara e Eduardo, reconheceram que o investimento em crianças e adolescentes é um dos maiores focos das atividades que encontraram, mas não o único.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em Itaúna (MG), conheceram a Apac – Associação de Proteção e Assistência a Condenados, coordenada pelo Valdeci Antônio Ferreira. O projeto, que foi criado pelo advogado e jornalista Mário Ottoboni, em São José dos Campos, hoje está espalhado por todo o país.

Foto: arquivo do projeto APAC e Caçadores de Bons Exemplos

“O trabalho que encontramos ali parecia de utopia. Não tinham armas, policiais. Os presos tinham a dignidade de serem tratados como gente e a oportunidade de serem, de fato, reintegrados à sociedade. A transformação era nítida e perceptível a qualquer um que entrasse ali”, afirmam Iara e Eduardo.

Conheça a história da Associação de Proteção e Assistência a Condenados

A primeira Apac nasceu em São José dos Campos, em 1972, e desde que Valdeci
conheceu o projeto e o levou para Itaúna o modelo de trabalho aplicado por eles começou a ser disseminado e servir de inspiração para muitos outros lugares do
Brasil e até do mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Era um sonho que descobrimos que poderia ser real. Certamente não foi fácil levar para uma comarca do interior, como é a cidade de Itaúna, um projeto de tamanha grandeza. Foi um trabalho duro de convencimento das autoridades e uma luta para derrubar os preconceitos da sociedade, tirar do inconsciente coletivo aquela ideia ferrenha de que ‘bandido bom é bandido morto’. Não se muda toda uma cultura da noite para o dia, são necessárias décadas, muitas vezes. Foi um trabalho de formiguinha, sem trégua, até convencer as pessoas”, afirma Valdeci.

Mas, mesmo com as dificuldades e lutas diárias para que a desconstrução do preconceito e as barreiras do medo fossem vencidas, aos poucos a Apac de Itaúna foi sendo estruturada, ganhou um terreno, via doação, e iniciou-se uma série de campanhas para construir o Centro de Reintegração Social.

Atualmente, são dezenas de outras Apacs, em diferentes estágios de implantação, em todo o Brasil. São congregadas pela Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), associação civil de direito privado sem fins lucrativos cuja missão é manter a unidade de propósitos de suas filiadas e assessorar e multiplicar as Apacs.

“Eu não tenho dúvidas de que este século será marcado pela experiência das unidades.
Tanto é verdade, que 23 países do mundo já conhecem a metodologia, que é genuinamente brasileira, e aplicam parcialmente o método em nações nos cinco continentes. Uma Apac não nasce por decreto, não nasce pela decisão desta ou daquela autoridade do poder judiciário, executivo ou legislativo. A Apac é o resultado da sociedade civil organizada que toma consciência do problema prisional, que se cansou dos altos índices de violência e criminalidade e quer dar um basta”, reforça Valdeci.

Foto: arquivo do projeto APAC e Cacadores de Bons Exemplos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Hoje, o custo de cada preso para o Estado corresponde a quatro vezes mais do que esse
mesmo preso custa para a Apac. Enquanto o índice nacional de pessoas que voltam a
praticar crimes é de, aproximadamente, de 85%, na Apac o nível cai para 8,62%. O método tem transformado prisioneiros em cidadãos, reduzindo a violência fora e dentro dos presídios e, consequentemente, diminuindo a criminalidade e oferecendo à sociedade a tão sonhada paz.

Para saber mais sobre o trabalho da Apac, acesse:
Site: www.fbac.org.br
Facebook: @fraternidadebrasileiradeassistênciaaoscondenados
Instagram: @fbacoficial

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,993,160SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorra faminta ‘invade’ casa de casal durante tempestade e acaba sendo adotada

Em meio a uma forte tempestade que tomou conta das ruas da Filadélfia, na Pensilvânia (EUA), uma cachorra em situação de rua acabou 'invadindo'...

Jogadores e torcidas adversárias se unem para proporcionar a vitória a um garoto de 7 anos com câncer

Não é toda dia que você vê jogadores e torcidas de times adversários torcendo e vibrando pelo mesmo objetivo. Mas foi o que aconteceu...

Professora da USP encontra maneira de ensinar anatomia para aluna deficiente visual

Luciane Valéria Sita é professora de Neuroanatomia Humana, na Faculdade de Medicina da USP e costuma dar suas aulas utilizando livros, vídeos, projeções e...

Há 5 anos, sargento da PM reforma bicicletas nas horas vagas e doa para crianças carentes (SP)

O sargento da Polícia Militar de Birigui (SP), André Souza, de 41 anos, conserta bicicletas velhas ou paradas e doa para crianças em situação...

Mulher alegra o dia de animais em abrigo alimentando-os com “puppuccinos”

"Sabe como alegrar o dia de um cão de abrigo? Bem, compre para eles algumas caixas de puppuccinos, é claro". Foi essa a legenda...

Instagram