Início INSPIRAÇÃO Superação Atleta da Nova Zelândia ganha ouro com prótese financiada por torcedores

Atleta da Nova Zelândia ganha ouro com prótese financiada por torcedores

Liam Malone teve anos trágicos ainda novo. Após perder a mãe para um câncer, investiu na carreira de velocista biamputado como meio de sobrevivência “para deixar minha mãe orgulhosa”. Sem dinheiro para um par de próteses de competição de ponta, Liam foi a um programa de TV na Nova Zelândia falar sobre sua classificação para os Jogos Paralímpicos Rio 2016 e mostrar um pouco sobre o seu dia a dia.

As próteses pequenas são seus primeiros modelos, aos 2 anos. Foto: Lauren Wafer-Kiddle/Fairfax NZ
As próteses pequenas são seus primeiros modelos, aos 2 anos. Foto: Lauren Wafer-Kiddle/Fairfax NZ

Liam explicou como os músculos funcionam durante a corrida para um atleta não-amputado e foi a partir dessa explicação que tudo mudou em sua vida. Determinados em ajudar, moradores de várias partes do país começaram a enviar doações para a emissora.

A vaquinha levantou NZ$ 20mil (cerca de R$ 48mil) e foi o suficiente para o atleta comprar os equipamentos que melhorariam seu desempenho. Emocionado, Malone agradeceu o carinho “Não estaria aqui sem ajuda das pessoas que investiram em meu sonho, estou transbordando de gratidão”, disse Malone.

Foto: Hagen Hopkins/Getty Images
Foto: Hagen Hopkins/Getty Images

Malone não é só um atleta, ele é um dos maiores atletas paralímpicos da Nova Zelândia. As novas próteses ajudaram o atleta a conquistar três medalhas nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 na categoria T44, uma prata nos 100m (11s08), ouro nos 200m (22s14) e 400m (46s20), quebrando o record de Pistorius.

Foto: Hagen Hopkins/Getty Images
Foto: Hagen Hopkins/Getty Images

A ajuda do tal programa de TV foi fundamental e as medalhas vieram com um sentimento especial. Trudi, a mãe de Malone, completaria aniversário esta semana e para deixá-la sempre por perto, o atleta corre com um cordão dela.

Liam teve as pernas amputadas aos dois anos devido uma hemimelia fibular e continua com planos: Quer ser a cara do movimento paralímpico e dar representatividade aos atletas. “Quero ser um campeão para as pessoas com deficiência em todo mundo e trabalhar por elas”, revela.

Foto: Hagen Hopkins/Getty Images
Foto: Hagen Hopkins/Getty Images

Sabia que você pode ajudar a monitorar sintomas de doenças diariamente e com isso ajudar na prevenção, tratamento e mapeamento de casos de uma região? O app Guardiões da Saúde te auxilia nisso, conheça aqui.

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,393FãsCurtir
1,679,029SeguidoresSeguir
8,241SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Mãe pede pizza só para ver o filho entregar no primeiro dia de trabalho

Lindo gesto de amor da mãe para incentivar o filho no novo trabalho!

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Pesquisadores do Paraná criam membrana capaz de desenvolver pele e ossos

O futuro da medicina está cada vez mais próximo do presente. No Paraná, pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina criaram uma membrana que é...

Instagram