Para não perder tratamento, autista que viveu 15 anos acorrentado recebe apoio com vaquinha

O jovem André Padilha, 30 anos, viveu 15 anos acorrentado em sua casa, em Fernandópolis (SP). Com autismo severo, o jovem começou a se autoagredir na adolescência, causando lesões permanentes na orelha e na boca. Infelizmente, prender o filho foi a única solução que a dona Marisa Padilha encontrou para protegê-lo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sensibilizados com o caso de André, um grupo de profissionais começou a atender gratuitamente o jovem em casa. Porém, há seis meses os voluntários pararam o tratamento por problemas financeiros. Para ajudar André a não perder os avanços conquistados até aqui, abrimos uma vaquinha na VOAA. Clique aqui e apoie!

Sem tratamento, André tem regredido 😔

A equipe que cuidava de André era magnífica! Formada por psicóloga, fonoaudióloga, fisioterapeuta e equoterapeuta, o grupo multidisciplinar tinha conquistado avanços incríveis no tratamento do jovem, que não precisava mais ficar acorrentado em casa.

Mas há 6 meses ele está sem o tratamento e a mãe teme que percam todo o avanço conquistado nesses dois anos. 😔

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jovem com capacete de rúgbi
André havia evoluído no decorrer do tratamento, mas pode perder avanços caso não volte a ter cuidados. Foto: reprodução/VOAA

“Os voluntários pagavam do próprio bolso, mas agora estão sem condições de continuar”, explicou a dona Marisa, que não tem condições de bancar um tratamento como este para o filho.

Tratamento foi negado pelo SUS

Em 2019, André foi personagem de um episódio do programa Profissão Repórter, da Globo. A matéria mostrou o dia a dia de André e da dona Marisa, que naquela época mantinha o rapaz acorrentado continuamente. Foi a partir desta matéria que o grupo de profissionais procurou a família para oferecer o tratamento gratuito para autismo.

Porém, dona Marisa contou que os últimos meses sem cuidado profissional tem feito André regredir no tratamento. A mãe do jovem já entrou com um pedido no SUS (Sistema Único de Saúde) para que seu tratamento fosse pago pelo Governo Federal, mas ele foi negado.

Mãe e filho autista abraçados em foto
André e sua mãe, Marisa, tem um longo histórico de batalha para a melhora do jovem. Foto: reprodução/VOAA

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Já a Prefeitura de Fernandópolis, revelou que em até três meses terão um espaço para cuidar de André. Apesar da promessa, não há certeza que o rapaz voltará a ser tratado em breve.

Para que André não volte a ficar acorrentado, abrimos essa vaquinha para pagar seu tratamento. Apoie essa história de luta dele e da dona Marisa. Clique aqui e colabore!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM








Para não perder tratamento, autista que viveu 15 anos acorrentado recebe apoio com vaquinha 1

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,142,486SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ex-aluno arrecada R$154 mil e ajuda a mudar a vida de professor que morava em seu carro

Um rapaz teve a oportunidade de retribuir o carinho de um ex-professor idoso que virou sem-teto. José Villaruel, o Sr. Villaruel, ficou sem trabalho...

Pais sentem chutes de bebês em suas próprias barrigas

A Ogilvy & Mather – Argentina criou uma ação fofíssima para a Huggies, que permitiu que os pais sentissem fisicamente em suas barrigas o mesmo que as...

Tal mãe, tal filha! Fotos adoráveis de mães e suas cópias

Mães e filhas, geralmente, têm uma relação especial. Embora ambos os pais são igualmente importantes na educação de uma criança, as filhas muitas vezes...

Internautas se unem em vaquinha para idosa humilhada por morar em barraco

A dona Maria de Fátima, 57 anos, foi humilhada por simplesmente morar em um barraco de madeira construído com materiais que encontrou no lixo,...

15 ideias para manter sua árvore de natal à provas de bichos de cães e gatos

Quem tem catioro ou gatíneo sabe que eles simplesmente são fascinados por árvores de natal ou qualquer outro elemento decorativo desta época. Eles AMAM ver...

Instagram

Para não perder tratamento, autista que viveu 15 anos acorrentado recebe apoio com vaquinha 2