Menino autista se torna amigo de vendedora e ela tatua seu nome escrito com a letra dele

O mundo autista é realmente fascinante, né não? Depois que você é tocado por esta causa, é difícil não se envolver. Foi assim com a vendedora Aparecida Cabral, de 23 anos, que conheceu o que era o autismo através do Miguel, de 9.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há dois anos, Miguel entrou com a família na loja da RiHappy, do Shopping Campo Grande, em busca de uma Galinha Pintadinha, e saiu com uma amiga para a vida, a quem ele chama carinhosamente de “a amiga da RiHappy”.

Cida trabalha na loja há 4 anos. Antes da pandemia, todos os sábados a família de Miguel passou a ir à loja e a vendedora passava um tempão brincando e interagindo com ele.

Através do Miguel eu conheci e descobri que eles ensinam cada coisa, um carinho, um jeito diferente, que a gente acaba amando“, contou Cida.

Os dois estabeleceram uma relação que nem a vendedora, nem o garoto, nunca vivenciaram. Ele até permite que Aparecida o abrace, o que é uma grande evolução para uma criança autista, que geralmente não gosta do convívio social com desconhecidos. “A gente se abraça, na verdade, ele não me abraça, porém vai na minha frente e eu abraço ele, é sempre assim, ele para e eu abraço”, conta.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Atendimento da vendedora faz toda a diferença para a família

A relação de Cida com Miguel vai além de uma vendedora que tenta convencer o filho a fazer com que o pai leve um produto para casa. Até mesmo fora da loja, ele a reconhece e vai falar com ela. “Ela fala que é encantada por ele, que ele não pede nada, só quer brincar”, conta a mãe de Miguel, a bióloga Andressa Piacenti, de 39 anos.

Certa vez, Miguel queria ganhar um ônibus da Peppa Pig, e a vendedora não só mostrou o presente, como sentou com ele no chão e abriu todos os brinquedos num círculo. “Tem uma música que ele gosta, ela sentou e ligou todos eles com toda paciência”, descreveu a mãe.

Menino autista sentado com vendedora de loja brincando com brinquedos no chão da loja
Cida brinca pacientemente com Miguel. Foto: Arquivo pessoal

Ah, gente! Isso nem é vendedora, isso é amor e empatia mesmo.

Vendedora tatuou nome de Miguel no braço durante distanciamento por causa da pandemia

A convivência da dupla foi interrompida no ano passado por causa da pandemia. Com a distância, Aparecida deu um jeito de ficar mais próxima de Miguel: tatuou o nome dele no braço junto com o símbolo do autismo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tatuagem no braço com símbolo do autismo e nome de Miguel
Foto: Arquivo pessoal

Ela pediu a mãe de Miguel que mandasse uma foto com o nome dele escrito com a letrinha dele. A mãe pensou que era alguma brincadeira da loja, mas ficou surpresa ao receber depois a foto de Cida com a tatuagem em seu braço.

Garoto autista segurando folha com seu nome escrito por ele em papel
Miguel escreveu o próprio nome para a vendedora fazer a tatuagem. Foto: Arquivo pessoal

“Eu vou tentar não sair da vida do Miguel, porém eu sou ciente que um dia vamos acabar nos afastando, então pedi pra Andressa para o Miguel escrever o nome dele com a letra dele, porque quero deixar registrado o meu carinho por ele. Ele pode estar longe, mas eu sempre vou estar lembrando dele“, disse. Nossa, que fofo!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Folha com nome escrito: Miguel
Nome de Miguel escrito com a letrinha dele, que foi transcrito para a tatuagem de Cida. Foto: Arquivo pessoal

“Eu não imaginava, a gente não tem palavras. Eu chorei, meu marido chorou, minha mãe chorou. Todo mundo da família ficou emocionado, não dá para explicar como que o Miguel, de alguma forma, mexe com a vida de outras pessoas. Eu tenho um olhar completamente diferente das pessoas e do mundo depois do Miguel, mas saber que ele consegue tocar a vida de outras pessoas é sensacional”, revelou a mãe.

Toda criança merece o devido cuidado para se desenvolver bem. E que tal ajudar o pequeno Davi, que tem uma doença rara e precisa de tratamento para voltar a enxergar? Criamos uma campanha no VOAA. Clique e contribua!

Atitude transformou a vida da família, da criança e da vendedora

Cida ainda nem é mãe, mas já aprendeu muito com o garoto, principalmente com relação ao autismo. “Eu amo o Miguel, ele é sincero comigo, demonstra um carinho por mim e através dele eu aprendi o que era o autismo e como lidar com a criança“, disse.

A família de Miguel se permitiu deixá-lo sempre com a vendedora enquanto fazia outras atividades no shopping, coisa que nunca tinham conseguido. “Com o autismo é difícil alguém querer ficar com os nossos filhos, nem os parentes querem porque não sabem lidar. E ela não, descobriu o autismo com o Miguel, foi se interessando e eles ficando cada vez mais próximos”, falou Andressa.

E ela realmente aprendeu muito. “Hoje se eu vejo alguma criança chorando o meu olhar por ela já é diferente, porque eu sei que pode não ser um choro normal”, disse Cida.

“Principalmente no momento que a gente está vivendo, descobrir que ainda existem pessoas boas, com empatia, se colocar no lugar do outro e ter um gesto de carinho, de compreensão é o que a gente mais sonha para os nossos filhos. Ficamos felizes e muito gratos, são anjos como a Cida que Deus coloca nas nossas vidas para nos dizer: ‘vocês não estão sozinhos’“, disse a mãe.

E Miguel respondeu por mensagem de áudio ao ver a foto no Whatsapp da tato da tia. “Eu gostei do que a amiga fez. Muito obrigado, tô com saudade, tchau”. E mandou um beijão!

Fonte: Campo Grande News

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Todo o lixo gerado por essas duas famílias em um ano cabe nesses dois potes

No Dia da Terra no ano passado (22 de abril), duas mulheres de Victoria, British Columbia, disseram adeus a suas latas de lixo para...

Ele parou de fumar e agora usa o dinheiro para viajar e fazer melhorias em casa

Infelizmente o cigarro ainda é um vício presente na vida de muitas pessoas, mas sempre tem aquelas que conseguem dar a volta por cima...

Policiais atendem chamada de emergência de menina para seu bichinho de pelúcia ‘ferido’

Policiais do estado do Colorado (EUA) atenderam um 'chamado de emergência' de uma menina de 6 anos para seu bichinho de pelúcia 'ferido'. A pequena...

Surfistas vão todos os dias à praia para salvar vidas e recebem gratidão de banhistas

Só quem já passou pelo susto de perder o controle ao nadar em um mar ou uma piscina sabe o tamanho do alívio quando...

ONG usa garrafas PET para construir escolas, une comunidades e muda vidas

UAU! Quantas lições podemos tirar de um único vídeo? Pouco mais de 3 minutos podem nos dar e mostrar tantas situações, caminhos e superações. O...

Instagram