Homem deixa de alugar cadeiras para emprestá-las às pessoas que ficam na fila da Caixa na BA

Wellington Gonçalves tem um negócio pequeno que aluga cadeiras e mesas para eventos em Salvador (BA).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sem trabalho, já que eventos estão proibidos por causa da pandemia, Wellington, 40 anos, resolveu emprestar suas cadeiras para as pessoas que chegam na Caixa Econômica Federal de Periperi buscando auxílio emergencial, e ficavam horas na fila de pé.

Vaquinha para ajudar Wellington que está sem renda há dois meses. Clique aqui e doe.

Eu disse emprestar? Sim!

homem levando cadeiras pessoas fila caixa econômica federal
Wellington empresta as cadeiras do seu negócio para as pessoas na fila da Caixa. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele até que poderia cobrar um valor, nem que fosse um valor simbólico, mas Wellington faz isso de coração.

Muitas pessoas, até parente meu, ficavam horas e horas na fila. Eu vi que poderia ajudar de alguma forma. Como eu tenho cadeira e não estava alugando, resolvi emprestar”, explica.

Wellington conta que as pessoas ficam surpresas quando ele diz que as cadeiras são de graça.

“Eu digo ‘é de graça’. Existem pessoas que se aproveitam desse momento pra lucrar, e eu fiz voluntariamente”, destaca, reforçando que o momento pede solidariedade.

pessoas sentadas cadeira fila caixa econômica federal
Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vaquinha para ajudar Wellington que está sem renda há dois meses. Clique aqui e doe.

O microempresário levanta da cama junto com o sol para fazer a boa ação. E só volta para casa no final da tarde.

“Eu chego 5h da manhã e saio de tarde, 16h, 17h.”

Infelizmente, teve um episódio que deixou Wellington bastante chateado. Dezoito cadeiras desapareceram.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Porém, ele não pensa em parar a boa ação, “eu sou uma pessoa assim, acontece as coisas, eu sou persistente, eu não desisto”. 👏

mulher e homem estendendo braços sentados cadeiras frente caixa econômica federal
A boa ação do Wellington chegou pra gente pela repórter e apresentadora Driele Veiga. Foto: Reprodução/Instagram @drieleveiga

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Funcionários voltaram das férias, mas falta trabalho

Wellington emprega três funcionários. Ele deu férias antecipadas, mas a equipe já voltou.

“Com isso tudo, a gente está sem poder trabalhar. Eles já chegaram de férias, e não tem o que fazer. Pedindo a Deus que isso passe logo e ocorra tudo bem.”

Carretos

Wellington faz um carreto aqui, outro ali, pra conseguir um dinheirinho e poder pagar as contas.

“Eu tô me virando, e procurando também ficar mais isolado. Não saindo de casa, procurando fazer só o mais necessário. Agora que eu tô mais na rua, fazendo essa ação.”

Essa é a mensagem que Wellington deixa pra gente: fique em casa, faça como ele, só saia quando for necessário.

Vamos ajudar o Wellington para que ele saia de casa apenas pra fazer o bem? Clique aqui e contribua.

selo conteúdo original

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,844,630SeguidoresSeguir
24,858SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Aldeia da Amazônia ganha ação judicial contra gigante do petróleo

A Floresta Amazônica é conhecida e reverenciada como a maior e mais densa floresta tropical do planeta. Abrangendo nove países e sete milhões de...

Jogo do Bahia ganhou bandeiras arco-íris de escanteio em ato contra homofobia

“Sempre que alguém disser onde acaba meu campo, eu levantarei bandeira”, diz um torcedor no vídeo divulgado pelo clube.

Mãe solicita aumento de salário para técnico que consolou seu bebê cego durante expediente

Ser pai ou mãe não é uma tarefa fácil. Criar filhos é um ato de equilíbrio constante que requer paciência e um compromisso profundo. Mãe...

Debaixo de uma lona, nasceu instituição que há 26 anos transforma a vida de jovens de comunidade no RJ

A fundadora Selma Pacheco, de vizinha, se tornou parte de comunidade carente de Campo Grande (RJ). Hoje, O Neac (Núcleo Especial de Atenção a Criança) atende crianças e jovens que recebem aulas de dança, esportes e tecnologia.

Abatido e “de luto”, médico pede testes com substância que pode combater o câncer

Na quinta-feira (1/10), antes de um encontro com parlamentares em Araraquara, no interior de São Paulo, o médico e pesquisador Renato Meneguelo comentou o...

Instagram

Homem deixa de alugar cadeiras para emprestá-las às pessoas que ficam na fila da Caixa na BA 2