Bebê prematuro recebe ajuda no tratamento (e muito amor) de ‘pai canguru’

Clique e ouça:

Heitor nasceu aos sete meses de uma gestação até então tranquila. Tinha 40 centímetros e pesava 1,625 quilo. Com pré-eclâmpsia e pancreatite, Caroline de Souza, de 27 anos, teve de ser operada às pressas e foi direto para a UTI. Coube ao pai, o aplicador de película para vidros Carlos Vinícius de Lima Silva, de 29 anos, o papel de acolher Heitor – primeiramente com carinhos na incubadora, até poder depois aninhar seu filho no colo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Silva é um “pai canguru”, uma adaptação da estratégia de assistência ao prematuro em que o bebê é retirado da incubadora em alguns momentos do dia para ter contato pele a pele, geralmente com a mãe.

Heitor nasceu na Maternidade do Hospital Rocha Faria, primeiro da rede estadual do Rio a ter o “pai canguru”. Hospitais da rede municipal e federal já oferecem esse atendimento. “Os bebês têm a recuperação mais rápida quando o pai participa do processo. Mas a grande função é a integração da família. O pai passa a participar mais dos cuidados”, afirma a coordenadora de neonatologia da unidade, Angélica Svaiter.

Silva diz que logo depois do nascimento do filho, mal olhou o bebê. “Minha prima morreu de eclâmpsia, eu só queria saber se minha mulher estava viva”, lembra. Quando o bebê ficou estável e deixou a UTI, as sessões de canguru começaram. Três vezes por dia, Heitor é preso ao corpo do pai com ataduras. Ficam ao menos uma hora assim, três vezes por dia. “A primeira vez foi indescritível. Dá para sentir o batimento do coraçãozinho, o calor do corpo”, conta. Na quarta-feira, Heitor chorava na incubadora, mas acalmou-se quando foi para o colo do pai. Silva se afastou do trabalho.

A estudante Raiane Batista Martinez, de 16 anos, diz que a filha, Eloah, ganhou peso mais rápido depois que passou a ter contato com o pai, o vendedor Sidney Monteiro Júnior, de 22 anos. Aos dois meses, ela pesa 1,8 quilo, mas nasceu com somente 950 gramas. “Eles estão mais ligados. Ela é a vida dele. Hoje ele troca fralda, segura a seringa para dar o leite”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

pai_canguru5 pai_canguru2 pai_canguru3 pai_canguru4

Leia a matéria na íntegra aqui. Foto da capa de Marcos de Paula

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,486FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
11,972SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Batismo de bebê conta com bençãos de familiares católicos, espíritas, evangélicos e umbandistas

Quando completou três meses de vida, o pequeno Iago recebeu as bençãos de sua família, cada qual à sua maneira: uma avó é católica,...

Surfistas vão todos os dias à praia para salvar vidas e recebem gratidão de banhistas

Só quem já passou pelo susto de perder o controle ao nadar em um mar ou uma piscina sabe o tamanho do alívio quando...

Instagram