Início INSPIRAÇÃO Amor Bebê com síndrome rara que não fala e não anda transforma vida...

Bebê com síndrome rara que não fala e não anda transforma vida de sua família

Quando grávida, a cabeleireira Alessandra Pinheiros, 41 anos, conta que ao fazer o primeiro ultrassom, descobriu que seu bebê tinha uma má formação na mão esquerda. No entanto, ela só soube que o filho tinha uma síndrome rara após o seu nascimento.

Joseph teve uma gestação normal, mas veio ao mundo prematuro: 36 semanas (pouco mais de sete meses).

Atualmente com dois anos de idade, ele não fala, não anda e se alimenta apenas por sonda. Para se adaptar às necessidades do menino, sua família fez um grande esforço conjunto e se tornou um suporte fundamental para a sua subsistência.

Quando ainda era um bebê, Joseph precisou ser submetido a uma cirurgia de alta complexidade. Ainda assim, os médicos não souberam de início identificar sua condição.

Alessandra decidiu sair de Sengés, no norte paranaense, para a capital, Curitiba. Lá, após uma série de exames, constatou-se que o bebê nasceu com a Síndrome Cornélia de Lange (CDLS), uma doença genética que ocorre em 1 a cada 50 mil nascimentos, aproximadamente. A síndrome causa atraso no desenvolvimento e deficiências físicas e cognitivas generalizadas.

Bebê com síndrome rara que não fala e não anda transforma vida de sua família 1

Joseph enfrenta diversas dificuldades. Uma delas é o refluxo renal e gastroesofágico, que o impossibilita de se alimentar pela boca. Há alguns meses, ele fez uma cirurgia no palato aberto, após ficar cinco meses internado no Hospital Pequeno Príncipe em Curitiba.

Leia também: Padre ‘adota’ bebê com síndrome de Down abandonado pelos pais

“Meu sonho é que ele consiga se alimentar sozinho, sem o uso da sonda. Fiquei desesperada quando ele nasceu, porque ele não sugava e vomitava muito”, conta a mãe. Além disso, ele tem os membros superiores comprometidos, as sobrancelhas unidas, o rim com formato de “ferradura”, excesso de pelos no corpo, nariz empinado, mãos e pés pequenos.

“Ele nos transforma a cada momento”

Há um grande esforço entre os pais de Joseph para provê-lo qualidade de vida, uma infância saudável, e claro, muito amor. Eles adaptaram algumas coisas em casa para trazê-lo maior conforto: para conseguir sentar o filho, Alessandra adiciona algodão nas calças dele, dando-lhe equilíbrio. Além disso, seu pai criou um andador com canos de PVC para que ele possa treinar e dar alguns passos.

O pai de Joseph, Erielton Carneiro, 32 anos, é um pilar de sustentação do filho desde o seu nascimento. Ao lado da esposa, busca incentivar o filho mais velho, Davi, 6 anos, a cuidar do irmãozinho, além de dar a ele muito amor.

Bebê com síndrome rara que não fala e não anda transforma vida de sua família

De acordo com Alessandra, Davi é um menino muito compreensível e se tornou um amigo indispensável de Joseph desde o início de sua jornada. “Ainda na minha barriga, ele oferecia muito carinho ao irmão, com abraços apertados e demorados. Um dia, Davi me surpreendeu durante uma oração, pedindo a Deus um irmãozinho. Ele respondeu. No começo, foi uma caixinha de surpresas para nós. Mas hoje ele nos transforma a cada momento”, lembra emocionada. “Davi é muito compreensivo. Sofreu com a distância nos dias em que Joseph precisou de tratamento, mas sempre brinca muito com ele. Joseph é muito calmo e, por ele ser assim, Davi aprende muito com ele. São verdadeiros amigos”, conta.

Um apoio especial

A chegada de Joseph mudou completamente a rotina familiar. À medida que o menino cresce, Alessandra tem buscado ajuda mais qualificada e profissional.

Eventualmente, ela encontrou Luana Hass Ferreira, coordenadora de um grupo com mães que têm filhos com CDLS no Paraná.

Bebê com síndrome rara que não fala e não anda transforma vida de sua família

A curitibana, que também tem uma filha de nove anos com essa síndrome, entende como ninguém as dificuldades enfrentadas tanto pela criança quanto pela família. “Meu papel é apoiar essas mães para que essas crianças tenham uma melhor qualidade de vida e atendimento. Ajudei a família da Alessandra, que é mais um caso, mas aqui no Paraná existem mais 50 pessoas com essa síndrome”, esclarece.

Leia também: A reação desse bebê ao ouvir um violino pela primeira vez é a fofura do dia!

Os pais de Joseph manifestam grande esperança à medida que acompanham o progresso lento, porém crescente, do filho. “Lutaremos para que o Joseph ande, fale, se alimente com a própria boca e, no futuro, também consiga pegar as coisas com a mão direita”, conta Alessandra. “Creio que ele terá uma vida normal”.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Sempre Família/Fotos: Reprodução/Tom Lopes

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,579FãsCurtir
1,684,969SeguidoresSeguir
8,271SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Jovem abre espetinho e amigos aparecem para ‘dar uma força’ em Curitiba (PR)

No início deste mês, o usuário @Chrystofer_99 comentou no seu Twitter que planejava abrir um espetinho. A ideia era fazer um 'teste' com sua família,...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Cansado de notícias ruins, ilustrei 36 das melhores notícias de 2019

É a mesma coisa: entra ano, sai ano: em dezembro começam as publicações nas redes sociais dizendo que o ano foi terrível, que só...

Instagram