Bi-campeão do mundo no futebol de areia usa o esporte para quebrar barreiras e transformar a vida de crianças da sua comunidade (RJ)

Bi-campeão do mundo com a seleção brasileira de futebol de areia, Daniel Souza, 34 anos, é uma prova de que o esporte pode transformar vidas. Cria do Morro do Cantagalo, no Rio de Janeiro, hoje, é uma referência para as crianças da escolinha de futebol que coordena no lugar onde nasceu e cresceu.

Daniel começou a jogar futebol de areia aos 10 anos de idade. Dona Valdete, mãe de Daniel, vendia salgados na praia de Ipanema e queria ter o filho por perto. Foi então que Dona Valdete incentivou Daniel a praticar o esporte enquanto trabalhava.

Muitas vezes, faltava o dinheiro da passagem do ônibus para Daniel ir treinar e até mesmo lanchar. Mas a parceria entre mãe e filho quebrou a barreira da falta de oportunidades. Como Dona Valdete diz: era ela por ele; e ele por ela.

ex-atleta de futebol de areia negro sorri em cima de laje de casa em comunidade
Daniel dá duro em projeto social para sua história não ser mera exceção. Foto: divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Daniel sempre foi muito o meu parceiro. O tempo todo era assim. ‘Mas, mãe, como a gente vai fazer?’. ‘Daniel, confia, amanhã é outro dia’”, recorda Dona Valdete.

“Já treinei sem me alimentar porque naquele dia não tinha alimento. Mas eu estava lá. Eu fui treinar a pé porque não tinha dinheiro para passagem. Mas eu fui. A gente foi quebrando todas essas barreiras”, diz Daniel.

No topo do mundo por duas vezes

Daniel chegou ao auge da carreira muito rápido. Aos 20 anos, o ex-atacante recebeu a sua primeira convocação para a seleção brasileira de futebol de areia.

“Ele mereceu a convocação. Foi meio um susto. Um jogador recém-chegado ao grupo da seleção brasileira. Mas acho que uma das funções do treinador é nunca cortar as asas de quem tá voando. Quando você detecta um talento, tem que dar a oportunidade. E ele abraçou a oportunidade”, diz Alexandre Soares, técnico daquela seleção.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2007, Daniel disputou sua primeira Copa do Mundo e se sagrou campeão. Até hoje, a ficha parece não ter caído. O menino que jogava bola nas areias da praia de Ipanema entrou para uma seleta galeria de campeões. Em 2009, no mundial de Dubai, a história se repetiu e Daniel foi novamente campeão mundial.

Projeto Rexona Quebrando Barreiras

Tudo isso seria um sonho distante se Daniel não tivesse passado por um projeto social. Palavras dele: “Faz diferença. Eu falo isso porque sou cria de um projeto social e que deu muito certo. Consegui chegar na seleção brasileira”.

E no que depender dele, não será o único! Daniel tem uma escolinha de futebol no Morro do Cantagalo, onde usa o esporte como agente de inclusão e transformação social.

O projeto é apoiado pelo Projeto Rexona Quebrando Barreiras, programa da marca que visa usar o esporte e a atividade física para capacitar pessoas com oportunidades, confiança, trabalho em equipe e resiliência, para quebrarem as barreiras que os afastam de uma vida com mais movimento, impostas por eles próprios ou pela sociedade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A iniciativa é composta por parcerias com instituições como a love.fútbol, que construiu uma quadra nova para a escolinha de futebol coordenada por Daniel. Apenas no seu primeiro ano, o Projeto Rexona Quebrando Barreiras beneficiou mais de 180 mil pessoas.

banner do projeto rexona quebrando barreiras
Daniel quebrou a barreira da falta de oportunidade. Foto: divulgação

“Eles vieram reformando tudo. Deixaram a quadra bonitona e foi onde iniciamos o projeto. As crianças viram aquele movimento e perguntavam, ‘Daniel, isso é pra quê? Vai ter um torneio aí?’. Eu falei, ‘isso vai ser pra nossa escolinha’, e a molecada com um brilho no olho”, destacou.

“O esporte consegue mudar a vida, o caráter e a filosofia da pessoa. É inexplicável!”, concluiu.

Confira a conversa que Daniel teve com Fábio Porchat, embaixador do Projeto Rexona Quebrando Barreiras!

Conheça essa e outras histórias de como o movimento pode transformar vidas clicando aqui.

Relacionados

Pernambucana cria time de futebol feminino para empoderar meninas por meio do esporte

Quebrando a barreira do acesso ao esporte, a pernambucana Karina Paz utiliza o futebol feminino para empoderar meninas da Comunidade do CSU, em Olinda....

Elas têm deficiência intelectual e quebraram as barreiras da exclusão e do julgamento por meio do esporte

Emanuelle Dutra e Ana Paula Loro são personagens da série Projeto Rexona Quebrando Barreiras, que mostra, em três episódios, histórias de brasileiros que quebraram...

+ DO CANAL

Em vez de buscar fama e dinheiro, b-boy escolhe ficar em comunidade ensinando break a crianças (RJ)

“Eu não tô aqui pra ser estrela. O céu já tá cheio delas”. Quem diz isso é o b-boy Bala Machine, que decidiu compartilhar...

Através da dança, professor de break quebra barreiras e ensina valores que transformam a vida de crianças da Rocinha (RJ)

Léo Klone é um dos personagens da série Projeto Rexona Quebrando Barreiras, que mostra, em três episódios, histórias de brasileiros que quebraram diversas barreiras...

Pernambucana cria time de futebol feminino para empoderar meninas por meio do esporte

Quebrando a barreira do acesso ao esporte, a pernambucana Karina Paz utiliza o futebol feminino para empoderar meninas da Comunidade do CSU, em Olinda....

Menos exigência, mais inclusão! Técnico quebra barreira e mostra que o esporte é para todos (RJ)

Fábio Cobolski é diretor das Olimpíadas Especiais Brasil (OEB), na Região dos Lagos do Rio. Como técnico, busca tirar o melhor de seus atletas...

Elas têm deficiência intelectual e quebraram as barreiras da exclusão e do julgamento por meio do esporte

Emanuelle Dutra e Ana Paula Loro são personagens da série Projeto Rexona Quebrando Barreiras, que mostra, em três episódios, histórias de brasileiros que quebraram...

Instagram