Biblioteca oferece serviços de saúde mental para moradores de rua; e está funcionando

Das 5.000 pessoas que visitam a Biblioteca Pública de San Francisco por dia, cerca de 15% deles são desabrigados. Depois de anos vendo estas pessoas carentes em busca de acesso à Internet, um banheiro e, muitas vezes, apenas refúgio contra o frio, a biblioteca resolveu ter uma posição favorável e realizar intervenções eficazes por eles.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim, em 2009, a biblioteca contratou Leah Esguerra, que pode ser a primeira assistente social psiquiátrica da nação a ser empregada em tempo integral em uma biblioteca. Desde o início do programa, cerca de 150 pessoas desabrigadas receberam moradia permanente, e outro 800 se inscreveram nos serviços sociais e de saúde mental.

O sucesso é devido em parte ao fato de que a biblioteca se tornou um centro para pessoas sem-teto, e que os envolvidos no programa se aproximam dos pacientes com empatia.

“Eu sempre digo que é mais fácil fazer evangelismo nas ruas, porque é um território neutro. Você pode apenas se aproximar as pessoas”, disse Esguerra. “Mas, aqui, é o seu lugar seguro, é o seu santuário. Então, eu tento ser muito respeitosa.”

Bibliotecas serviram durante muito tempo como abrigos para moradores de rua. Mas só recentemente estas instituições começaram a tomar partido.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aqueles que vivem em abrigos normalmente têm que ocupar seu dia e usar seu tempo livre para encontrar emprego. E as bibliotecas são um lugar ideal para ir, desde a entrada gratuita e é muitas vezes o único local da cidade que tem internet grátis e computadores.

Na verdade, quase dois terços das bibliotecas fornecem são os únicos locais com computadores e acesso à internet em suas comunidades.

Enquanto Esguerra cuida dos aspectos clínicos relacionados com os sem-tetos, pessoas anteriormente desabrigadas têm sido empregadas para ajudar a manter o lugar limpo e funcionando.

Estes “associados de saúde e segurança” participam de um programa de reabilitação profissional de 12 semanas antes de ganhar o emprego.

Melvin Morris foi a primeira pessoa a conseguir o emprego. Ele trabalhava 20 horas por semana por US $ 12 a hora. “Eu venho do mesmo lugar que eles vêm,” disse Morris. “Quando falo com eles, digo-lhes que eles poderiam fazer o mesmo também.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quanto ao papel de Esguerra, quando ela conhece uma pessoa, ela faz uma avaliação clínica completa. Ela, então, o apresenta para seus colegas de equipe, que proporcionam gerenciamento de casos e habitação.

San Francisco, que tem cerca de 6.600 desabrigados, começou uma espécie de tendência. Hoje, 24 bibliotecas públicas fornecem sistemas de suporte para sem-tetos.

Em Pima County, Arizona, por exemplo, enfermeiros vagueiam por 27 bibliotecas oferecendo verificações de pressão arterial e identificando se precisam de cuidados médicos.

A Biblioteca do Queens, em Nova York, conecta sem-tetos com bancos de alimentos, abrigo e serviços jurídicos através de um aplicativo de telefone móvel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Estes programas vão humanizar a falta de moradia”, disse Esguerra Cidade Lab. “A biblioteca torna-se um santuário para muitos e nosso programa os ajuda a se sentirem seguros novamente.”

In this Jan. 29, 2010 photo, Frank Bunnell, who is homeless, reads at the San Francisco Public Library in San Francisco. The main branch of the San Francisco Public Library, where hundreds of homeless people spend every day, is the first in the country to keep a full-time social worker on hand, according to the American Library Association. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)
In this Jan. 29, 2010 photo, Frank Bunnell, who is homeless, reads at the San Francisco Public Library in San Francisco. The main branch of the San Francisco Public Library, where hundreds of homeless people spend every day, is the first in the country to keep a full-time social worker on hand, according to the American Library Association. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)

** TO GO WITH STORY BIBLIOTECAS INDIGENTES ** In this Jan. 29, 2010 photo, John Banks, who is homeless, sits in his wheelchair at the San Francisco Public Library in San Francisco. While libraries have long been refuges for the down and out, in the ongoing recession, they are dealing with more people than ever before with mental health problems and basic needs such as food and shelter. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)
** TO GO WITH STORY BIBLIOTECAS INDIGENTES ** In this Jan. 29, 2010 photo, John Banks, who is homeless, sits in his wheelchair at the San Francisco Public Library in San Francisco. While libraries have long been refuges for the down and out, in the ongoing recession, they are dealing with more people than ever before with mental health problems and basic needs such as food and shelter. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)

** TO GO WITH STORY BIBLIOTECAS INDIGENTES ** In this Jan. 29, 2010 photo, Leah Esguerra, right, a social worker at the San Francisco Public Library, goes over a list of homeless people that had checked in with grounds patrolman Paul Little in San Francisco. While libraries have long been refuges for the down and out, in the ongoing recession, they are dealing with more people than ever before with mental health problems and basic needs such as food and shelter. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)
** TO GO WITH STORY BIBLIOTECAS INDIGENTES ** In this Jan. 29, 2010 photo, Leah Esguerra, right, a social worker at the San Francisco Public Library, goes over a list of homeless people that had checked in with grounds patrolman Paul Little in San Francisco. While libraries have long been refuges for the down and out, in the ongoing recession, they are dealing with more people than ever before with mental health problems and basic needs such as food and shelter. (AP Photo/Marcio Jose Sanchez)

Fonte: Huffington Post

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,100,260SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Artista cria boneco de crochê adorável para menino que sofre com morte do avô

Uma artista ajudou um garotinho a lidar com a morte do seu avô de um jeito fofo: com um boneco de crochê. Vestindo a mesma...

Bombeiro de férias salva pai e filhos de afogamento em praia do RJ

De férias, o bombeiro goiano Marco Aurélio Vaz decidiu viajar para o Rio de Janeiro, onde passaria alguns dias em Copacabana descansando com a...

Italianos desenvolvem telha capaz de substituir placas solares

Muitas vezes, na hora de construir ou reformar uma casa, vontade de colocar itens sustentáveis é o que não falta, mas geralmente eles não...

Menino chora muito ao ganhar bolo de aniversário feito pela irmã

Prepare a caixa de lencinhos porque o que essa garotinha fez para seu irmão no dia do aniversário dele vai tocar seu coração lá no fundo.

Em breve teremos emojis de pessoas com deficiência

Nos novos ícones há aparelhos auditivos, pessoas em cadeiras de rodas, cães-guia e braços e pernas mecânicas.

Instagram

Biblioteca oferece serviços de saúde mental para moradores de rua; e está funcionando 3