Bibliotecário indiano doa cada centavo que ganha para a caridade há 35 anos

Clique e ouça:

Conheça Kalyanasundaram, um bibliotecário indiano de 73 anos com um coração de ouro. Durante seus 35 anos de serviço, ele doou quase todo o dinheiro que ganhou para orfanatos e fundos de cuidado às crianças.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora que ele está aposentado, Kalyanasundaram doa toda a pensão para aqueles que precisam mais do que ele. Embora ele não tenha posses materiais em seu nome, ele se considera uma das pessoas mais ricas do mundo.

Ele começou a pensar em ajudar pobres e desfavorecidos ainda muito jovem. Ele perdeu seu pai com um ano de idade e sua mãe o criou sozinha. À medida que envelhecia, ele ficou deprimido e suicida. Porém, sua vida virou quando ele conheceu um escritor motivacional local, que lhe disse: “Não se preocupe sobre como você fala. Esforce-se para fazer os outros falarem bem de você.”

Kalyanasundaram levou o conselho a sério, e decidiu dedicar a sua vida aos outros. Humildemente, ele insiste que a razão pela qual começou a ajudar as pessoas era tornar-se feliz.

“O lugar onde eu morava era uma pequena vila sem estradas, ônibus, escolas, eletricidade, não havia sequer uma loja para comprar uma caixa de fósforos. Eu tinha que andar 10 quilômetros para chegar na escola e durante todo o caminho só pensave em como era uma experiência solitária. Por isso, eu tinha esse pensamento que se eu pudesse motivar a maioria das crianças a vir comigo para a escola, seria muito divertido.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele teve sua primeira grande oportunidade de fazer a diferença quando ele era um estudante, durante a guerra da Indochina, quando ouviu o apelo de primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru para as pessoas doarem para o fundo de defesa. Profundamente comovido, Kalyanasundaram visitou o ministro-chefe de Tamil Nadu e ofereceu um colar de ouro como sua contribuição. “Provavelmente, eu fui o primeiro aluno a fazer uma coisa dessas”, lembrou.

Após a faculdade, Kalyanasundaram começou a trabalhar como bibliotecária, mas ele não usou o seu salário para melhorar seu estilo de vida. Em vez disso, ele doou a maior parte de seus ganhos para caridade. Das 140 rúpias que ele ganhou todos os meses, ele manteria 40 rúpias para suas despesas pessoais, e doava todo o resto para ajudar crianças.

Para viver a vida dessa forma, ele abdicou de ter família própria, pois ele teria que gastar dinheiro para apoiá-los. Ele também pegou empregos extras para ser capaz de doar mais.

Kalyanasundaram ficou tão comovido com o sofrimento dos pobres que ele dormia em plataformas ferroviárias e calçadas, para que ele pudesse experimentar por si mesmo o que eles passavam.

Ao longo dos anos, ele recebeu vários prêmios – uma medalha de ouro em biblioteconomia e o prêmio Homem do Milênio, que rendeu um montante de cerca de 300 milhões de rúpias (ou 4,5 milhão dólares), que ele doou tudo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Após sua aposentadoria, ele foi premiado com uma pensão de um milhão de rúpias (aproximadamente US $ 15.000), que ele também doou integralmente.

‘Paalam’, uma organização sem fins lucrativos fundada por Kalyanasundaram, serve como uma ligação entre os doadores e os beneficiários. Além de assistência monetária, a organização ajuda crianças com educação e cuidados médicos. Eles também organizam acampamentos de doação de sangue, aconselhamento gratuito e reabilitação para os doentes e deficientes.

“Pode-se obter dinheiro de três maneiras”, explicou o senhor frágil, que agora vive em uma pequena casa em Chennai. “Em primeiro lugar, através de ganhos; em segundo lugar, através de ganhos dos pais; e em terceiro lugar, através de doações. Mas não há nada mais gratificante do que ser capaz de doar dinheiro para caridade do seu próprio salário.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Kalyanasundaram2-550x364

Kalyanasundaram3-550x733

Fonte: The Better India, DNA India

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,078,568FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,749SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Após humilhação, motoboy ganha mais de R$190 mil em vaquinha, moto nova e é contratado por agência de marketing

Em menos de 24 horas, batemos a meta da vaquinha na VOAA para ajudar o motoboy Matheus a dar a volta por cima, depois...

Vaquinha para motoboy humilhado bate mais de R$100 mil em menos de 24h

Todo mundo acordou ontem precisando engolir a seco a história do Matheus Pires, de Valinho (SP). Vivemos em um país onde ainda há muita indiferença...

Homem raspa cabelo da namorada com alopecia, depois o seu também e ela não aguenta a emoção

Quando a gente escuta que amar não tem limites, a gente fala de gestos como o de Damien! Ele namora Eva Barilaro e, recentemente, os...

Instagram

Bibliotecário indiano doa cada centavo que ganha para a caridade há 35 anos 14