Bloco de carnaval de BH tem bateria formada por pessoas com deficiência

Uma bateria bastante especial faz o maior sucesso no carnaval de Belo Horizonte (MG). A bateria inclusiva do bloco Chama o Síndico tem mais de 80 pessoas entre músicos e dançarinos que fazem a alegria dos foliões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A bateria, chamada de Sindicato Inclusivo, numa alusão ao nome do bloco e à inclusão social, já existe há três anos. Pessoas com deficiência física e mental, além de autismo, cadeirantes e idosos comandam a batucada.

Eles fazem a abertura do bloco e depois se juntam aos demais foliões para brincar nas ruas e avenidas. “O nosso objetivo não é reservar apenas um espaço para eles, isso não seria inclusão, mas é de misturar mesmo e fazer todo mundo brincar junto”, explicou Renata Thalilst.

Integrantes da bateria inclusiva do bloco de carnaval Chama o Síndico desfilando pela avenida
Foto: Reprodução/Chama o Síndico

Os organizadores fizeram ainda a adaptação de alguns instrumentos para que pessoas sem os membros superiores possam tocá-los. O bloco Chama o Síndico já existe há oito anos e arrasta mais de 100 mil pessoas a cada ano.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Saca só um dos ensaios da bateria inclusiva:

A Inclusão no Carnaval permite colocar em prática todo um discurso de respeito à diversidade, às diferenças e aos direitos destes cidadãos“, disse o musicoterapeuta e psicólogo Bruno Antônio, integrante do bloco.

Integrante da bateria inclusiva do bloco de carnaval Chama o Síndico desfilando em cadeira de rodas pela avenida
Foto: Reprodução/Chama o Síndico

Mas o bloco não faz bonito apenas no carnaval não. O projeto da bateria inclusiva é maior, funciona o ano inteiro oferecendo gratuitamente oficinas de percussão, dança e canto para as pessoas com deficiência e os seus familiares.

A bateria Sindicato Inclusivo fez lembrar da história do paulista Gui Caiaffa, que tem síndrome Apert, que promove a fusão dos dedos, e que toca bateria. Gui fez até um canal do Youtube para ensinar as pessoas com deficiência sobre música e instrumentos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O resultado desta experiencia até o momento, já nos causa muita alegria, pela adesão dos participantes, dos pais e o envolvimento de todos do Bloco Chama o Síndico e sua produção, que abraçaram o projeto”, disse Bruno. O bloco sai às ruas no próximo domingo, 23 de fevereiro.

E por falar em bloco, conheça os 20 nomes mais criativos de bloquinhos do Carnaval 2020.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

conteúdo original

 

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,845,820SeguidoresSeguir
24,900SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe dá dinheiro para amigos de filho ganharem lembrancinha de Páscoa na escola

Depois de ouvir uma história triste, a mãe não só deu dinheiro para Enzo, mas também para mais três amigos do filho.

Salva-vidas: Labradora já resgatou 52 vítimas do terremoto no México

Um terremoto no México de magnitude 7,1 atingiu o centro do país na última terça-feira, dia 19, matando mais de 230 pessoas e ferindo...

Detentos diminuem pena e garantem assistência às famílias produzindo camisetas (MG)

Detentos da penitenciária Professor Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora (MG), ganharam a possibilidade de reduzir o tempo de pena e de gerar...

Ela foi expulsa de casa em Bangladesh por recusar a se prostituir mas se tornou um ícone do surf anos depois

Nascer mulher em determinados lugares é nascer muitas vezes condenada a uma vida subjulgada. Esse seria o caso de Nasima Akter, nascida em Bangladesh, mas ela não...

Nubank envia presente para cachorro ao saber que ele estava doente

O que você faria se estivesse com o dinheiro certinho para pagar uma conta e, de repente, acontecesse uma emergência e você tivesse que...

Instagram

Bloco de carnaval de BH tem bateria formada por pessoas com deficiência 3