Legislação da Bolívia deixa de considerar homossexuais e bissexuais como “promíscuos”

A Bolívia retirou de sua legislação um artigo que qualificava homossexuais e bissexuais como “promíscuos”. A mudança ocorre após forte pressão e luta da Defensoria Pública boliviana, que vinha tentando alterar o texto há pelo menos três anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para a defensora pública Nadia Cruz, trata-se de um “avanço relevante” no reconhecimento dos Direitos LGBT, além de se fazer cumprir a Constituição e a Lei Contra Toda Forma de Racismo e Discriminação da Bolívia.

Em 1997, um decreto excluía do grupo de indivíduos aptos a doar sangue os “homossexuais e bissexuais promíscuos”, considerando que estas pessoas tinham alto risco de contágio de Aids, detalhou a nota da Defensoria Pública da Bolívia. O termo foi excluído com uma nova norma.

[A Ana Paula é uma mulher trans e foi acolhida pela dona de um salão de beleza, após ter sido vista comendo comida do lixo. Tatiana criou uma vaquinha online para ajudar a moradora de rua a recomeçar sua vida do zero, saiba como ajudar aqui.]

Legislação da Bolívia deixa de se considerar homossexuais e bissexuais como "promíscuos"

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A comunidade LGBT e a Defensoria Pública exigia a retirada do termo pejorativo desde 2016 e cobrava a mudança do Ministério da Saúde, visando “reverter o prejuízo aos direitos e o dano à dignidade” da comunidade, como explica a defensoria em seu comunicado.

Nos últimos anos, dezenas de coletivos de transexuais organizaram manifestações pelo país em defesa dos seus direitos civis. Um deles, em 2017, foi uma greve de fome coletiva contra a decisão do Tribunal Constitucional do país que permitia aos transexuais mudar dados como nome, imagem e gênero em documentos oficiais, mas sem direito a casamento, adoção ou participação política com base na paridade de gênero.

Leia também:

Em vista disso, a Defensoria Pública apresentou neste ano propostas normativas para legalizar no país uma instituição similar ao casamento e incluir os crimes de ódio no código penal.

Há alguns meses, um tribunal boliviano condenou a 30 anos de prisão um homem que torturou e degolou sua parceira, uma jovem transexual. O caso foi considerado emblemático para a comunidade LGBT por ser o primeiro do tipo a chegar à Justiça no país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: G1/Fotos: Reprodução/Flickr

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,444,158SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

FO-FU-RA! Mesmo espremidos, 6 filhotes insistem em entrar juntos em bacia. Assista!

Com 8 semanas de idade, esses filhotes de cachorro cabiam tranquilamente numa bacia e até tiravam uma soneca após o almoço. Agora, já com...

Taxista encontra Ipad e busca dono pelo Facebook para devolver o aparelho

Imagine perder um aparelho como o Ipad e não ter a mínima ideia de onde encontrá-lo. Mas graças a boa vontade e a honestidade...

Catarinense escreve livro sobre imigração e destina lucro para famílias haitianas reencontrarem seus filhos

'O 9º Poste da rua XV de Novembro' é um romance que se passa na cidade de Joinville, Santa Catarina, mas engana-se quem pensa...

Estudantes criam couro ecológico feito a partir de frutas podres que iriam para o lixo

Definitivamente, são os jovens que irão mudar o mundo. Alguns estudantes da Willem de Kooning Academy, uma escola de design em Rotterdam, na Holanda,...

Startup transforma 8 toneladas de plástico em casas populares na África

Uma iniciativa incrível entre a startup norueguesa Othalo e a ONU Habitat está dando um outro destino a 8 toneladas de plástico que iriam...

Instagram