Legislação da Bolívia deixa de considerar homossexuais e bissexuais como “promíscuos”

A Bolívia retirou de sua legislação um artigo que qualificava homossexuais e bissexuais como “promíscuos”. A mudança ocorre após forte pressão e luta da Defensoria Pública boliviana, que vinha tentando alterar o texto há pelo menos três anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para a defensora pública Nadia Cruz, trata-se de um “avanço relevante” no reconhecimento dos Direitos LGBT, além de se fazer cumprir a Constituição e a Lei Contra Toda Forma de Racismo e Discriminação da Bolívia.

Em 1997, um decreto excluía do grupo de indivíduos aptos a doar sangue os “homossexuais e bissexuais promíscuos”, considerando que estas pessoas tinham alto risco de contágio de Aids, detalhou a nota da Defensoria Pública da Bolívia. O termo foi excluído com uma nova norma.

[A Ana Paula é uma mulher trans e foi acolhida pela dona de um salão de beleza, após ter sido vista comendo comida do lixo. Tatiana criou uma vaquinha online para ajudar a moradora de rua a recomeçar sua vida do zero, saiba como ajudar aqui.]

Legislação da Bolívia deixa de se considerar homossexuais e bissexuais como "promíscuos"

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A comunidade LGBT e a Defensoria Pública exigia a retirada do termo pejorativo desde 2016 e cobrava a mudança do Ministério da Saúde, visando “reverter o prejuízo aos direitos e o dano à dignidade” da comunidade, como explica a defensoria em seu comunicado.

Nos últimos anos, dezenas de coletivos de transexuais organizaram manifestações pelo país em defesa dos seus direitos civis. Um deles, em 2017, foi uma greve de fome coletiva contra a decisão do Tribunal Constitucional do país que permitia aos transexuais mudar dados como nome, imagem e gênero em documentos oficiais, mas sem direito a casamento, adoção ou participação política com base na paridade de gênero.

Leia também:

Em vista disso, a Defensoria Pública apresentou neste ano propostas normativas para legalizar no país uma instituição similar ao casamento e incluir os crimes de ódio no código penal.

Há alguns meses, um tribunal boliviano condenou a 30 anos de prisão um homem que torturou e degolou sua parceira, uma jovem transexual. O caso foi considerado emblemático para a comunidade LGBT por ser o primeiro do tipo a chegar à Justiça no país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: G1/Fotos: Reprodução/Flickr

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,984,295SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Amigos héteros fazem vídeo divertido para pais que desconfiavam de namoro

O vídeo foi publicado no dia 21 e já conta com mais de 1,5 milhão de visualizações.

Comerciante descobre que seu funcionário é o próprio irmão perdido há três décadas

O comerciante Antonio Nunes, de 35 anos, cresceu tendo conhecimento de uma triste realidade: nos anos 1980, sua mãe entregou os dois irmãos caçulas...

Bombeiro de férias salva pai e filhos de afogamento em praia do RJ

De férias, o bombeiro goiano Marco Aurélio Vaz decidiu viajar para o Rio de Janeiro, onde passaria alguns dias em Copacabana descansando com a...

Juíza que reconheceu amigo no tribunal o reencontra após prisão

A juíza Mindy Glazer ficou famosa em junho do ano passado quando reconheceu o colega de escola, Arthur Booth, durante um julgamento. Ele foi...

Com 44% de ateus, Holanda transforma igrejas em livrarias, cafés e casas de shows

A falta de recursos das instituições religiosas para manter essas construções fez com que muitas se transformassem em pubs, cafés, livrarias e casas de...

Instagram