Brasil conquista o 3º lugar na ‘Copa do Mundo de Física’

A seleção brasileira de futebol não conquistou a Copa do Mundo, sequer ficou entre as quatro melhores seleções do torneio. Na ciência, surpreendentemente, a realidade é melhor, digamos, histórica: o Brasil conquistou o 3º lugar na ‘Copa do Mundo de Física’.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pesquisadores da Universidade Federal do ABC (UFABC) levaram o Brasil ao pódio no International Physicists’ Tournament (IPT), um torneio mundial de Física. A competição aconteceu entre os dias 1 e 8 de abril, também na Rússia, na capital Moscou. O Brasil ficou dividiu o pódio com a França (2º lugar) e a Suíça (1º lugar).

Os competidores tiveram que resolver as questões propostas pela organização do torneio em diferentes níveis. O estudante de Física André Juan, 20 anos, integrante da equipe, explica melhor pra gente. “Isto é, explicar os fenômenos envolvidos, fazer modelos teóricos, fazer experimentos, etc.”

A edição deste ano contou com 21 equipes, de 20 países (a Rússia competiu com duas esquipes). Como tinham apenas 18 vagas, foi realizada uma pré-seleção e, no final, 16 equipes puderam participar da competição menos badalada do que a Copa do Mundo… de futebol.

A equipe brasileira só conseguiu marcar presença na competição graças a um financiamento coletivo, como na edição do ano passado. Uma realidade triste, mas muito comum nas universidades públicas do Brasil, que pouco investem, ou investem bem menos do que deveriam, nos nossos talentos.

Não houve interesse de empresas em patrociná-los, e a ajuda da UFABC foi em forma do chamado “Auxílio Evento”, que cobriu apenas uma parte do deslocamento até a Rússia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Chega a ser gritante, e difícil de aceitar, a diferença de investimento público no futebol e na ciência e tecnologia, duas áreas que deveriam ser prioridades do Estado.

O resultado não corresponde ao investimento, longe disso: em campo, o Brasil perdeu de novo; nos laboratórios, apesar dos contratempos, o país conquistou um resultado inédito – é a primeira vez que pesquisadores brasileiros conseguem esse feito!

Futebol é esporte, festa, é diversão, e não faz mal a ninguém! Mas, ciência e tecnologia são necessárias, urgentes, estabelecem as bases para o futuro, e também não fazem mal a ninguém, quer dizer, para algumas pessoas fazem mal, sim: só isso para explicar os cortes de investimento público nessas áreas, que entra ano, sai ano, sempre acontecem, uma porta de saída escancarada para os pesquisadores brasileiros.

crédito da foto: IPT – Brasil/Facebook/Reprodução

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,454FãsCurtir
1,762,647SeguidoresSeguir
8,614SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fotos de abelhas cansadas dormindo de “bumbum pra cima” dentro de flores viralizam

Uma série de fotos de abelhas tirando um cochilo dentro de flores com o bumbum cheio de pólen está fazendo o maior sucesso na...

No Pará, há mais de 40 anos existe um bloquinho infantil que homenageia os animais da Amazônia

Cada vez mais os blocos carnavalescos estão inovando e usando e abusando da criatividade, mas o que falar deste bloquinho infantil, do interior do...

O primeiro dia de aula do menino desnutrido que foi resgatado há um ano

O primeiro dia de aula é uma data marcante, que estabelece que seu filho(a) está crescendo e ganhando o mundo. Mas, para um menino em...

Fábio Assunção dá a volta por cima um ano depois de virar ‘piada’ no Carnaval

É impressionante o quanto as coisas podem mudar em apenas um ano, né? Olha o caso do ator Fábio Assunção, 48 anos. No Carnaval do...

Comediante arrecada quase R$ 1 milhão para menino que sofreu bullying

O vídeo de um menino com nanismo chorando após ser vítima de bullying na escola gerou uma onda de comoção e solidariedade de milhares...

Instagram