Brasileira resgata família do Afeganistão que teve sonhos destruídos pelo Talibã [VÍDEO]

Era março de 2021, entediada com a quarentena, Tamara Milani Santos resolveu baixar o TikTok e acabou caindo numa live de um afegão que vive no Canadá e hoje é como um irmão para ela. 

Todos os dias o rapaz fazia uma live e lá estava Tamara. Aos poucos, foi conhecendo sua cultura e, quando piscou o olho, vários afegãos já a conheciam. “Viramos uma verdadeira família, com afegãos ao redor do mundo”, diz ela.

Tamara está concorrendo na categoria Mulher, do Prêmio Razões Para Acreditar, premiação que destaca histórias de pessoas reais. Clique aqui e vote!

Então, quando as forças do Talibã ocuparam Cabul, um rapaz, que atualmente mora na Malásia, procurou Tamara implorando por ajuda para resgatar a família que estava na capital do país. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tamara imediatamente entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) para emitir os vistos, porém, naquele momento, o Brasil ainda não havia criado o visto humanitário.

O Itamaraty pediu um tempo, mas adiantou que Tamara teria que arcar com todos os custos: não de uma, mas de oito pessoas. Uma família inteira! Pensa que ela deu pra trás? Nada disso!

Quando foi possível, Tamara não perdeu tempo. O passo seguinte foi enviar a família para o Paquistão.

“Esse foi o procedimento mais arriscado e demorado porque o Talibã fechou as fronteiras e ninguém poderia sair. O governo paquistanês também informou que não deixaria ninguém que tivesse entrado ilegalmente no país sair, mesmo com visto humanitário. Procuramos agências de viagem e compramos os vistos para o Paquistão”, afirmou Tamara em entrevista exclusiva ao Razões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tamara está concorrendo na categoria Mulher, do Prêmio Razões Para Acreditar, premiação que destaca histórias de pessoas reais. Clique aqui e vote!

Um ato de extrema coragem, afinal, Tamara mal conhecia a família. Eram pessoas completamente desconhecidas; mesmo assim, seguiu o seu coração e bancou a decisão, contrariando alguns familiares e amigos para essas pessoas, estava cometendo uma “loucura”.

Arrumei muitas brigas, mas não me arrependo de nada. A gente tem preconceito. Quando escutamos falar no Afeganistão, o que a gente imagina? Homens-bomba. Falei, ‘gente não é nada disso. Eles são pessoas amigáveis. Nunca recebi tanta palavra de carinho igual eles dão”, afirma Tamara. 

Confira agora a entrevista completa de Tamara com a sua nova família no vídeo abaixo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Conheça o pequeno Igor, que trabalha como engraxate para ajudar a irmã com deficiência, e mude o final dessa história:

Brasileira resgata família do Afeganistão que teve sonhos destruídos pelo Talibã [VÍDEO] 2

Relacionados

Avô de 84 anos aprende a fazer maquiagem para ajudar a neta com paralisia cerebral a realizar seu sonho (SP)

O Seu Ullysses, de 84 anos, aprendeu a fazer maquiagem para ajudar a neta a realizar seu grande sonho de ser uma influenciadora da...

“Um pato da roça virou meu melhor amigo”: uma amizade inusitada que conquistou a internet

O Igor Fernandes é cearense e mora na roça. Um dia, ele encontrou alguns ovos e decidiu colocar para uma galinha chocar....

+ DO CANAL

Prêmio Razões 2022: veja a lista completa dos vencedores da premiação!

Enfim, o grande dia chegou e foi emocionante, como todos nós esperávamos que fosse! 🤧 Na noite desta segunda-feira...

Confira todos os indicados ao Prêmio Razões Para Acreditar 2022 – e vote muito!

Olha quem voltou! Sejam todos muito bem-vindos ao Prêmio Razões 2022! No dia 19 de dezembro, iremos celebrar, reconhecer e premiar pessoas comuns que...

Militar larga a farda para se tornar manicure e construir parceria de sucesso com a esposa (RJ)

Michael de Souza trocou o quartel pelo salão. Após seis anos servindo às Forças Armadas, o ex-militar se jogou na profissão de manicure para...

Paranaense cria ‘ecobarreira’ para retirar lixo do rio onde aprendeu a nadar na infância

O rio Atuba passa nos fundos da casa do vendedor Diego Saldanha, 33 anos, morador de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, e foi...

Aos 50 anos e cega, Laura B. Justino ignora “limites” e vira atleta de fisiculturismo [VÍDEO]

Avisa que é ela! Quando você acha que é tarde demais para alcançar o que almeja, a vida vem e te faz repensar com...