Cientistas brasileiras são as mais rápidas no mundo a sequenciar genoma do coronavírus

Duas brasileiras lideraram o trabalho que sequenciou o genoma do novo coronavírus, que teve o primeiro caso registrado no país, em apenas dois dias. A média no resto do mundo tem sido de 15 dias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quem comandou a equipe foi Jaqueline Goes de Jesus, pós-doutoranda na Faculdade de Medicina da USP e bolsista da Fapesp. Jaqueline desenvolve pesquisas na área de arboviroses emergentes e integra um projeto itinerante de mapeamento genômico do vírus Zika no Brasil.

A coordenadora geral da “missão” é Ester Sabino, diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da USP e coordenadora do Centro Conjunto Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (CADDE), que é apoiado pela Fapesp e pelos britânicos Medical Research Council e Fundo Newton.

Pesquisadora brasileira que ajudou a sequenciar genoma do coronavírus em 48 horas.
Jaqueline Goes comandou equipe que realizou sequenciamento do genoma do coronavírus. Foto: USP Imagens

Os pesquisadores conseguiram um resultado tão rápido porque se prepararam. Eles sabiam que a doença poderia chegar ao Brasil e se prepararam para acelerar o processo de sequenciamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Segundo Ester Sabino, assim que o primeiro surto de COVID-19 foi confirmado na China, em janeiro, a equipe do projeto se mobilizou para obter os recursos necessários para sequenciar o vírus quando ele chegasse no Brasil.

“Usamos essa metodologia para monitorar a evolução do vírus zika nas Américas, mas, nesse caso, só conseguimos traçar a origem do vírus e a rota de disseminação um ano após o término da epidemia. Desta vez, a equipe entrou em ação assim que o primeiro caso foi confirmado”, contou Ester.

Pesquisadora brasileira que ajudou a sequenciar genoma do coronavírus em 48 horas.
Ester Sabino, pesquisadora brasileira que ajudou a sequenciar genoma do coronavírus em 48 horas. Foto: USP Imagens

O sequenciamento foi realizado com o primeiro caso identificado no país, de um paciente de 61 anos vindo da Itália para São Paulo. O resultado foi publicado e disponibilizado para pesquisadores do mundo inteiro e já foi possível descobrir que o vírus do brasileiro é semelhante ao de um genoma sequenciado do coronavírus na Alemanha.

Com esse sequenciamento, é possível desenvolver mais rapidamente vacinas e tratamentos mais eficientes. “Por meio desse projeto foi criado uma rede de pesquisadores dedicada a responder e analisar dados de epidemias em tempo real. A proposta é realmente ajudar os serviços de saúde e não apenas publicar as informações meses depois que o problema ocorreu”, disse Ester Sabino à Agência FAPESP.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Outros pesquisadores que participaram do sequenciamento do novo coronavírus

Ao lado dessas duas mulheres que fizeram história estão vários outros pesquisadores que elas fazem questão de lembrar, como Claudio Tavares Sacchi, responsável pelo Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, Dr. Nuno Faria, Dr. Oliver Pybus, Dra. Sarah Hill e o doutorando Darlan Candido, da Universidade de Oxford, Dr. Joshua Quick e Dr. Nicholas Loman, da Universidade de Birmingham, o mestre Filipe Romero, da UFRJ, a mestre Pâmela Andrade, as estudantes Mariana Cardoso e Camila Maia a bióloga Thais Coletti, a farmacêutica Erika Manuli e as biomédicas Ingra Morales e Flavia Sales.

[Nota de Redação]

O seu Zezinho tem 68 anos e nunca foi à escola. Ele queria muito aprender o alfabeto e finalmente poder escrever o próprio nome. Gentil toda vida, uma professorinha de 9 anos começou a ensinar o vendedor de picolé a ler e escrever.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Revista GalileuJornal USP

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,833,091SeguidoresSeguir
24,677SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pit bull resgatado de abrigo não dorme sem o seu tutor

Como dizem por aí, a raça pit bull é perigosa, perigosamente fofa! Prova disso é o Kawi, um pit resgatado que vive em Wisconsin (EUA) e que,...

Pai constrói cantinho de bambu fofo para a filha poder estudar

O pai cortou alguns bambus do quintal, amarrou todos com arame e finalizou tudo com uma telha e muito amor.

Esses idosos incríveis recriaram pôsteres icônicos de filmes e renda das vendas é doada para pesquisas sobre Alzheimer

Os idosos que vivem em Spiritwood At Pine Lakes em Issaquah, Washington (EUA), têm arrecadado dinheiro para uma pesquisa sobre Alzheimer da maneira mais...

Homem se arrisca em incêndio na Califórnia para salvar coelho selvagem

O incêndio florestal que começou há alguns dias na Califórnia, Estados Unidos e que já tirou mais de 200 mil pessoas de suas casas,...

Professor usa a criatividade para aluna com deficiência dançar na apresentação da escola

Agostina encantou a todos com a alegria de estar realizando o sonho de ser bailarina por alguns minutos.

Instagram

Cientistas brasileiras são as mais rápidas no mundo a sequenciar genoma do coronavírus 2