Brasileiro vai ao Iraque oferecer atividades para crianças vítimas da guerra

O professor Reinaldo Nascimento, de 38 anos, chegou ao Iraque no último dia 4 de novembro. Ele está em Zahko, cidade que fica a 80 quilômetros de Mossul, terceira maior cidade do país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

reinaldo-nascimento_brasileiros

Reinaldo faz parte de uma equipe de voluntários internacional de educadores sociais que trabalham com crianças e jovens que vivem em áreas de guerra, mantida pela organização alemã Freunde der Erziehungskunst Rudolf Steiner (“Amigos da Arte de Educador de Rudolf Steiner”).

A organização faz trabalhos em campos de refugiados com a crianças e adolescentes com traumas psíquicos em regiões instáveis politicamente.

Ele e outros voluntários vão oferecer aos pequenos atividades, jogos, brincadeiras e, o mais importante, um lugar seguro para o seu desenvolvimento humano, em meio aos conflitos que o país vive.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

direitos_das_criancas_educacao_infantil_refugiados

Reinaldo vai narrar sua experiência em um diário de viagem publicado na revista Brasileiros, que começou na sexta-feira passada. Confira abaixo um trecho:

“Hoje, trabalhamos com um time curdo formado por 20 colegas, a maioria moradores dos três campos, Berseve I e II e o Chamiska. Juntos esses campos acolhem quase quarenta mil pessoas. Eles estão trabalhando muito bem. As crianças vêm para os centros de proteção Infantil e juvenil com muita alegria. Ficam tristes quando não há atividades. Os centros estão muito bonitos, limpos, coloridos e até árvores e flores foram plantadas. É fácil perceber que o trabalho aqui tem sido um grande sucesso.”

“Quero que saibam que decidimos investir na formação de mais educadores. Estamos nos preparando para o pior e isso significa realmente contar com a chegada de mais de um milhão de pessoas, a maior parte é sempre formada por crianças e jovens. Também sabemos que muitas mulheres são mantidas como escravas e escravas sexuais.”

“A vida escolar nos campos aqui em Zahko, onde estamos trabalhando não é muito fácil. Temos contato com uma escola onde 750 alunos são divididos entre 17 professores, ou seja, quase 45 alunos por sala. Salas que só deveriam receber 30 alunos. Muitos dos professores perderam suas casas, muitas de suas esposas ainda estão presas pelo Estado Islâmico. Ou seja, a maioria destes professores precisam de ajuda e estão recebendo. Eu só consigo respeitá-los e admirá-los.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações do Catraca Livre / Fotos: Reinaldo Nascimento

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,638,607SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mulher salva motorista de caminhão em tragédia que matou Boechat: “Coragem, Leiliane”

Enquanto muitos filmavam o acidente, a vendedora Leiliane tentava salvar as vítimas.

Empresa ajuda famílias que sofreram violência doméstica a fazer mudança de graça

A Meathead Movers é uma empresa de mudança com sede na Califórnia. Ela fez parceria com a organização sem fins lucrativos Good Shepherd Shelter para ajudar...

Estudantes nordestinos levam 59 das 75 medalhas na Olimpíada de História

O Nordeste é a região que mais conquistou medalhas na Olimpíada Nacional de História do Brasil.

Pai de menino diabético faz abaixo-assinado e Kibon ouve apelo, relançando sorvete com zero açúcar

Enzo é apaixonado por sorvetes, mas ele tem algumas restrições, devido a diabetes. A Kibon tinha um picolé zero açúcar, de frutas vermelhas, que...

“Descobri que estava com câncer uma semana antes do casamento, não adiei e hoje estou curado”

“Nasci de novo”. É assim que Gustavo Prata, 26, resume a sua história. Ele conseguiu superar um câncer raro, após transplante de medula óssea...

Instagram