Array

Brasileiros reproduzem invenção de garoto canadense que protege orelha no uso de máscaras

Quando a gente fala sobre o poder do exemplo não é à toa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Razões mostrou a iniciativa de um garoto que inventou um acessório para aliviar a dor nas orelhas dos profissionais de saúde causada pelo uso constante de máscaras e, inspirados nele, brasileiros estão produzindo o acessório para doar a hospitais.

A boa ação é dos professores de Robótica Frederico Lara e Jean Rafael, do Colégio Objetivo DF, de Brasília. Fred foi quem viu o exemplo do menino de 12 anos, Quinn Callander, do Canadá, em um post do Razões, e decidiu replicar aqui no Brasil.

Foto: Reprodução/Instagram @fredericoyslara

“Quando vi a ideia dele, falei com o outro professor que tem uma impressora 3D em casa. Começamos imediatamente a produzir e em um dia recebemos 1.200 encomendas”, disse Fred.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Máquina de produzir acessório para aliviar incômodo no uso de máscaras
Impressora do professor Jean agora está servindo para produzir o alargador. Foto: Arquivo pessoal

Fred e Jean estão pagando o material para a produção do próprio bolso e também contam com a ajuda logística e financeira do colégio. Todos os “alargadores” vão ser doados gratuitamente.

Brasileiros expondo acessório em 3D para aliviar incômodo no uso de máscaras
Jean e Fred estão trabalhando incansavelmente para produzir o máximo de alargadores. Foto: Arquivo pessoal

Um empresário de Minas Gerais também está dando um belo exemplo. Mesmo com sua empresa de corte a laser parada, ele se ofereceu para fabricar máscaras para hospitais. Criamos uma vaquinha na VOAA para ajudá-lo com os custos. Clique e contribua!

Canal Coronavírus: veja boas notícias, vagas home-office e como ajudar pequenos negócios clicando aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O prende as tiras das máscaras e fica atrás da cabeça, deixando as orelhas livres.

A Lego também está dando exemplo para o mundo todo, já que vai produzir 13 mil viseiras de proteção por dia para profissionais de saúde.

Acessórios que aliviam a dor do uso de máscaras
Professores criaram uma mensagem fofinha para os profissionais de saúde que recebem o alargador. Foto: Arquivo pessoal

Os professores já receberam encomendas de hospitais de Brasília, Bahia e Goiás. Agora, Fred comprou uma impressora 3D para aumentar a capacidade de produção e convidou outro professor para entrar no projeto. “Estimamos que vamos produzir 100 por dia”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Se você tem uma impressora e quiser ajudar a produzir os alargadores ou doar material pode fazer contato pelo perfil do projeto no Instagram.

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Além de dar o exemplo, o garoto canadense liberou o projeto para qualquer pessoa produzir o acessório e foi através desse ato do menino que Fred e Jean conseguiram começar tão rapidamente a produção dos alargadores.

Garoto que desenvolveu acessório em 3D para aliviar incômodo no uso de máscaras
Quinn Callander desenvolveu projeto e abriu para quem quisesse produzir. Foto: Reprodução/Facebook @hebby2u

É como o gesto de designers brasileiros que criaram um protetor facial em 3D e disponibilizaram o projeto para quem quiser produzir.

“Existem muitas pessoas no mundo de coração bom e com muita vontade de ajudar as pessoas. Mas na correria do dia a dia a gente acaba esquecendo. Esses exemplos de boas notícias nos inspiram e conseguem arrancar essa vontade e tornar projetos reais”, disse Fred.

Plataforma dará cachê a 600 a maquiadores autônomos que estão sem trabalhar por causa da Covid-19, saiba mais clicando aqui.

Fotos de capa: 1 – Reprodução/Facebook @hebby2u; 2 – Arquivo pessoal

selo conteúdo original

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,755,527SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

O poder de um abraço no meio da rua

Você já cansou de ver ações de Free Hugs que acontecem ao redor do mundo. Mas quem você conhece que realmente deu a cara...

Noiva cai na risada em plena cerimônia de casamento

O dia do casamento é um daqueles sonhados e idealizados por 11 em cada 10 mulheres. Tudo tem que sair perfeito! Mas, as vezes, não...

Colegas compram carro para zelador de 60 anos que caminhava 3 km para chegar no trabalho

A sabedoria popular diz que, um dia todos nossos esforços serão recompensados e foi exatamente isso o que aconteceu com o zelador Robert Reed,...

Quebrando tabu: Este grupo de mães amamentam os bebês umas das outras

Samantha passou a alimentar outros bebês para mães que precisavam de ajuda e considera difícil entender o estigma associado. "Eu conheci um monte de preconceitos e pessoas que pensam que é nojento", disse.

Quem foi que disse que velhice é doença?

A psicóloga de idosos Raquel Ribeiro (CRP 06/73384), 35 anos, é uma voz ativa no enfrentamento dessa visão negativa da velhice. Ela acredita que os idosos têm totais condições de serem pessoas ativas: a palavra-chave é “adaptação”. O aumento da dependência e dos casos de depressão são alguns dos efeitos mais devastadores quando se associa a velhice à fragilidade.

Instagram