Pesquisadores brasileiros criam gesso biodegradável com bagaço de cana, milho e beterraba

Um grupo de pesquisadores brasileiros desenvolveu um tipo de plástico termomoldável e biodegradável que pode ser uma alternativa viável para substituir o gesso tradicional na área da Ortopedia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A partir do ácido poli láctico (PLA), um filamento composto por bagaço da cana-de-açúcar, milho e beterraba gera um gesso de design único, estiloso, que se adapta à anatomia do paciente. As informações são do Ciclo Vivo.

[Leia mais descobertas de pesquisadores aqui.]

Dentre suas vantagens, destaca-se a resistência e facilidade de higienização das órteses, que também são à prova d’água e não alergênicas. O design diferenciado dos gessos garante maior conforto e liberdade aos pacientes durante o processo de recuperação.

bagaço de cana milho beterraba substituir gesso

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O produto é fabricado por uma empresa terceirizada chamada Fix It, que atua há dois anos no mercado de saúde e ortopedia brasileira.

“Todas as nossas soluções foram pensadas para substituir o gesso e as talas tradicionais. O objetivo é produzir imobilizadores para todas as articulações do corpo, levando uma solução acessível a todas as classes”, comenta Hebert Costa, cofundador e CPO da Fix it.

Leia também:

Gesso biodegradável permite novo modelo de negócios

Visando democratizar o mercado e facilitar o atendimento de pacientes de todas as regiões do país, a Fix It optou por expandir seu negócio via modelo de franquias.

Assim, ao invés de produzir os gessos em larga escala e com tamanhos genéricos (P, M, G), vendendo-os diretamente para clínicas e hospitais como era feito até então, agora a empresa oferece um serviço personalizado: as unidades franqueadas podem imprimir as órteses em suas impressoras 3D de acordo com as demandas e as medidas de cada paciente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

bagaço de cana milho beterraba substituir gesso

“Queremos levar nossas soluções para todos os cantos do Brasil com rapidez e eficiência. Mudamos nosso modelo de negócio para torná-lo mais acessível e fazer com que toda a cadeia de distribuição fosse mais sustentável, já que com a mudança na maneira de comercializar, reduzimos o transporte de produtos e o consumo de combustíveis fósseis consideravelmente”, explica Felipe Neves, cofundador e CEO da Fix it.

Leia também:

Compartilhe o post com seus amigos!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Ciclo Vivo
Fotos: Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,984,295SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Filha de Paul Walker vai construir escolas para crianças carentes na Guatemala

Seis anos atrás, o ator norte-americano Paul Walker, então com 40 anos, faleceu em um trágico acidente de carro. Desde então, sua filha, Meadow...

Conheça a mulher que vive há mais de 30 anos de sua horta e gasta U$80 por semana

Por Jéssica Miwa Escritora e ativista ambiental, Jill Redwood construiu uma casa para si mesma, em East Gippsland, na Austrália, usando somente materiais recicláveis, além...

Animação simpática mostra situações que fazem parte do cotidiano dos amigos

Uma definição interessante desse vídeo mostra muito sobre o tema: “Um amigo é alguém com quem você tem uma ligação de afeto mútuo, e...

Site de notícias positivas fala de um Rio de Janeiro ‘escondido’

Notícias que melhoram a autoestima dos cariocas e convidam as pessoas de fora do Rio a verem a cidade com um outro olhar.

Menino de 9 anos ganha bolsa após sua imagem estudando na rua viralizar na internet

Daniel Cabrera, um filipino de apenas 9 anos, descobriu o poder de uma imagem na última semana. A estudante Joyce Torrefranca, de 20 anos, viu o...

Instagram