Brasileiros grafitam beijo entre homens negros e geram debate em universidade nos EUA

De São Mateus, região periférica na Zona Leste de São Paulo, para o mundo, o coletivo OPNI levou sua arte afro para a América do Norte, onde chegaram causando. Isso porque os brasileiros grafitaram um (ainda) polêmico beijo entre dois homens negros, que acabou gerando debate em uma universidade no Estados Unidos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A dupla Val e Toddy Opni, que lidera o grupo artístico, está em uma jornada internacional há mais de um mês. Por meio da arte urbana, foram convidados para ir até a Universidade do Texas, em Austin, para propor aos alunos uma reflexão diante de temas contemporâneos. O desenho feito no meio do campus, onde se lê a frase “amor não é doença“, serviu para levar àquele ambiente o debate sobre uma decisão da Justiça brasileira que dá abertura aos psicólogos tratarem a homossexualidade como doença, decisão essa que tem gerado uma onda de manifestações de repúdio aqui e lá fora.

Os artista sempre promovem por meio de seus sprays a força e a importância da cultura negra e seus personagens. Eles fizeram uso dessa temática durante o intercâmbio cultural, mostrando ainda como é preciso e possível combater qualquer tipo de preconceito e violência enfrentada por tal parcela da população tanto no Brasil como nos EUA. “Os negros passam por tantas situações complicadas e precisam se posicionar a todo o momento para não serem dizimados por uma sociedade que os oprime. Usamos nossa arte para refletir sobre como historicamente o negro foi e ainda é massacrado. Não podemos deixar de observar a ascensão e resistência desse povo, num contraste ainda evidente de silenciamento e busca por voz. A causa da homossexualidade, da liberdade de ser o que é, perpassa nosso povo”, disseram.

Depois de uma passagem por Los Angeles, eles foram ainda para a Tulane, importante universidade de New Orleans, onde participaram de inúmeras ações com grupos de estudantes e pesquisadores, destacando personagens negros ao longo da história e o quanto suas batalhas serão sempre importantes, promovem debates, inspiram e geram sentimento de representatividade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os integrantes do OPNI conversaram com os estudantes sobre escravidão, Zumbi dos Palmares e Dandara, além de racismo e outros tipos de violência sofrida pelos negros. “Nesses debates procuramos sempre ressaltar o quanto as batalhas de muitos dos nossos nos transformaram nos dias de hoje, nos trouxeram a oportunidade de estar em evidência e até mesmo ascenderam nossa autoestima, apesar de tudo”. Ao retratar o amor, as desigualdades e as minorias, o grupo busca não só por impacto e representação, mas empatia nos olhos de quem vê, visando um passo à frente dentro da nossa evolução como humanidade.

Fotos: divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,833,017SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina que chorou ao ganhar bolo doa cabelo a criança com alopecia

Um vídeo que mostra o pedreiro Antônio Carlos Ferreira da Silva, 28 anos, surpreendendo a filha, Emanuelly Fayad, com um enorme pedaço de bolo em seu...

Fiat dá carro e leva torcedora do Corinthians para conhecer seus ídolos

Conhecer os ídolos do seu time e ganhar um carro zero km são duas das maiores emoções que a torcedora e cliente fiel já experimentou.

Eduardo Marinho fala sobre o que a razão não alcança

Eduardo Marinho conta sua história de vida nesse TEDx Da Luz, no qual ele fala sobre sociedade, pobreza, razão, intuição e o olhar ao...

Virada Sustentável de SP traz centenas de atrações gratuitas com foco em bem estar e meio ambiente

Já começou a 7ª edição da Virada Sustentável em São Paulo, que acontece até o dia 27 de agosto em diversos pontos importantes da...

Jovem perde seu único veículo de trabalho em incêndio e internautas ajudam com vaquinha

O carro do jovem Moisés, 24 anos, virou cinza na noite do dia 21 de agosto, após um incêndio. Moisés estava dormindo quando foi...

Instagram