Brasiliense representa o Brasil em evento global de liderança feminina

Moradora de Águas Claras, Fernanda Pereira, 19 anos, é estudante de Direito da Universidade de Brasília e foi escolhida como a representante brasileira para participar do G(irls)20, evento global de liderança feminina, realizado em Buenos Aires, Argentina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Filha de uma cabeleireira e de um administrador de empresas, sempre estudou em escolas públicas. Uma parte do ensino fundamental foi no Centro Educacional Incra 08, em Brazilândia, e a outra, no Centro de Ensino Fundamental, em Ceilândia. Ela cursou o ensino médio no Centro de Ensino Médio Setor Leste, na Asa Sul e ingressou na faculdade pública graças a sua dedicação aos estudos e à utilização de cotas para estudantes da rede pública de ensino.

O G(irls)20 Summit é um evento que dura uma semana inteira e nele jovens mulheres do mundo todo recebem treinamento em liderança, empreendedorismo social e mentoria de outras líderes mulheres do setor público e de negócios. O programa é um modelo como o G20, no qual representantes de países debatem temas e políticas necessárias para o aprimoramento do mundo, só que somente com jovens meninas.

As selecionadas para o evento de liderança para mulheres participam como delegadas e contribuem debatendo e pensando políticas econômicas, sociais relacionadas a questões que meninas e mulheres enfrentam nos seus países de origem. Lançado em 2009, na Clinton Global Initiative, o G(irls)20 coloca mulheres jovens no centro da processos de tomada de decisão.

A 9ª Cúpula Global G(irls)20 iniciou no dia 13 de outubro, com mais de 20 jovens de todo o mundo chegando a Buenos Aires para uma semana de treinamento de liderança, desenvolvimento de empreendimentos sociais e orientação de líderes os setores empresarial e público. Os delegados contribuíram com as questões econômicas e sociais que meninas e mulheres em seus países para um comunicado entregue aos líderes mundiais antes da Cimeira do G20.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A brasileira participa do projeto de extensão “Maria da Penha: atenção e proteção”, que promove assistência jurídica e psicológica para mulheres em situação de violência doméstica em Ceilândia-DF. Além disso, é voluntária no projeto “Escola de App: enfrentando a violência online contra meninas”, que promove discussões entre alunas de ensino médio da rede pública sobre violência contra meninas na internet, como preveni-la e o que fazer caso se torne vítima, além da realização de oficinas para o desenvolvimento de aplicativos para telefone, para que essas garotas sejam empoderadas digitalmente.

[Nota da Redação]

Agora temos um canal no YouTube! Assista ao primeiro vídeo falando sobre uma inciativa que une Brechó com adoção de animais, e se inscreva no canal aqui.

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito da foto: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,773,760SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Família e médicos cantam parabéns para idoso de 81 anos internado se recuperando da Covid-19

O vídeo de um idoso comemorando o aniversário de 81 anos no hospital, cercado pelo carinho dos profissionais de saúde enquanto se recupera da...

Voluntários constroem casinhas para cães e doam para famílias carentes em Xanxerê (SC)

Após uma casa de madeira ser desmanchada em uma granja, surgiu a ideia de utilizar a madeira reciclada para confeccionar  as casinhas para cães.

Mulheres recriam poses de heroínas para falar sobre imagem corporal na mídia

O pessoal da Buzzfeed realizou uma pequena experiência em que mulheres reais recriam poses das personagens femininas nas histórias em quadrinhos. Nesta sessão de fotos, as...

Brasileiros ajudam peruano que dorme na rua e não consegue voltar para seu país por conta da pandemia

Há mais de um mês o peruano está morando na rua da pequena cidade de Balsas, no Maranhão.

Ela já sofreu com queimaduras, e hoje aplica técnica especial de tatuagem para cobrir marcas de outras vítimas

"O meu cirurgião plástico me disse para pegar meu dinheiro e tirar umas férias, mas eu senti que para mim não era o fim." E...

Instagram