Estudantes instalam brinquedos adaptados para cadeirantes em parque do Rio

Clique e ouça:

Estudantes de uma escola do Rio de Janeiro criaram uma campanha de financiamento coletivo para equipar o Parque Madureira com brinquedos acessíveis e adaptados para cadeirantes.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar do principal espaço de lazer da Zona Norte do Rio de Janeiro ter acesso facilitado por rampas, não há equipamentos destinados a pessoas com deficiência.

Ajude uma mãe que cuida de quatro filhos com paralisia cerebral

A iniciativa surgiu durante uma disciplina extracurricular do colégio e curso Pensi Madureira que visa desenvolver as competências socioemocionais dos estudantes.

Instigados a buscar o protagonismo na sociedade, os estudantes arregaçaram as mangas em um projeto que tivesse impacto na vida das pessoas. Eles conseguiram apoio de um arquiteto para fazer o projeto e, agora, se mobilizam para arrecadar os R$ 25 mil necessários para a compra e instalação dos brinquedos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

brinquedo acessível para crianças com deficiência no Parque Madureira rio de janeiro

Brinquedos acessíveis

“A proposta era fazer um trabalho para atingir a população, ajudar a sociedade de alguma maneira. Começamos a pesquisar e chegamos a esses brinquedos adaptados. Tivemos então a ideia de criar o primeiro parque público para cadeirantes do Rio”, conta Gabriela Pinheiro Pereira Cardoso, 16 anos.

Os nove adolescentes apresentaram um projeto ao gestor do Parque Madureira, que aprovou a proposta e indicou dois pontos do espaço que poderiam receber os equipamentos.

Leia também:

“O trabalho desse grupo surpreendeu porque eles não têm proximidade com cadeirantes, mas perceberam que não havia brinquedos adaptados nos parques da cidade, só em algumas ONGs, então tiveram a ideia de levar isso para um espaço público e gratuito, gerando também a inclusão”, diz a professora Debora Oliveira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

brinquedo acessível para crianças com deficiência no Parque Madureira rio de janeiro

Criada em abril, a vaquinha virtual já arrecadou R$ 4.211 dos R$ 25 mil. O prazo para as doações termina no dia 10 de outubro.

A lei 8.048/18, sancionada em julho do ano passado pelo então governador Luiz Fernando Pezão, determina a colocação de brinquedos e equipamentos adaptados para uso de crianças com deficiência em praças públicas. Apesar disso, a capital ainda não iniciou a instalação dos equipamentos.

voluntarios que organizaram a vaquinha dos brinquedos acessiveis no parque madureira

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Questionada sobre a falta de manutenção dos brinquedos da Praça do Trem, a prefeitura respondeu que “os equipamentos não foram instalados pela Fundação Parques e Jardins e, portanto, sua manutenção não está sob responsabilidade da Fundação. O programa Vem Pra Praça foi uma parceria da Prefeitura com a iniciativa privada”.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Extra/Fotos: Reprodução/Pedro Zuazo

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,050,303FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
17,184SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem com deficiência humilhado por atraso de salgados se surpreende com apoio: “o telefone não para”

Coisa mais linda essa corrente de solidariedade, o Rafael tá sem acreditar! Rafael foi humilhado por um cliente que não aceitou o atraso da sua...

Cãozinho é reprovado em treinamentos da polícia por ser ‘dócil demais’

E essa carinha de: "Alguém brinca comigo, por favor!"?

Vendedor de salgados é humilhado e recebe ajuda de vaquinha que bate R$70 mil em 24h

Rafael, que só tem uma das mãos, foi humilhado por cliente que não aceitou o atraso da sua encomenda de salgados.

“Eu quito!”, diz Tatá Werneck para seguidora que desabafou sobre dívidas na pandemia

A Tatá Weneck se ofereceu para pagar as dívidas de uma seguidora depois que ela postou um meme no seu Instagram. O meme é uma...

Jovem ‘zombada’ por vender sacos de lixo para ajudar a mãe não abaixa a cabeça

A estudante de enfermagem Clara Soares, 18 anos, vende sacos de lixo e panos de chão em Ceilândia (DF) para ajudar a mãe. Enquanto batia...

Instagram

Estudantes instalam brinquedos adaptados para cadeirantes em parque do Rio 13