Buraco de 1 milhão de km² na camada de ozônio do Ártico finalmente se fecha

Em fevereiro deste ano, foi descoberto um buraco gigantesco na camada de ozônio que cobre o Ártico. Ele foi crescendo pouco a pouco até atingir 1 milhão de quilômetros quadrados – uma área equivalente ao estado do Pará!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Felizmente, dois meses após o anúncio chocante, o buraco acaba de se fechar e a camada de ozônio dessa região está íntegra novamente.

A boa notícia foi dada pelo Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus (SMAC).

Os cientistas explicaram que a recuperação não teve muito a ver com a redução da emissão de poluentes na atmosfera (fruto do isolamento social provocado pelo novo coronavírus), mas de outros fatores.

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Causas do buraco na camada de ozônio

De acordo com o SMAC, o rombo na camada de ozônio não foi consequência da atividade humana, mas sim de um vórtice polar muito poderoso, que afetou fortemente a região.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O vórtice polar é um ciclone de longa duração e de larga escala localizado próximo aos polos do planeta; ele causa baixa pressão atmosférica e ar frio contínuo.

Assim que esse fenômeno natural cessou, o ar rico em ozônio pôde se estabelecer uma vez mais, fechando a camada do Ártico.

buraco camada ozônio ártico fechou
Foto: Alfred-Wegener-Institut/Stephan Schön

Ajude reserva ambiental do Amapá a não fechar as portas. Clique aqui e apoie.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Poluentes atmosféricos ainda atrapalham Polo Sul

Os pesquisadores da SMAC afirmam que o buraco era realmente impressionante, chegando a esgotar o ozônio encontrado em quase 18 quilômetros de estratosfera. A última vez que isso havia acontecido foi em 2011.

Apesar das boas notícias no Polo Norte, as coisas ainda têm sido difíceis no Polo Sul: a ação humana via poluentes (como cloro e bromo) sobem à estratosfera e se acumula no vórtice polar, afinando a camada de ozônio. Seu enfraquecimento permite que a radiação ultravioleta atue com mais intensidade na superfície.

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

Fonte: UOL/Foto de capa: Reprodução/ESA

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,640,029SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após 199 dias, jovem que ganhou coração artificial de R$ 800 mil com ajuda de vaquinha recebe alta

A esperança venceu. Após 199 dias internado, com a vida em risco por causa de um problema seríssimo no coração, o jovem Bruno Jun...

Ex-gata de rua vira ‘enfermeira’ em casa de repouso para idosos

“Não tenho certeza se Oreo precisava de nós, ou nós precisávamos de Oreo”

Cientista desvenda as emoções por trás de cada tipo de lágrima

Você já se perguntou se as lágrimas de dor são diferentes das lágrimas de alegria? Rose-Lynn Fischer sim. Foi essa pergunta que a fez analisar as estruturas das lágrimas usando poderosos microscópios.

‘Que inspire filhos a cuidar dos pais’, diz filho que postou foto velando mãe sozinho

O homem que publicou uma foto nas redes sociais velando sozinho o corpo de sua mãe em Goiânia (GO), contou que tirou a foto...

Gráfica faz impressão gratuita de currículos para pessoas desempregadas

Uma gráfica em Fortaleza não cobra impressão de currículos para pessoas que procuram emprego. Uma iniciativa simples, mas de grande ajuda, afinal, para quem...

Instagram