Mulher sem um braço enfrenta preconceito, se torna cabeleireira e sonha ter seu próprio salão

A Roberta dos Santos, de 41 anos, é daquelas mulheres que não desistem tão fácil dos obstáculos que a gente tem na vida. Ela é do Rio de Janeiro (RJ), nasceu sem o braço direito e é cega do olho direito. Só que a sua deficiência nunca a limitou de seguir o sonho de ser cabeleireira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela enfrenta muito preconceito devido sua condição física, mas garante que isso não a fará desistir do sonho de ter o próprio salão.

Por isso, lançamos uma vaquinha na VOAA para ajudá-la a montar seu pequeno salão. Contribua com o sonho dela clicando aqui!

Ela começou escovando o cabelo sozinha e das amigas

A história da Roberta com a profissão começou há 3 anos, quando ela queria alguém para escovar seu cabelo e não encontrou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Queria escovar para sair com as minhas amigas, mas elas não queriam fazer a escova em mim, então comecei sozinha e quando viram que eu fazia bem, começaram a me pedir”, contou.

Depois disso, Roberta foi comprando aos poucos as suas ferramentas e improvisou um salão na garagem de casa, no bairro Olaria, no Rio.

roberta-salao

Muito amada pelas clientes

A história da Roberta chegou até nós pela sua cliente e amiga, Bruna Galante.

Bruna frequenta o salão da Roberta desde o começo e sempre teve vontade de fazer algo para ajudá-la.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sempre quis fazer algo por ela, pois o seu grande referencial, além da força de vontade, é a superação de ser cabeleireira de ótima qualidade, tendo apenas um braço”, conta Bruna.

Bruna ainda nos falou que a condição física da Roberta nunca a limitou. O fato de não ter um braço não foi obstáculo para ela perder a força de vontade para realizar seus sonhos.

Roberta e bruna

O sonho da Roberta é construir seu salão e fazer novos cursos para provar a si mesma e as pessoas de que é uma grande profissional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A vaquinha é para ela construir o salão e investir no negócio que é uma das fontes de renda da família.

Vamos ajudar Roberta nesse sonho? Clique aqui e faça a sua contribuição para a vaquinha!

 

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,835,148SeguidoresSeguir
24,700SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Casal que viveu amor proibido faz ensaio para celebrar 60 anos de casados

Namorar pessoas com cores de pele diferentes da sua nos anos 50 era visto com maus olhos pela sociedade. Não que muita coisa tenha...

Menino peruano de 9 anos constrói detector de terremotos

Mateo Huaman, de apenas nove anos, conseguiu construir um detector de terremotos usando materiais simples, como cabos elétricos, luzes, LED, um tubo de aço,...

Uma troca de cartas entre uma garota de 3 anos e um shopping center

  Algo como: "Querido Sainsssssssssssssssbbbbbbbbbbbbbbbbbbburyyys Por que o nome do “pão tigre” é pão tigre? O nome devia ser “pão girafa”. Com amor, Lily Robinson idade 3 e meio"   "Muito...

Irmãs usam Facebook para ler histórias de dormir para crianças cujos pais não podem

Muitos de nós tivemos o privilégio de poder ouvir histórias para dormir contadas por nossos pais, avós ou tios - lembranças boas que levamos...

Marca de Joinville (SC) reutiliza sobras de tecidos que iriam parar no lixo

A Funcionárias já evitou o envio de duas toneladas de resíduos de tecidos para o aterro de Joinville (SC).

Instagram

Mulher sem um braço enfrenta preconceito, se torna cabeleireira e sonha ter seu próprio salão 1