Cabeleireiro cria salão móvel para atender pessoas com deficiência em casa

O cabeleireiro José Valente, de 44 anos, morador do Distrito Federal, criou um salão móvel para atender pessoas com deficiência em casa. A ideia surgiu após José ouvir de um cliente cadeirante que era a sexta vez que tentava entrar em um salão de beleza, mas não conseguia, devido a falta de acessibilidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A van adaptada percorre todo o Distrito Federal e conta com equipamentos profissionais que podem ser encontrados em um estabelecimento comum, incluindo cadeiras adaptadas, tesouras, secadores, produtos químicos e um lavatório. Corte, pintura e hidratação são alguns dos serviços oferecidos pelo Acessibilidade Cabeleireiro Delivery. Cadeiras adaptadas, tesouras, secadores, produtos químicos e até um lavatório são levados na van. A água vem de um galão, que também é transportado.cabeleireiro-van-close-2José investiu ao todo R$ 60 mil. Ele conta que o faturamento triplicou em relação ao período em que trabalhava em um salão de beleza.

“Atendo pessoas com diversas deficiências, algumas que não conseguem nem sair da cama. Corto, faço mexas nos cabelos e hidrato. Todo o serviço é feito com muito carinho. Muitas vezes, viro parte da família”, finaliza.

Entre os clientes há cadeirante, pessoas com paralisia cerebral e acamados. De acordo com Valente, são feitos 30 atendimentos por mês. Em geral, quando a van chega à casa do cliente, outras pessoas da família também pedem para fazer algum procedimento. Os preços variam entre R$ 50 (corte) e R$ 350 (mechas, selagem e cauterização). Quando há um único cliente e o serviço é simples, o profissional conta que fica uma hora no local. Já houve situações, porém, de ele atender cinco pessoas e passar seis horas na casa, de acordo com o G1.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Assim que o cliente nos liga ou nos manda uma mensagem, agendamos o atendimento. Feito isso, vamos até à casa da pessoa e montamos um salão no local. Ou seja, tudo que seria necessário ter ou usar para um corte de cabelo em um salão “normal”, nós levamos para a casa do cliente e criamos um salão em um cômodo da casa dele”, contou José, para o site. Sua esposa é esteticista e também oferece serviços de estética, como limpeza de pele e drenagem linfática.

Um dos clientes de José é o estudante Leonardo Alencar, cadeirante há seis anos. Em uma brincadeira com amigos, ele pulou em uma piscina e bateu a cabeça no fundo, fraturando uma vértebra. Desde então, o jovem sofre dificuldades quando precisa ir até um salão de beleza para cortar o cabelo. Ele diz que não há rampas nos estabelecimentos da região.

“Quando tenho que ir sozinho, preciso da boa vontade das pessoas. A maior dificuldade é ter que sair da cadeira de rodas para sentar na do salão. É bem complicado, as pessoas não se preocupam com acessibilidade”, diz o jovem.

Para José, a felicidade de seus clientes faz tudo valer a pena.

“Tenho uma cliente com paralisia cerebral que quando me vê abre um sorriso que nunca vi na vida”, diz.

De acordo com o Sebrae (Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa), levar os serviços de beleza aos consumidores tem se mostrado um novo nicho de mercado. Pessoas com necessidades especiais, executivas, mães com crianças pequenas e idosos são clientes potenciais desses serviços e se mostram interessados na comodidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para conhecer mais sobre o projeto e o trabalho feito pelo Zé, você pode entrar em contato pelo telefone (61) 8671-1000 ou acessar a página do Facebook: Zé Valente Delivery

Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,822,141SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Veja a resposta de Freud à mãe que pediu a cura da homossexualidade de seu filho em 1935

O debate pela cura gay é mais antigo do que você pensa. Mas em 1935, um médico muito importante já sabia da resposta. Sigmund...

Crianças acham e devolvem carteira com 700 dólares

Haylie Wenke, 13, seu irmão Reagan, de 6 anos, e sua amiga Ashley Dayton doColorado, nos Estados Unidos, provaram ser crianças muito bem educadas...

Artesãs do sertão mineiro estão há 1 ano sem salário após incêndio devastador: ‘é a vida delas’

O incêndio queimou todo o algodão do projeto, principal matéria-prima das artesãs e há um anos elas estão sem trabalho. São mulheres que vivem do artesanato, tradição que é passado de mãe para filha há anos.

Grávidas carentes do Piauí ganham mini berços de papelão tradicionais da Finlândia

Duas grávidas de comunidade carentes receberam um presentão de uma campanha solidária. Elas ganharam um mini berço e algumas peças do enxoval do bebê. A...

Instagram