Caça-níqueis apreendidos viram computadores para crianças carentes, no ES

Nada se perde, mas tudo se transforma. Seguindo esta máxima, as máquinas caça-níqueis que estão sendo apreendidas em cassinos clandestinos no Espírito Santo, estão sendo transformadas em computadores para crianças carentes, em um maravilhoso projeto social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionado: Pai modifica videogame de filhos que só funciona se eles fizerem exercícios

O delegado Ícaro Ruginski afirma que, as coisas apreendidas costumam ser totalmente destruídas, mas não neste caso: “O caminho natural, após a realização da perícia, é que essas máquinas sejam destruídas. Contudo, com essa parceria que fizemos, estamos representando pela doação desses componentes eletrônicos para que seja dada uma nova destinação”.

O trabalho está sendo feito no Instituto Nacional de Erradicação da Carência Escolar e Social (Ineces), em Vitória e reaproveita monitores, placas de vídeo, processadores e estabilizador de energia. “Geralmente dá pra aproveitar boa parte das placas-mãe. O HD, as memórias, os teclados, o monitor, são partes que parecem ser velhas, mas que estão em bom estado”, afirma Marcos Schimidt, um dos voluntários envolvidos no projeto.

Até agora 3 computadores já foram montados e entregues para um projeto social na cidade de Cariacica, o Arca de Noé. Cláudia Oliveira, a coordenadora, reafirma a importância deste projeto, já que ele permite a inclusão digital: “A inclusão digital é muito importante para as crianças e adolescentes que frequentam o projeto. Eles vivem em uma área de vulnerabilidade social muito forte, então esses computadores vão contribuir bastante com o crescimento e maturidade deles. Se a gente fosse comprar, não ia sair por menos de R$ 20 mil”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Até agora mais de 70 crianças e jovens estão tendo acesso a esses computadores, que ficam na sala de informática da Arca de Noé. A grande maioria não possui computador em casa e é graças a esse projeto que eles estão tendo esta chance. Samira Oliveira tem 11 anos e não esconde sua felicidade: “Antes, a gente ficou um tempo sem mexer no computador porque tava estragado. Foi muito bom que chegaram mais computadores para a gente fazer mais pesquisas, ter aulas de informática, coisas assim”.

Com informações de G1

Fotos: Carlos Palito/TV Gazeta

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,755,527SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Hospital faz sessões semanais de cinema para ajudar pacientes com câncer

Passar por um tratamento de câncer não é nada fácil física e emocionalmente. Mas cada vez mais, os hospitais aceitam alternativas para tornar esse...

Veterinário dança samba para distrair cãozinho assustado e lhe aplica vacina sem ele perceber

A alegria e carinho contagiante que um médico veterinário exibe em seu dia a dia em uma clínica de Lisboa, em Portugal, têm inspirado...

Alagoana aprovada em intercâmbio em Harvard consegue 200 bolsas de inglês online para estudantes do NE

Esse nosso Nordeste tem muita gente massa mesmo! A alagoana de Arapiraca, Natália Cecília Carvalho Ribeiro, 23 anos, já tinha enchido a gente de orgulho...

Homem que vivia nas ruas reencontra família após 35 anos, larga o álcool e organiza o seu negócio (RJ)

"Tua família, volta pra ela, tua família te ama e te espera". A música de Anjos do Resgate serve para ilustrar a história de...

Aos 9 anos, menina dá lição de tolerância em tarefa de ensino religioso

Infelizmente a intolerância entre gêneros, orientação sexual, religiosa e política tem sido bastante evidenciada nos últimos tempos, por conta de debates acalorados (que nem...

Instagram