“Meus cachorros me ajudaram a sair da depressão”

Neste depoimento, Michele Oliveira, contadora e veterinária, de
Camaçari (BA), conta como seus cãezinhos a ajudaram a atravessar um momento difícil e, de quebra, ainda a motivaram a praticar atividade física.

“Eu me formei em ciências contábeis e estava trabalhando na área havia alguns anos quando passei a ter sintomas de depressão. Aos 29 anos, sentia falta de ânimo, mau humor, um vazio, por isso busquei tratamento e precisei usar medicamentos.

Foi nessa época que comecei a pensar em ter outro cachorro. Sempre convivemos com bicho em casa, e sabia do bem que os animais podem fazer a seus donos. Só não havia nenhum naquele momento porque minha mãe, que acabava ficando com o trabalho mais pesado dos cuidados, não queria mais.

Mas me comprometi a ser a responsável por tudo e, para a minha surpresa, ela aceitou. Escolhi um cãozinho da raça dachshund, o Bug. Por causa dele, passei a contar as horas para sair do trabalho, voltar para casa e me jogar no chão, brincando feito criança. O problema é que ele era muito carente: não podia ficar sozinho que chorava.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eles fazem festa pra todo mundo e, sem querer, eu interagia com as pessoas”

Acabei convencendo minha mãe de que ele precisava de uma companheira e, no mês seguinte, a Eva chegou. O engraçado é que eles têm personalidades opostas. O Bug é calmo; a Eva, agitada. Ele gosta de ficar junto da gente, ela prefere ser independente, brincar sozinha.

Os dois contribuíram muito para que eu melhorasse da depressão. Se antes eu só saía por obrigação, depois que tive de incluir passeios diários na rotina para os dois se exercitarem passei a achar esse momento prazeroso – até porque eles fazem festa para todo mundo e eu, sem querer, interagia com um monte de gente.

Essas caminhadas também me estimularam a voltar a praticar atividade física. Por me sentir cada vez melhor, encarei uma nova graduação e me tornei veterinária, uma vontade que havia ficado adormecida.”

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Texto: Romy Aikawa
Foto: Marcus Steinmeyer

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #38, em julho de 2021.

Relacionados

Cega de nascença, professora contou com a ajuda de uma cachorra para interagir com o mundo

Neste depoimento, Marlene Taveira Cintra, presidente da associação de deficientes visuais Adevirp, de Ribeirão Preto (SP), explica como cães ajudam na socialização - e...

“Ao conhecer a dura realidade dos refugiados no Brasil, decidi criar um instituto para ajudá-los”

Em 2006, enquanto fazia um trabalho da faculdade de relações internacionais, o sociólogo Marcelo Haydu, 44 anos, de São Paulo, conheceu de perto a...

+ DO CANAL

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

Casal decide conhecer todos os parques nacionais para chamar a atenção para a causa do meio ambiente

Ao se verem sozinhos diante de uma paisagem linda em um parque nacional, a psicóloga Letícia Pereira Alves, 37 anos, e o economista Dennis...

Ex-catadora de latinhas vira a primeira mulher negra latino-americana a chegar ao topo do Everest

Desde pequena, no bairro de Jardim Capivari, na periferia de Campinas (SP), Aretha Duarte aprendeu a buscar diferentes maneiras para superar as dificuldades e...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

“Reuni um grupo de mulheres da favela para aprenderem a reformar suas próprias casas”

Durante a pandemia, Ester Carro, 27 anos, arquiteta, reuniu um grupo de mulheres para aprenderem a reformar suas próprias casas em Paraisópolis, São Paulo....

Instagram