Câmeras de segurança capturam a maternidade real de três mães

O problema de romantizar a maternidade é que isso acaba encobrindo a luta das mães para cuidar de seus filhos da melhor maneira possível. O que acontece, e pouco se fala, é um turbilhão de demandas que nem sempre a mãe tem forças para suprir, no tempo em que a criança deseja.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Isso acontece especialmente nas primeiras semanas e meses de vida do bebê. A criação é solitária, mesmo que o pai da criança esteja presente. As mães perdem horas de sono, a quantidade de fraldas que trocam e quantas vezes amamentam o rebento no dia.

E tudo fica mais difícil ainda quando a criança adoece. É um corre-corre para levar o filho para o hospital e, dependendo do quadro da criança, a mãe passa dias no hospital, tendo que conciliar trabalho e filho num dia que tem apenas 24 horas.

Falando assim, até parece que a maternidade é uma coisa ruim. Pelo contrário, ela tem sua beleza, mas, também, é um “osso duro de roer”.

Para mostrar que o que falamos não é exagero, uma empresa americana de segurança doméstica compartilhou um vídeo que mostra a luta de três mães para cuidar dos seus filhos recém-nascidos, através de câmeras de segurança – uma espécie de Big Brother da maternidade. As informações são do Scary Mommy.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Você sabe, às 10 horas da manhã, você olha para cima, e já são 5 horas da tarde e para onde foi o dia?”, pergunta uma mãe.

maternidade real

Se por um lado, o parto e a maternidade são diferentes de mãe para mãe, por outro, elas têm muitas experiências em comum. Como conciliar o tempo “para o bebê” e o tempo “para o parceiro”.

“Meu marido e eu estávamos sozinhos com essa pequena criatura que NÃO queria dormir, e ambos não podíamos dormir”, disse Calon M. “Acho que comecei a chorar e ele estava quase chorando, então, eu o mandei para a cama, e sentei, amamentando o bebê e ligando para os meus familiares no telefone, e ele dormiu o suficiente para assumir o controle e me deixar dormir um pouquinho.”

maternidade real

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Stacey S. teve uma experiência neonatal radicalmente diferente. Depois de anos tentando engravidar, ela descobriu que estava grávida de trigêmeos. Infelizmente, apenas uma das crianças sobreviveu, passando quatro meses na UTI. Ter um bebê com uma saúde frágil aumentou o drama da maternidade.

“Tinha medo de deixá-la sozinha em algum momento e me vi a observando constantemente, me certificando de que ela estava bem. Eu já tinha perdido dois filhos, estava paranoica de que algo pudesse acontecer com ela.”

maternidade real

E, claro, não podemos deixar de falar das mães adotivas – ou, simplesmente, mães que levaram uma criança para a família. Sarah N. não estava presente no nascimento do seu filho – a criança nasceu no meio da noite e com apenas 29 semanas de vida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Peguei o primeiro voo”, lembra ela. “Sua mãozinha agarrou o meu dedo, mas ela era tão pequena que não ficava na metade do meu dedo indicador. Saí do hospital por volta das 10 horas da noite, entrei no hotel e desmoronei em um mar de lágrimas.”

maternidade real

Histórias como as que o vídeo mostra são comuns na vida da mãe de um recém-nascido. As lágrimas se misturam com o cansaço e muitas dúvidas. Mas, o amor materno está ali, presente 24 horas por dia, resiliente, em cada troca de fraldas e amamentação, mesmo quando é mostrado de uma maneira que a maioria das pessoas – com exceção das mães, obviamente – desconhece.

Assista ao vídeo:

Todas as imagens © Canary/YouTube/Reprodução | Capa: Scary Mommy

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,518,910SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cãozinho de rua interrompe peça de teatro para confortar ator que fingia estar ferido

A sensibilidade dos animais é algo inexplicável, não é mesmo? A gente sempre gosta de publicar essas notícias aqui, porque só confirmam que os...

Menina com paralisia cerebral salva irmão de afogamento na piscina

A menina não anda e nem fala, mas salvou o irmãozinho que se afogava na piscina.

Casal de POA cria marca infantil sem definição de gênero e com responsabilidade social

Eles também quiseram fugir da questão de gênero, e não diferem suas peças entre meninos e meninas. “A gente acredita em educar para as diferenças, e não para a semelhança.

Instagram