Campanha mostra pessoas com deficiência em situações cotidianas e prova que todos somos iguais

Segundo o último censo do IBGE, 24% da população brasileira possui algum tipo de deficiência, seja visual, auditiva, motora ou mental, e apesar do número considerável, o restante da população ainda não sabe exatamente como tratar alguém com deficiência.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Seja por cuidado excessivo, que são os casos onde a pessoa com deficiência é tratada com tanto cuidado que ela fica constrangida pela forma que a abordam, até o outro extremo, onde pessoas não respeitam os direitos adquiridos das pessoas com deficiência, como as vagas especiais em estacionamento de shopping, por exemplo.

Ou seja, há muito ainda a ser feito. Mas felizmente algumas iniciativas começam a surgir, uma delas é a campanha “Somos Felizes”, criada pela agência CCZ*WOW junto com o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba, com o objetivo de garantir os direitos e a inclusão social dessas pessoas.

Para propagar a campanha, foi feito um vídeo com foco em desmistificar o que pensam sobre as pessoas com deficiência, e mostrar que eles tem dificuldades, assim como qualquer outra pessoa tem, mas que podem ser felizes e realizados, desde que seus direitos sejam respeitados. Com uma trilha musical baseada em depoimentos de algumas pessoas com deficiência, o vídeo os mostra em situações do cotidiano, e tem como fio condutor o dançarino Edy Style, que com muito talento mostra sua desenvoltura pela cidade de Curitiba. Vale o play:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

somos-felizes somos-felizes2 somos-felizes3 somos-felizes4 somos-felizes5 somos-felizes6 somos-felizes7

A campanha surge com um manifesto que resume bem o espírito do projeto:

SOMOS MAIS DE 45 MILHÕES DE PESSOAS NO BRASIL

“Lutamos diariamente por uma série de direitos que, às vezes, muitas pessoas não dão atenção, consideram um favor. Aquela vaga no estacionamento, o banheiro exclusivo, uma oportunidade de emprego, entre outras coisas. Nossa luta passa não só por nossas dificuldades particulares, mas também pela garantia de que a sociedade nos inclua de uma maneira mais natural. Isso porque podemos ser felizes. Cada um de nós, como todas as pessoas, tem uma história de vida recheada de momentos que nos marcaram para sempre. Equilíbrio com a sociedade e compartilhando nossos sentimentos com o próximo que escrevemos nosso legado para toda a eternidade. Afinal, a nossa felicidade depende da construção de uma sociedade inclusiva, para todos, que respeite os nossos direitos e a diversidade humana.”

ap4

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,810,195SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Martinho da Vila, aos 79 anos, cursa faculdade de relações internacionais: “Conhecimento nunca é demais”

Martinho atualmente faz quatro disciplinas e é um dos alunos mais aplicados da turma.

Jogo do Bahia ganhou bandeiras arco-íris de escanteio em ato contra homofobia

“Sempre que alguém disser onde acaba meu campo, eu levantarei bandeira”, diz um torcedor no vídeo divulgado pelo clube.

Espécie ameaçada de extinção, panda-gigante dá à luz bebês gêmeos em zoológico da França [VÍDEO]

Na madrugada da última segunda-feira (2), a panda-gigante Huan Huan deu à luz dois filhotes gêmeos saudáveis no ZooParc de Beauval, um dos maiores...

Comunidade se une para devolver um pouco de dignidade a morador de rua esquizofrênico

Morador de Ferreñafe, cidade que fica na costa do Peru, Chumán Don Luciano, de 83 anos, é conhecido pelos moradores locais como “Louco Chumán”,...

Garoto com câncer terminal realiza sonho de alimentar os desabrigados

Keegan Keppner tem apenas 10 anos de idade, porém, apesar de novo, já passou por muitos problemas. Ele foi diagnosticado com Glioma, uma forma...

Instagram

Campanha mostra pessoas com deficiência em situações cotidianas e prova que todos somos iguais 2