Campanha promove luta pelo fim do machismo e pela igualdade

Já havia refletido sobre isso a um tempo a atrás, antes mesmo de existir essa campanha, cheguei a conclusão de que os homens também são aprisionados pelo machismo, e o pior, sem ter a consciência disso. Algumas vezes até já havia me questionado se era um homem normal por não se encaixar nos estereótipos impostos pela sociedade: como torcer para algum time de futebol, assistir as lutas do UFC, ser “baladeiro”, nunca recusar mulheres e “passar o rodo” em todo mundo. Por um bom tempo, fui influenciado por outros e pela minha própria cobrança interna, até tentei ser quem não era para me encaixar, mas uma hora percebi que não estava feliz e que era mais um homem prejudicado pela educação machista.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

homens-5

E foi logo após uma conversa filosófica no chuveiro com minha noiva, que descobrimos a campanha “Homens, Libertem-se/Men Get Free”, do coletivo “mo[vi]mento” MG/RJ em parceria com o grupo de teatro “The Living Theatre”, de Nova York, que representa muito bem o que achamos sobre a necessidade de reeducação e auto-conhecimento dos homens.

homens-1

Esse projeto conta com a proposta de reflexão sobre as muitas formas pelas quais o machismo prejudica também os homens, independente de sua sexualidade, devido o padrão tradicional de “macho” imposto pela sociedade, tanto na mídia como na educação familiar, escolar e relacionamentos sociais e profissionais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como essa construção dos homens com valores e totais poderes patriarcais prejudicam a liberdade masculina, tanto emocional quanto social! É uma opressão pouco discutida por ser mais encoberta, aceita e naturalizada, mesmo após os diversos questionamentos do último século sobre os direitos humanos.

homens-8

homens-9

A campanha está se repercutindo bastante e podemos encontrar muitas críticas como essa: “prefiro-ter-câncer-de-próstata-do-que-tocarem-meu-ânus-porque-sou-macho”. Ou ainda a crítica de mulheres femistas (e não feministas) que falam que essa campanha é a “vitimização do homem, que eles não têm esse direito e de que eles deveriam parar de assediar as mulheres para depois exigirem respeito”.

Essa campanha não é sobre vitimização ou superioridade do homem e sim sobre a igualdade dos gêneros, sendo assim uma campanha feminista.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

homens-6

homens-10

Talvez essa campanha seja um dos primeiros passos para a sociedade acabar com a violência, com o assédio, com o abuso de poder e etc. É conscientizar os homens de que eles são livres para ser o que são, sem ter que seguir a regra do “Rosa X Azul”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Segundo um trecho da apresentação do projeto “… que essa reflexão se reflita em negação de algumas das formas rígidas do machismo, questionando o rótulo “seja homem! E também que possa, a longo prazo, auxiliar na diminuição da violência.” A campanha pede a libertação dos homens, não para oprimir as mulheres, mas para que ambos possam desfrutar juntos de maiores liberdades.

homens-7

homens-14

homens-13

Outra reflexão muito legal quem vemos no Facebook do “Homens, Libertem-se” foi:

“Metrossexual”, “Macho”, “Homem de verdade”, “Homem Sensível”, “Homem Moderno”, “o Novo Homem”, “Retrossexual” …..Quantos novos rótulos precisamos até perceber que, na verdade, as possibilidades são INFINITAS?

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=DBSTHArYJwQ”]

homens-2

homens-12

MANIFESTO HOMENS LIBERTEM-SE!!

– Quero o fim da obrigatoriedade ao Serviço Militar.
– Posso broxar. O tamanho do meu pau também não importa.
– Posso falir. Quero ser amado por quem eu sou e não pelo que eu tenho.
– Posso ser frágil, sentir medo, pedir socorro, chorar e gritar quando a situação for difícil.
– Posso me cuidar, fazer o que eu quiser com a minha aparência e minha postura, cuidar da minha saúde, do meu bem estar e fazer exame de próstata.
– Posso ser sensível e expressar minha sensibilidade como quiser.
– Posso ser cabeleireiro, decorador, artista, ator, bailarino; posso me maravilhar diante da beleza de uma flor ou do voo dos pássaros.
– Posso recusar me embebedar e me drogar.
– Posso recusar brigar, ser violento, fazer parte de gangues ou de qualquer grupo segregador.
– Posso não gostar de futebol ou de qualquer outro esporte.
– Posso manifestar carinho e dizer que amo meu amigo. Quero viver em uma sociedade em que homens se amem sem que isso seja um tabu.
– Posso ser levado a sério sem ter que usar uma gravata; posso usar saia se eu me sentir mais confortável.
– Posso trocar fraldas, dar a mamadeira e ficar em casa cuidando das crianças.
– Posso deixar meu filho se vestir e se expressar ludicamente como quiser e farei tudo para incentivá-lo a demonstrar seus sentimentos, permitindo que ele chore quando sentir vontade.
– Posso tratar minha filha com o mesmo grau de respeito, liberdade e incentivo com que apoio meu filho.
– Posso admirar uma mulher que eu ache bela com respeito, sem gritaria na rua e me aproximar dela com gentileza, sem forçá-la a nada.
– Eu sei que uma mulher está de saia – ou qualquer outra roupa – porque ela quer e não porque está me convidando para nada.
– Eu sei que uma mulher que transa com quem quiser ou transa no primeiro encontro não é uma vadia, bem como o homem que o faz não é um garanhão; são só pessoas que sentiram desejo.
– Eu nunca comi uma mulher; todas as vezes nós nos comemos.
– Eu não tenho medo de que tanto homens como mulheres tenham poder e ajo de modo que nenhum poder anule o outro.
– Eu sei que o feminismo é uma luta pela igualdade entre todos os indivíduos.
– Eu nunca vou bater numa mulher, não aceito que nenhuma mulher me bata e me posiciono para que nenhum homem ou mulher ache que tem o direito de fazer isso.
– Eu vou me libertar, não para oprimir mais as mulheres, mas para que todos possamos ser livres juntos.
– Eu fui ensinado pela sociedade a ser machista e preciso de ajuda para enxergar caso eu esteja oprimindo alguém com as minhas atitudes.
– Eu não quero mais ouvir a frase “seja homem!”, como se houvesse um modelo fechado de homem a ser seguido. Não sou um rótulo qualquer.
– Quero poder ser eu mesmo, masculino, feminino, louco, são, frágil, forte, tudo e nada disso. E me amarem e aceitarem, não por quem acham que eu deva ser, mas por quem eu sou. E por tudo isso, não sou mais ou menos homem.
– Quero ser mais que um homem, quero ser humano!
– O machismo também me oprime e quero ser um homem livre!

Por um mundo onde a frase “seja homem!” não faça mais sentido…ou ganhe um novo significado.

MsLove_faixa

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bhakti

Eu estava numa cafeteria hoje quando começou a tocar uma música que me chamou muito a atenção. O nome dela é “Orange Sky” do...

Voluntários constroem escola 100% sustentável na periferia de SP com 2.5 milhões de embalagens recicladas

A iniciativa é impressionante e reúne tudo o que tem de melhor de conceitos sobre uma sociedade desenvolvida. A ação reúne voluntariado, sustentabilidade e...

[VÍDEO] Senhor de 92 anos visita sua esposa com Alzheimer todos os dias através de uma janela

Mesmo longe da esposa, Xavier, 92 anos, se faz presente todos os dias. Carmen, 90, tem  Alzheimer e mora em uma casa de repouso,...

Ben & Jerrys reuniu pessoas que se amam, mas que tem opiniões políticas diferentes para conversarem e pararem de brigar

"A gente acredita que discutir política é essencial, mas nem sempre essas conversas são tranquilas, né? Por isso a gente resolveu chamar pessoas que se amam, mas que estão em conflito por terem opiniões políticas diferentes."

Instagram