Canal no WhatsApp oferece apoio a mulheres vítimas de violência doméstica durante quarentena

Clique e ouça:

É espantoso pensar nisso, mas as mulheres podem estar mais vulneráveis em casa durante a quarentena causada pela Covid-19. Dados apontam que a violência doméstica subiu em países como Itália e China durante o isolamento social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como então ajudar mulheres que passam por essa situação no Brasil?

O projeto Justiceiras surge com esse objetivo. Um canal no WhatsApp para conectar médicas, psicólogas e assistentes sociais, todas voluntárias, a mulheres vítimas de violência doméstica.

Foto: Divulgação

As profissionais vão oferecer suporte dentro da sua área de atuação. Ah, e as mulheres que já passaram por situação parecida e conseguiram sair do ciclo da violência, também podem participar e compartilhar suas experiências.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Demais, não é não?

Relacionado: Coronavírus: projeto incentiva mulheres a comprar produtos e serviços de outras mulheres

E se você é mulher e atua em uma dessas áreas, pode se inscrever para ser uma voluntária clicando aqui. Hoje, já são mais de 650 voluntárias.

O número do Whatsapp para as mulheres vítimas de violência doméstica buscarem ajuda é (11) 99639-1212. As vítimas têm acesso também a vídeos informativos, além do atendimento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto é uma parceria dos institutos Justiça de Saia, Bem Querer Mulher e Nelson Wilians.

“A violência não pode ser esquecida ou subnotificada. Um dos institutos fundadores do projeto, que tem sede física e atua diretamente no combate à violência doméstica, já relatou o aumento de casos nos últimos dias”, explicou a Presidente do Instituto Nelson Wilians, Anne Carolline Wilians.

Relacionado: Coronavírus: mulheres criam grupo de apoio para pagar boletos de trabalhadoras informais

Passado o período de quarentena, o projeto poderá ser ampliado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É importante que nós mulheres tomemos posse de nossas lutas, que a sororidade seja exercida em momentos de vulnerabilidades, exposição, mas estenda-se além da situação atual. O que vimos com esse canal é exatamente uma oportunidade de engajar mais mulheres. A causa é nobre, exige engajamento, exige sororidade, exige compaixão”, finalizou.

[A história das Justiceiras e tantas outras de mulheres que ajudam mulheres fazem parte de um canal especial do Razões para Acreditar e O Boticário, para mostrar que #SomosFeitasDeTodas . Acesse mais histórias como essa aqui.]

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,578FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
11,993SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Engenheiro cria próteses gratuitas para pessoas carentes em impressora 3D

Aos 24 anos, o engenheiro industrial Guillermo Martinez decidiu usar todo seu conhecimento e criatividade em prol das pessoas carentes. Depois de comprar uma...

Pela primeira vez o Solstício de verão de Stonehenge será transmitido online

Pela primeira vez na história poderemos acompanhar o solstício de verão de Stonehenge online, o evento marca o dia mais longo do ano e...

Instagram