Canal no WhatsApp oferece apoio a mulheres vítimas de violência doméstica durante quarentena

É espantoso pensar nisso, mas as mulheres podem estar mais vulneráveis em casa durante a quarentena causada pela Covid-19. Dados apontam que a violência doméstica subiu em países como Itália e China durante o isolamento social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como então ajudar mulheres que passam por essa situação no Brasil?

O projeto Justiceiras surge com esse objetivo. Um canal no WhatsApp para conectar médicas, psicólogas e assistentes sociais, todas voluntárias, a mulheres vítimas de violência doméstica.

Canal no WhatsApp oferece apoio a mulheres vítimas de violência doméstica durante quarentena 2
Foto: Divulgação

As profissionais vão oferecer suporte dentro da sua área de atuação. Ah, e as mulheres que já passaram por situação parecida e conseguiram sair do ciclo da violência, também podem participar e compartilhar suas experiências.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Demais, não é não?

Relacionado: Coronavírus: projeto incentiva mulheres a comprar produtos e serviços de outras mulheres

E se você é mulher e atua em uma dessas áreas, pode se inscrever para ser uma voluntária clicando aqui. Hoje, já são mais de 650 voluntárias.

O número do Whatsapp para as mulheres vítimas de violência doméstica buscarem ajuda é (11) 99639-1212. As vítimas têm acesso também a vídeos informativos, além do atendimento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto é uma parceria dos institutos Justiça de Saia, Bem Querer Mulher e Nelson Wilians.

“A violência não pode ser esquecida ou subnotificada. Um dos institutos fundadores do projeto, que tem sede física e atua diretamente no combate à violência doméstica, já relatou o aumento de casos nos últimos dias”, explicou a Presidente do Instituto Nelson Wilians, Anne Carolline Wilians.

Relacionado: Coronavírus: mulheres criam grupo de apoio para pagar boletos de trabalhadoras informais

Passado o período de quarentena, o projeto poderá ser ampliado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É importante que nós mulheres tomemos posse de nossas lutas, que a sororidade seja exercida em momentos de vulnerabilidades, exposição, mas estenda-se além da situação atual. O que vimos com esse canal é exatamente uma oportunidade de engajar mais mulheres. A causa é nobre, exige engajamento, exige sororidade, exige compaixão”, finalizou.

[A história das Justiceiras e tantas outras de mulheres que ajudam mulheres fazem parte de um canal especial do Razões para Acreditar e O Boticário, para mostrar que #SomosFeitasDeTodas . Acesse mais histórias como essa aqui.]

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,056,852SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Crianças no Gana geram eletricidade para escola brincando no playground

Grande parte do território de Gana é carente de energia elétrica. Isso faz com que uma generosa fatia da população passe metade da vida...

Gari defende TCC vestido com farda de trabalho: “Antes eu tinha vergonha, hoje tenho orgulho”

Antes o gari Ednilson de Pontes Silva tinha vergonha da sua profissão, agora ele tem muito orgulho!

Jovem aproveita Black Friday para alimentar desabrigados no Guarujá (SP)

"Sobrou um dinheiro este mês e decidi que seria a hora certa, porque os restaurantes estavam fazendo promoções na Black Friday", contou o porteiro Leonardo Souza Leite.

Homem Viaja por 12 Países sem Mala. Como é possível?

Ele visitou 12 países, somente com o que podia carregar nos bolsos. Rolf Potts tem 48 anos e é um escritor e autor americano apaixonado...

Menino que estuda em barraquinha na lavoura ganha internet e tablet para acompanhar aulas em casa!

Alan não vai mais precisar estudar na barraquinha! O sinal de internet chegou até sua casinha de madeira, não ficando mais restrito à lavoura...

Instagram

Canal no WhatsApp oferece apoio a mulheres vítimas de violência doméstica durante quarentena 3