Candidatas do Miss Peru quebram protocolo e falam sobre a violência contra mulheres

O que é a medida do busto, cintura ou quadril perto de estatísticas aterrorizantes de feminicídio? Nada, não é verdade? As participantes do concurso Miss Peru colocaram as cartas na mesa sobre a violência contra a mulher, e nós estamos aplaudindo de pé essa iniciativa extremamente necessária.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em um país onde as mulheres estão sendo mortas diante do silencio das autoridades e da sociedade como um todo, as candidatas decidiram falar – e falaram muito bem! Não sobre as qualidades de seus corpos, mas sobre as vítimas de violência de gênero no seu país.

Reprodução

“Meu nome é Camila Canicoba e sou representante de Lima. Minhas medidas são: 2.202 casos de feminicídio foram registrados nos últimos nove anos no meu país”, disse uma das participantes. “Meu nome é Juana Acevedo e minhas medidas são: mais de 70% das mulheres do nosso país são vítimas de assédio nas ruas”, disse uma segunda.

E, assim, uma por uma, as candidatas falaram de números que muitas pessoas ignoram, ou quando veem a público são taxados de “mimimi”, por homem héteros, brancos, que personificam e perpetuam o patriarcado, não apenas no Peru, mas em praticamente todos os países, onde as mulheres são silenciadas – até quando esse silêncio torna-se insuportável.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Reprodução

“Meu nome é Luciana Fernández e represento a cidade de Huánuco, e minhas medidas são: 13 meninas sofrem abuso sexual no nosso país.”

“Meu nome é Melina Machuca, represento Cajamarca e minhas medidas são: mais de 80% das mulheres da minha cidade são vítimas de violência.”

Reprodução

Segundo a organizadora do evento, Jessica Newton, ex-vencedora do concurso de beleza, a iniciativa de escancarar esses números na edição deste ano do Miss Peru sobre a violência de gênero empodera essas mulheres e tantas outras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela também defendeu o desfile de biquíni – tratado como uma objetificação do corpo da mulher (Por quem? Geralmente, pelos homens) –, pois, para ela, essa é uma oportunidade para mostrar que as mulheres devem ser tratadas com respeito independente das roupas que elas vestem e ponto final!

Reprodução

“As mulheres podem sair por aí peladas se elas quiserem. Peladas. É uma decisão pessoal”, afirmou Newton. “Se eu andar na rua de biquíni eu continuarei sendo uma mulher tão decente quanto se eu estivesse usando um vestido longo.”

Fala o que precisa ser falado, manas:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,995,673SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Em menos de 48h, bate a meta da vaquinha do tatuador que maquia esposa tetraplégica

Com o dinheiro da vaquinha, Jimme vai poder contratar profissionais para darem uma melhor qualidade de vida à Dani e voltar a trabalhar, além de dar mais atenção às filhas pequenas.

Garota de 11 anos que tem rosto desfigurado dá dicas de beleza no Youtube

Com apenas 11 anos, Nikki Christou, de Londres, Inglaterra, está inspirando milhares de pessoas com seu canal de Youtube com dicas de maquiagem e beleza. Diagnosticada...

Vans lança linha de tênis sensoriais para pessoas autistas

A marca Vans, símbolo entre os skatistas, anunciou recentemente o lançamento da coleção Vans Autism Awareness Collection ("Coleção Consciência sobre Autismo da Vans", em tradução...

Menino que usava wifi de açougue para estudar tem vida mudada após vaquinha

William tem origem muito carente. No início da pandemia, ele ia até um açougue próximo da sua casa para poder utilizar o wifi e...

IKEA planeja dar centenas de empregos a refugiados no Canadá

A IKEA, empresa sueca gigante no setor de móveis e decoração, planeja dar oportunidades de trabalho e renda digna a centenas de refugiados no...

Instagram