Candidatas do Miss Peru quebram protocolo e falam sobre a violência contra mulheres

O que é a medida do busto, cintura ou quadril perto de estatísticas aterrorizantes de feminicídio? Nada, não é verdade? As participantes do concurso Miss Peru colocaram as cartas na mesa sobre a violência contra a mulher, e nós estamos aplaudindo de pé essa iniciativa extremamente necessária.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em um país onde as mulheres estão sendo mortas diante do silencio das autoridades e da sociedade como um todo, as candidatas decidiram falar – e falaram muito bem! Não sobre as qualidades de seus corpos, mas sobre as vítimas de violência de gênero no seu país.

Reprodução

“Meu nome é Camila Canicoba e sou representante de Lima. Minhas medidas são: 2.202 casos de feminicídio foram registrados nos últimos nove anos no meu país”, disse uma das participantes. “Meu nome é Juana Acevedo e minhas medidas são: mais de 70% das mulheres do nosso país são vítimas de assédio nas ruas”, disse uma segunda.

E, assim, uma por uma, as candidatas falaram de números que muitas pessoas ignoram, ou quando veem a público são taxados de “mimimi”, por homem héteros, brancos, que personificam e perpetuam o patriarcado, não apenas no Peru, mas em praticamente todos os países, onde as mulheres são silenciadas – até quando esse silêncio torna-se insuportável.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Reprodução

“Meu nome é Luciana Fernández e represento a cidade de Huánuco, e minhas medidas são: 13 meninas sofrem abuso sexual no nosso país.”

“Meu nome é Melina Machuca, represento Cajamarca e minhas medidas são: mais de 80% das mulheres da minha cidade são vítimas de violência.”

Reprodução

Segundo a organizadora do evento, Jessica Newton, ex-vencedora do concurso de beleza, a iniciativa de escancarar esses números na edição deste ano do Miss Peru sobre a violência de gênero empodera essas mulheres e tantas outras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela também defendeu o desfile de biquíni – tratado como uma objetificação do corpo da mulher (Por quem? Geralmente, pelos homens) –, pois, para ela, essa é uma oportunidade para mostrar que as mulheres devem ser tratadas com respeito independente das roupas que elas vestem e ponto final!

Reprodução

“As mulheres podem sair por aí peladas se elas quiserem. Peladas. É uma decisão pessoal”, afirmou Newton. “Se eu andar na rua de biquíni eu continuarei sendo uma mulher tão decente quanto se eu estivesse usando um vestido longo.”

Fala o que precisa ser falado, manas:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,415,745SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Amigos fazem ‘charreata’ surpresa para gestante em Januária (MG)

O chá de bebê de Ana Paula Braz precisou ser cancelado devido ao Covid-19. No entanto, a pandemia não impediu que os amigos dela...

Estudantes do Paraná criam sistema de baixo custo para evitar desperdício de água

De acordo com dados da Agência Nacional de Águas(ANA), antes de chegar às nossas torneiras, 37% da água tratada no Brasil é desperdiçada. Isso ocorre por...

Usain Bolt sorri e faz “joinha” na prova dos 100 metros rasos e quebra a internet

Não sei vocês, mas fico bem impressionado quando vejo o atleta Usain Bolt correndo. Parece que está o fazendo sem esforço nenhum, com uma...

Ex-feirante coordena equipe que busca desenvolver vacina brasileira contra coronavírus

Na linha de frente de uma equipe de cientistas do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, que busca desenvolver a vacina brasileira contra...

Mulheres solteiras desempregadas estão ganhando dinheiro com a criação de esponjas marinhas

Com altas taxas de desemprego, profunda exploração dos recursos marinhos e milhares de pessoas vulneráveis, um grupo de mulheres solteiras e sem emprego de...

Instagram