Bioplásticos feitos de cânhamo são alternativa viável aos plásticos à base de petróleo

O plástico de uso único (conhecido como descartável) é umas das fontes mais destrutivas de poluição a nível mundial. Com o acréscimo de aditivos e resinas artificiais, uma simples garrafa plástica pode levar 500 anos ou mais para se decompor no meio ambiente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Neste exato momento, uma área coberta por plástico e lama equivalente ao tamanho de Minas Gerais está flutuando no Oceano Pacífico, sufocando e assassinando a vida marinha.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), até 2050 haverá mais plástico, em peso, do que peixes no oceano.

Não é exagero dizer que o nosso planeta está sendo sufocado pela indústria do plástico. Felizmente, um número crescente de pessoas têm procurado por alternativas que não poluam ainda mais a Terra. E uma solução pouco conhecida tem ganhado cada vez mais espaço nessa empreitada: o bioplástico feito de cânhamo.

O que é o cânhamo?

O cânhamo é uma planta de canabis cultivada por suas sementes, fibras e caule. As sementes são usadas na produção de alimentos, suplementos nutricionais, medicamentos e cosméticos. O caule e suas fibras são usadas na produção de papel, tecidos, cordas, compostos plásticos e materiais de construção. (via)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O plástico de cânhamo é 100% biodegradável

Uma das grandes vantagens do bioplástico de cânhamo (planta da mesma espécie da maconha, a Cannabis sativa, mas geneticamente distinta e usada para fins diferentes, leia mais aqui) é sua condição de ser totalmente biodegradável no meio ambiente. Enquanto uma sacola plástica convencional levará séculos para se degradar na natureza, o bioplástico leva de três a seis meses.

Leia também: Garoto de 12 anos inventa “super barco” capaz de sugar plástico dos oceanos

Naturalmente, isso significa que o bioplástico de cânhamo não é ideal para vasilhas e outros utensílios de longo prazo, mas é perfeito para uso único, como copos e canudos. Um substituto ideal.

Cânhamo pode ser a solução definitiva contra a poluição em massa do plástico
Foto: Reprodução/Correio do Brasil

Cânhamo pode ser a solução definitiva contra a poluição em massa do plástico
Foto: Reprodução/Green Entrepreneur

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Produzir plástico de cânhamo é mais benéfico para o meio ambiente

Outro benefício do uso do bioplástico de cânhamo sobre o plástico comum é que seu processo de fabricação não causa danos ao meio ambiente.

De acordo com a Forbes, a maioria dos produtos plásticos produzidos atualmente é feita com combustíveis fósseis extraídos por meio de fraturamento hidráulico (ou “fracking”), método que possibilita a extração de combustíveis líquidos e gasosos do subsolo.

Embora as empresas de energia classifiquem o fracking como um método “limpo”, a verdade é que ele pode poluir o ar, o solo e os lençóis freáticos com uma série de toxinas prejudiciais.

Como o bioplástico de cânhamo não é feito de combustíveis fósseis, ele não possui essa bagagem negativa que acompanha o plástico tradicional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O cânhamo é uma ótima matéria-prima para a produção de bioplástico

Além de ser uma alternativa promissora, o cânhamo em si é uma excelente fonte de bioplástico. Um dos componentes essenciais desse material é a celulose.

Ao procurarmos uma fonte de bioplástico, geralmente nos concentramos em plantas que possuam altas concentrações de celulose. Além do cânhamo, duas das principais fontes de celulose existentes são o algodão e a madeira.

Cânhamo pode ser a solução definitiva contra a poluição em massa do plástico
Fibra de cânhamo. Foto: Reprodução/Wikipedia

Em média, a madeira contém aproximadamente 40% de celulose e o algodão chega a 90%.

O cânhamo contém cerca de 65-75% de celulose. Embora ele venha em concentração inferior, leva-se em conta que o algodão requer 50% mais água para o cultivo e quatro vezes mais água para a etapa de processamento.

Assim, apesar do algodão concentrar mais celulose do que o cânhamo, gasta-se muito mais água para produzi-lo, causando um impacto ambiental mais considerável.

Combater a poluição e as mudanças climáticas não é e nunca foi uma tarefa fácil. Nas últimas décadas, os seres humanos estabeleceram-se com diversas tecnologias que fazem uso do plástico, invenções surpreendentes e muito dinâmicas, mas que são prejudiciais à natureza. Com a chegada das soluções bioplásticas, não precisaremos abrir mão delas. Mas precisamos migrar desde já.

Leia também: Primeiro corredor sem plásticos do mundo é inaugurado em mercado na Holanda

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Green Entrepreneur

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,498,345SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bebê com poucas chances de sobrevier ganha ‘formatura’

O bebê nasceu com menos de 400 gramas e tinha apenas 2% de chances de sobreviver.

Comissária de bordo acolhe e ‘oferece amor’ à passageira em um momento de profunda tristeza

A atitude de uma comissária de bordo com uma passageira que estava passando por um momento delicado foi muito além de ser gentil e...

Esta mochila solar é capaz de armazenar luz para crianças da África estudarem a noite

Em comunidades de baixa renda na África do Sul, muitas crianças nem sequer têm o luxo de fontes confiáveis de luz. Além de ter...

Em campanha #AmorLivre, Closeup quebra esteriótipos e celebra amor sem preconceitos

A marca de cremes dentais Closeup, pertencente à gigante britânica-neerlandesa Unilever, lançou neste mês uma campanha que celebra o amor, a diversidade e a quebra...

Irmãos do ES viajam pelo Brasil levando atividades culturais gratuitas em uma kombi

André e Davi Forecchi Giovanni levam quatro projetos inspiradores pra cada uma das cidades que visitam a bordo da kombi Djanira.

Instagram