Cão recebe diploma de universidade após acompanhar cadeirante nas aulas

A norte-americana Brittany Hawley e seu cachorro Griffin são inseparáveis: onde ela vai, ele vai junto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Portadora de uma doença rara que a faz sentir dores crônicas no corpo e a obriga a se locomover em uma cadeira de rodas, Brittany conta com o auxílio do cão para vários afazeres do dia a dia, desde abrir portas, acender luzes, trazer objetos (que ela aponta com um laser) e claro, dar-lhe muito carinho, amor e companhia.

 [Nota da Redação do Razões] (Matéria continua depois do vídeo abaixo)

Crianças trocam brinquedos por pedido de trabalho para seus pais em cartinhas ao Papai Noel, assista:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No entanto, as limitações físicas da moça de 25 anos, que mora em Wilson, estado da Carolina do Norte, não a impedem de estudar, trabalhar e aproveitar a vida. Este mês Brittany se formou no mestrado em Terapia Ocupacional pela Universidade Clarkson, e claro, contou com a companhia de Griffin durante a cerimônia, que, assim como sua dona, ganhou um diploma para chamar de seu.

Com certeza um diploma muito justo, já que o golden retriever de quatro anos de idade frequentou assiduamente todas as aulas do mestrado ao lado de Brittany, desde o primeiro dia.

LEIA TAMBÉM: Por que cuidar da saúde deve estar no topo da sua lista de resoluções para 2019?

Ao anunciar o diploma honorário ao cão, o conselho de administração da universidade disse que Griffin eiro dia de curso. O conselho de administração da universidade afirmou que o cachorro demonstrou “esforço extraordinário, compromisso firme e dedicação diligente ao bem-estar e sucesso de Hawley e dos estudantes”.

Cão recebe diploma de universidade após acompanhar cadeirante nas aulas
O diploma canino. Foto: Reprodução/Facebook

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Durante o estágio de sua dona, em que ela trabalhava ajudando soldados com deficiências de mobilidade e distúrbios psicossociais, Griffin também tinha sua função. Escovar um cão pode ajudar a melhorar a amplitude de movimento do paciente, e acariciá-lo ajuda a aliviar a ansiedade, disse Brittany.

Leia tambémPedreiro cadeirante desafia o preconceito e sustenta a família trabalhando em obras

“Meus pacientes diziam: ‘Meus terapeutas hoje são Brittany e Griffin'”, disse ela, aos risos. Ela espera levar essa parceria para o futuro, no mercado de trabalho. “Será um pacote”, brincou. “Eu não poderia participar de nada sem ele.”

Compartilhe o post com seus amigos!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Revista Galileu

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,269,708SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Horta em área abandonada produz alimentos para 2 mil famílias e é orgulho de comunidade

Com o objetivo de melhorar um bairro abandonado na cidade norte-americana de Detroit, e com a iniciativa da ONG Michigan Urban Farming Initiative (MUFI),...

Escola convida pais a gravarem depoimentos para os filhos; veja a reação deles

A escola Jean Piaget, em Lagoa Santa (MG), teve uma interessante ideia para uma das aulas de 'Mente Positiva' ensinada às crianças. Os pais foram...

Adele passeia com filho na Disney vestido de princesa e mostra, de novo, que não tem preconceito de gênero

Adele e o namorado e empresário Simon Konecki curtiram um dia de folga da cantora com o filho do casal, Angelo, de apenas 3...

Fabricante italiana desenvolve telhas que substituem painéis solares tradicionais

Unindo sustentabilidade e design, as empresas italianas Area Industrie Ceramiche e REM desenvolveram uma telha fotovoltaica capaz de substituir as placas solares tradicionais. Por serem...

Instagram

Cão recebe diploma de universidade após acompanhar cadeirante nas aulas 2