Mãe cria capa de cinto de segurança para alertar socorristas sobre a condição do passageiro

Uma simples invenção de uma mãe de cinco filhos pode salvar a vida de dezenas, quiçá centenas, de pessoas com deficiência.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Natalie Bell vive na Austrália e tem cinco filhos com idades entre 1 e 15 anos. Uma delas, a pequena Shae, nasceu com perda auditiva moderada e utiliza um implante coclear desde bebê.

Como mãe, Natalie sempre pensou no que poderia acontecer com sua filha caso ela sofresse um acidente de carro. Pessoas com certos tipos de implantes cocleares não podem ser submetidas a exames de ressonância magnética.

Na ausência dos seus pais e numa eventual incapacidade da menina de se comunicar, quem poderia informar aos médicos sobre o implante coclear?

Foi aí que Natalie teve uma ideia simples, porém bastante engenhosa: uma capa de cinto de segurança que diz: “Eu tenho um implante coclear. Não posso fazer ressonância magnética”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros

No caso de uma emergência (como um acidente de carro), os socorristas veriam a capa do cinto de segurança imediatamente.

A iniciativa foi bastante aplaudida por internautas nas redes sociais. Natalie recebeu milhares de pedidos de capas de cinto de segurança para esta e outras dezenas de condições médicas.

Leia também: Família sem condições de pagar por cadeira de rodas ganha carrinho adaptado por estudantes

Para atender tantos pedidos, em sua maioria de pais com filhos autistas, Natalie abriu um negócio chamado Personalized by Nat (“Personalizados por Nat”, em tradução livre).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com a abertura da empresa, ela vende dezenas de capas personalizadas para o mundo todo.

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Tenho autismo. Posso resistir à ajuda.”

O negócio tem prosperado graças à excelente recepção do público, que torna a iniciativa da australiana cada vez mais popular e viral nas redes sociais. Hoje, há capas disponíveis para indivíduos com autismo, síndrome de Down, Mal de Alzheimer etc. Confira:

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Meu nome é Shae. Eu sou não-verbal e tenho epilepsia.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu tenho síndrome de Down. Posso resistir à ajuda.”

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu tenho paralisia cerebral. Preciso de ajuda para andar.”

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu tenho Diabetes tipo 2. Dependo de insulina.”

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu sou cego. Por favor, me ajude.”

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Cão de serviço à bordo. Preciso acompanhar meu dono.”

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu tenho Mal de Alzheimer. Posso resistir à ajuda.”

Profissionais que trabalham em serviços de emergência também elogiaram a iniciativa, uma vez que as capas avisam rapidamente o socorrista sobre como ajudar a vítima.

Leia também: Funcionário pula janela de drive-thru para salvar menino de asfixia

Interessante notar que essas capas são portáteis, portanto não são utilizadas exclusivamente em veículos. Elas também podem ser usadas em mochilas, cadeiras de rodas ou em qualquer outro lugar onde você gostaria de alertar as pessoas de que alguém tem alguma deficiência ou condição médica especial.

As capas são tão simples e úteis que é surpreendente que ninguém tenha pensado nisso antes. Genial!

Mãe cria capas de cintos de segurança para alertar paramédicos sobre a condição de seus passageiros
“Eu sou surda. Tenho um implante coclear. Não posso ser submetida à ressonância magnética.”

O produto é vendido por US$ 16 cada (R$ 65). Com a alta demanda, atualmente há uma espera de duas a quatro semanas para a entrega. Natalie também envia internacionalmente por uma taxa extra.

“Shae tem sido a inspiração por trás deste trabalho. Antes de tentar fazer a diferença na vida de outras crianças, busquei fazer a diferença na vida dela, em primeiro lugar”, conclui Natalie.

[Nota de Redação]

O seu Zezinho tem 68 anos e nunca foi à escola. Ele queria muito aprender o alfabeto e finalmente poder escrever o próprio nome. Gentil toda vida, uma professorinha de 9 anos começou a ensinar o vendedor de picolé a ler e escrever.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Little Things/Fotos: Reprodução/Facebook

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora cria museu temporário para alunos conhecerem suas próprias histórias

O objetivo foi mostrar aos alunos que suas histórias são tão importantes quanto as que estão nos livros.

Com medalha olímpica, Camila Castro diz que vôlei sentado a reviveu: “voltei a sorrir”

As Paralimpíadas Rio 2016 foram pura emoção não só com as disputas, mas com as lindas histórias de superação de cada um dos atletas...

Daniel Dias alcança marca histórica de 31 ouros em edições do Parapan

Grande nome da natação brasileira, Daniel Dias está sempre buscando superar os próprios desafios.

Internautas fazem vaquinha para guardador de carros que ajudou senhora a atravessar rua alagada no Rio

Tudo aconteceu muito rápido, ontem publicamos um vídeo no nosso Instagram mostrando um homem ajudando uma senhora a atravessar a rua alagada no Rio...

O jovem autista que desafiou prognósticos e se graduou em Medicina em Cuiabá

Na capital mato-grossense, balões dourados grudados na parede formam o nome Enã Rezende, de 26 anos. Neste lugar, um salão de eventos reservado por sua...

Instagram

Mãe cria capa de cinto de segurança para alertar socorristas sobre a condição do passageiro 1