Casal adota bebê com deficiência abandonada em hospital

Quando tinha apenas quatro meses de idade, Safe foi abandonada pelos pais biológicos em um hospital.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Grace, que participa de um programa governamental de adoção de crianças, recebeu o convite para adotá-la e levá-la para casa. “Oi, Grace. Uma garotinha foi abandonada. Precisamos colocá-la em um lar adotivo. Você pode buscá-la em uma hora?”, dizia a ligação.

Ela e o marido, Jesse, já eram pais de 8 filhos adotivos quando foram ao hospital buscar Safe. “Não pensamos duas vezes”, diz Grace.

Casal adota bebê com deficiência abandonada em hospital

“Quarenta e cinco minutos depois, a princesinha paquistanesa mais perfeita do mundo foi colocada em nossos braços”, relembrou a mãe adotiva ao site Love What Matters.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Safe tinha um sobrenome peculiar: Surrender (“Renda-se”, em tradução livre). Em seu novo lar, passou a ser chamada de ‘Little Safe’ pela vizinhança, que a acolheu carinhosamente.

Leia também: Enfermeira adota bebês gêmeos com doença genética abandonados em hospital

A pequena continuou sob observação médica e precisava fazer uma série de exames no hospital onde nasceu. Entre uma consulta e outra, constatou-se uma série de problemas congênitos.

Safe precisou passar por algumas cirurgias e conviveu com uma bolsa de colostomia por meses.

“Grace, ela tem necessidades médicas bem extensas. Acha que podem lidar com isso? Podemos movê-la para outra casa”, ofereceu a assistente social. Mas o casal jamais pensou em desistir. “Vimos ela se curar e a começar a confiar em nós. Simplesmente a amamos e ela floresceu”, afirma a mãe. Safe enfrentou sua última cirurgia quando tinha 10 meses.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Prestes a fazer um ano, em março de 2018, Safe estava recuperada e pronta para a cerimônia oficial de adoção. Certo dia, o telefone de Grace voltou a tocar: “Parabéns! Conseguimos uma data em março para a cerimônia de adoção. Convide quem você quiser e vários assistentes sociais estarão presentes. Eles querem ver esse caso até o fim”, dizia.

Casal adota bebê com deficiência abandonada em hospital

Em 14 de marco de 2018, Jesse e Grace adotaram oficialmente Safe, frente a um tribunal com mais de 70 convidados – entre familiares, amigos e assistentes sociais.

Leia também: Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Olhei e vi uma garotinha cujo nome contou a história do seu nascimento. Uma garotinha que tinha perdido tanto, mas que ganharia muito mais”, contou Grace.

Os pais adotivos da pequena lhe deram um novo nome: Arya Hope (“Esperança”, em inglês).

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Bebê Mamãe/Fotos: Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,751,664SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pai cria app para ajudar filho autista e outras pessoas com autismo a se comunicarem

O Wagner Yamuto, 43 anos, é CEO do Matraquinha, aplicativo de comunicação alternativa para ajudar crianças e adolescentes com autismo. O projeto foi idealizado...

Aos 100 anos, mulher realiza viagem dos sonhos e conhece ursos polares

Uma americana que sempre quis conhecer ursos polares tornou realidade a viagem dos seus sonhos ao completar 100 anos de idade. Fã de aventura, a...

Em carta fofa, menino de 10 anos devolve carteira perdida por jovem

"Sei como é a sensação de perder algo e queria ter a certeza de que você teria a sua carteira de volta. Com sorte,...

Pesquisadora cria linguagem tátil que facilita identificação das cores para pessoas cegas

Você já parou pra pensar como uma pessoa cega consegue diferenciar as cores dos objetos, como roupas e calçados? A pesquisadora Sandra Marchi, da Universidade...

Menino austista de 10 anos vira contador de histórias em sua escola

Diego Escada Louzada, de apenas 10 anos, quebra muitos preconceitos e estereótipos ao tornar-se um contador de histórias em sua classe na escola municipal...

Instagram