Casal de POA cria marca infantil sem definição de gênero e com responsabilidade social

O casal de 26 anos Pedro Benites, designer gráfico, e Lívia Dall’Agnol, designer de moda, estão juntos desde 2007, quando se conheceram na faculdade em Porto Alegre.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente sempre quis empreender para além do mercado de design, que já é um mercado que propicia o empreendedorismo”, conta Pedro em entrevista ao Projeto Draft.

Após passarem por escritório de design, pela Renner, entre outros, em 2014, Pedro e Lívia foram trabalhar no Grupo Criativo. “Foi onde aprendemos a trabalhar juntos”, diz ela.

A parte da profissão, desenvolveram projetos paralelos. Como o mestrado em sustentabilidade no desenvolvimento de produtos em micro e pequenas empresas de Pedro, ou as atividades em Design de Serviço da Lívia.

Então, fizeram cursos de estamparia e modelagem no início de 2013 no SENAI. Foi a certeza do caminho que tomariam para empreender.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim nasceu a Matiz, uma marca de roupas sustentáveis para bebês, e com temas relevantes tanto na estamparia quanto no material. “Queríamos contar histórias, gerar reflexões através dos produtos, e a melhor fase para isso é a do desenvolvimento da criança”, explica.

Pedro explica o porquê do nome da marca: “Em colorimetria, matiz é uma das três propriedades da cor. A gente decidiu trabalhar bastante cor porque a ludicidade é super importante na primeira infância, e poucos produtos sustentáveis fazem isso, são todos em tons ocres, terrosos”.

Foram dois anos desenvolvendo paralelamente a Matiz. “Visitamos várias cooperativas de costureiras que trabalhavam com algodão orgânico e fábricas que produziam malhas a partir de garrafas pet recicladas. A parte mais difícil do negócio, desde o início, foi formar uma rede produtiva local, com parceiros que compartilhassem os nossos valores”, conta Pedro.

Hoje, a marca conta com mais de 70 itens em sua loja virtual. São produtos de algodão orgânico e com tinta à base de água, almofadas recheadas de ervas para cólica, entre outros. As cores mais presentes são roxo e laranja.

Outra preocupação deles é a linha de produção. “O mercado infantil está saturado de importados e de peças super baratas, frutos de cadeias longas de produção que afastam os empresários dos produtores e geram uma série de problemas, desde a qualidade do produto até más condições dos trabalhadores”, diz Pedro. “Muitas vezes o preço de venda da peça é menor que o custo de matéria-prima. Quando isso acontece, é claro que tem alguém pagando a conta no caminho”, conta Lívia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eles também quiseram fugir da questão de gênero, e não diferem suas peças entre meninos e meninas. “A gente acredita em educar para as diferenças, e não para a semelhança. Isso depois contribui com igualdade de gênero, o fim do machismo, diminuição da violência e valorização profissional das mulheres, por exemplo”, afirma Pedro.

E decidir não vender roupas cor-de-rosa por isso é um desafio no mercado conservador do Rio Grande do Sul. “Mas, à medida em que apresentávamos nossos produtos aos lojistas e participávamos de bazares e eventos, percebemos um interesse crescente e conscientização das pessoas sobre a importância desse debate”, conta

“Sabemos o que queremos ser. Preferimos ter um faturamento menor, beneficiando muitos no caminho. Não acreditamos em muito dinheiro na mão de poucos”, defende Lívia.

“Com a demanda crescente e o aumento da produção, sabemos que vamos ter que encontrar o ponto de equilíbrio para garantir uma cadeia produtiva sustentável e que, acima de tudo, mantenha o impacto local”, diz Pedro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eles agora pesquisam como manter a mesma atenção em uma escala maior. E isso, ao mesmo tempo que planejam a chegada do primeiro filho. Parabéns casal!

12278997_750513561747055_6602584355665701465_n

12417806_771780719620339_689017603400643473_n

12687813_778100778988333_6157264188870260975_n

12715549_785441174920960_3983876974168324602_n

12821491_796687033796374_8187799684721777701_n

Matiz_Divulgacao_03_alta-e1468246238889

Matiz_Divulgacao_04_baixa-e1468250787826

Matiz_Divulgacao_Equipe_01-855x570

Screen-Shot-2016-07-11-at-11.35.25-AM

matiz

Fotos e fonte de informações: Projeto Draft e Matiz

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,434,652SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vaquinha para menino que tentou comprar casa com R$50 mensais na OLX bate meta em 24h

Que coisa linda!!! Começamos ontem a campanha na VOAA - a vaquinha do Razões e hoje já amanhecemos com a meta batida! Eles vão...

Filme “O renascimento do parto” alerta sobre os riscos da banalização do parto cesariana

A Folha e o Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca promovem, no próximo dia 5, às 20h, pré-estreia do filme“O Renascimento do Parto”,...

Campanha estimula o plantio de mil mudas no Sistema Cantareira

Sabia que até 2030 metade da população mundial pode enfrentar a escassez de água, quando a demanda do recurso poderá superar a oferta em...

Amigos no Rio fazem vaquinha para levar crianças com deficiência a assistirem os Jogos Paralímipicos

Fazer boas ações resulta numa cadeia de trocas que abraça e promove o espírito coletivo. Pensando em levar crianças com deficiência para ver os jogos...

Bebê de 2 anos grita “papai” após fim do processo de adoção

Mandi Palmer é uma norte-americana de 33 anos que compartilhou sua história no site Love What Matters e nós ficamos tão encantados que gostaríamos...

Instagram