Casal de mães acolhe menino autista e cego que esperou anos na fila de adoção

Claudiana e Luciana compartilham a vida juntas há 15 anos. Desde que se conheceram, sonhavam em ter um filho. Após mais de uma década amadurecendo essa ideia, elas adotaram o pequeno Lucas Miguel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Antes eramos um casal, hoje somos uma família“, contam.

Lucas tem sete anos, é deficiente visual e autista. Antes de sua chegada, suas mães tentaram fazer fertilizações que não deram certo. Mas elas não esmoreceram: entraram na fila para adoção e esperaram… esperaram muito.

casal mães adota menino autista e deficiente visual
Lucas foi diagnosticado com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Foto: Arquivo pessoal

Vaquinha para tirar mãe e bebê recém-nascido da rua em Recife. Clique aqui e saiba como ajudar!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Adoção é empatia

Luciana conta que nesse meio-tempo, chegou a visitar outra criança. “A adoção é empatia, você vai até a criança com carisma porque é uma criança. Só que na realidade não foi o mesmo sentimento quando a gente viu aquela criança e quando a gente viu o Lucas”, diz a mãe.

Da primeira vez que conheceram Lucas até a finalização do processo de adoção, foram dois anos de muita conversa, paciência e construção de intimidade.

O Lucas que adotou a gente. Ligaram para nós e disseram ‘olha, tem uma criança, autista e deficiente visual, vocês querem conhecê-la’? Na hora falamos ‘sim, a gente quer’ e pegamos o rumo da estrada e fomos para Bauru”, contam elas.

Na primeira visita, relembram, Lucas estava no colo de uma cuidadora. Ao verem ele, Luciana e Claudiana decidiram imediatamente que era aquela criança que seria adotada – era Lucas que elas tanto procuraram.

Quando se aproximaram do menino, ele se sentiu seguro e chamou elas para brincar. Se aquilo não era um sinal, eu não sei mais o que poderia ser!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Parece que ele está com a gente desde o nascimento, que foi gerado por nós. Eu nem lembro da vida antes dele”, disse Claudiana.

Lucas virou o xodó da família

O pequeno foi muito bem acolhido e virou o xodó da família, especialmente da vovó, Dona Zilda. Entre os dois, sobra amor, historinhas, carinho e lições do dia a dia. “Não tem explicação, não desgruda. Acorda falando da vovó Zizi, às vezes a gente brinca que adotamos ele da avó porque o amor desses dois é imenso”.

A rotina antes de Lucas era um pouco mais tranquila, reconhece Luciana, dizendo que hoje ela e a esposa vivem em função do pequeno. Ao mesmo tempo, elas contam que não conseguem mais enxergar a vida sem a presença amorosa e constante do menino.

“Muitas noites são passadas em claro porque ele não dorme muito bem. Mas não tem como reconhecer uma vida sem ele; é como se ele sempre estivesse aqui. A gente não vê o processo de dois anos, quando ele era um bebê. É como se estivéssemos a vida toda com ele”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Processo de inclusão

Claudiana e Luciana sempre tiveram que batalhar para serem incluídas. Hoje, a luta é pela inclusão de Lucas.

O casal participa de grupos de mães de autistas, onde há uma troca constante de experiências de mães do Brasil inteiro. “Tudo que você vai comentando no grupo, ajuda, ou ajuda o outro. Cada mãe que dá seu depoimento lá, te abre a sua mãe para ‘nossa, eu não tinha visto isso'”.

A escola é um dos ambientes que mais mudam com a chegada de uma criança com deficiência. “Ou você tira a criança da escola porque ela não conseguiu mudar, ou ela consegue mudar”.

No caso da escola de Lucas, houve uma profunda mudança nas atividades pedagógicas que permitiram que ele pudesse entender e aprender, assim como as outras crianças.

Para as mães do pequeno, o autismo é um ‘aprendizado eterno’, e isso, no final das contas, é algo positivo.

“Cada dia você vê uma coisa diferente e você vai aprendendo para o seu filho mesmo, porque é aprendizado para sempre”.

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: A Cidade de Votuporanga

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Documentário mostra a vida de pessoas com deficiência visual

Conheça o documentário Além da Luz, de Yves Goulart, que mostra o cotidiano de 7 brasileiros com deficiência visual. O trailer é tocante e faz refletir...

Ex-jogador salva criança arremessada de prédio em chamas; veja o vídeo

Phillip Blanks foi um verdadeiro anjo na vida de uma criança de três anos nesta semana. Ele conseguiu resgatar um menino que foi arremessado...

Menino de 4 anos pergunta para mãe por que as bonecas só falam “mamãe” e história viraliza

“Quer dizer que os pais não fazem nada? Os pais não dão comida? Não levam elas  pra cama ou dão carinho?”, perguntou o pequeno Arthur,...

Vovó de 97 anos cria canal de culinária para se entreter

Uma vovó de 97 anos criou um canal de culinária na internet para se entreter na quarentena e compartilhar um pouquinho da sua experiência...

Estudante une saberes de quilombo e da universidade para triplicar produção de milho da família

Unindo os conhecimentos adquiridos na faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) com os costumes da comunidade quilombola São Pedro Alagadiço,...

Instagram