Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria

É difícil começar um negócio do zero com pouco dinheiro, especialmente se você é um imigrante que precisou buscar refúgio em outro país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi o caso da família Campos Pacheco, que se mudou da Venezuela para Santiago, no Chile, em busca de uma vida melhor.

De início, eles começaram a vender pães e doces nas estações de metrô da capital chilena, sempre nutrindo um objetivo (e sonho) maior: abrir sua própria padaria e deixar a informalidade de lado.

Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria

“Fugimos do nosso país devido à complexa emergência humanitária que a Venezuela atravessa. Então começamos por aqui em Santiago do zero, mas com objetivos muito claros”, disse Jose Gregorio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foram anos difíceis, mas Jose e sua esposa (que preferiu não ter seu nome divulgado) descobriram como levantar seu negócio aproveitando-se da gastronomia de sua terra e do conhecimento prévio na fabricação de quitandas e quitutes – especialmente o Golfeado Venezuelano, um tipo de pão doce típico de Caracas.

Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria

Eles vendiam os golfeados no metrô de Santiago, e a clientela adorava! Logo, começaram a receber pedidos maiores, para festas e reuniões. Com a situação financeira melhorando gradualmente, Jose abraçou a oportunidade de abrir sua sonhada padaria, a “Golfeado Manía”.

“Quando chegamos ao Chile, a realidade da vida se impôs sobre nós. Foi difícil, mas graças à nossa resiliência e à fidelidade dos nossos clientes, conquistados um a um no metrô de Santiago, conseguimos gerar renda e melhorar de vida”, disse Jose.

A padaria garantiu a independência financeira e a prosperidade da família do venezuelano, que tem um filho em idade escolar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria

“Fico imensamente feliz em ver como um prato típico da Venezuela foi acolhido pelos chilenos. Não apenas os golfados, mas os cachitos, que meu filho também adora. A recepção de todos não poderia ter sido mais calorosa”, complementou.

Segundo a família Campos Pacheco, sua padaria segue em “constante construção”, e ainda está longe de ser exatamente como eles idealizaram. “E a graça é justamente essa. Ser grato, mas não se contentar com o que foi feito. É um trabalho constante”, disse Jose.

Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim como grande parte dos imigrantes da Venezuela, ele precisou se reinventar para garantir o sustento de sua casa. Ao final, sua vontade e desejo de mudar em meio a uma situação complicada valeram a pena. “Sonhos só podem ser realizados quando trabalhamos duro para concretizá-los”, completou o padeiro.

Fotos: Reprodução / Instagram: @venezolanosenchile2.0

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bebê chora e juiz interrompe audiência para tranquilizá-la no seu colo

A atitude surpreendeu a mãe da garotinha e viralizou nas redes sociais e grupos de WhatsApp.

Em vídeo emocionante, tenista nº 1 do mundo consola jovem promessa após vitória

A tenista Naomi Osaka, 21 anos, atual número 1 do Mundo no ranking WTA, não deu chances para a jovem estrela em ascensão Cori Gauff,...

Projeto social de cafeteria traz oportunidades para moradores de rua

O Vale do Silício é notório por sua disparidade de classes; as mesmas áreas conhecidas por suas empresas de tecnologia em expansão e riqueza extravagante...

Com falta de ônibus em Rio Branco (AC), van solidária do PM Derineudo busca passageiros de graça

No início desta semana, o policial Derineudo Souza e sua ONG "Amigos Solidários" realizaram uma ação social para ajudar a população de Rio Branco...

Padre ‘adota’ bebê com síndrome de Down abandonado pelos pais

O padre recebeu o bebê nos braços no dia do seu aniversário de 51 anos.

Instagram

Casal de imigrantes venezuelanos que vendia doces em metrô abre sua própria padaria 3