Casamento: 10 tradições inusitadas ao redor do mundo

Quebrar peças de porcelana, usar trajes vermelhos e até entornar doses de saquê são alguns dos costumes que fazem parte das tradições de casais ao redor do mundo. O iCasei, plataforma referência em serviços de casamento, reuniu dez dessas práticas e mostra como diferentes povos celebram a união entre noivos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Comecemos o mochilão com nossos hermanos latinos! Na Colômbia, as pérolas são adereços dispensáveis para as noivas – diz o costume que essas pequenas joias marinhas remetem a lágrimas. Mais ao norte, o México traz um quê romântico e, por quê não, dramático à cerimônia: o noivo oferece treze moedas de ouro à sua amada, que simbolizam Jesus e seus doze discípulos e representam sua promessa de fidelidade.

Embarcando para um casamento no Congo, no continente africano, nós não encontraríamos um noivo sorridente. Ao contrário dos brasileiros, que mal veem uma câmera e já estão com os 32 dentes à mostra, o homem congolês tem a intenção de mostrar à família e aos convidados que levará sua união a sério, por isso nada de sorrisos.

Em terras monárquicas, na Inglaterra, é a noiva quem está carregada de simbolismos para atrair boa sorte. Ela deve vestir algo velho, algo azul, algo emprestado e algo novo – “something old, something blue, something borrowed, something new”. Na Alemanha, a tradição é mais barulhenta: os convidados quebram peças de porcelana velha para trazer boas vibrações ao casal e este deve limpar a bagunça para mostrar que trabalharão juntos dali em diante.

Casamento e chuva não são a dupla preferida dos brasileiros. Na Itália, em contrapartida, a fúria de São Pedro é considerada um sinal de boa sorte!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: Loreta – allthebeautifulthings

Vestido de noiva cheio de cor é outra tendência que nunca está em alta por aqui. Por outro lado, na Índia, as vestes tradicionais da noiva são o vermelho e o dourado, uma vez que o branco é usado por mulheres viúvas.

Do segundo para o primeiro país mais populoso do mundo, na China, presentear os noivos com quantias em dinheiro não é nada deselegante. Em terras brasileiras, a maneira como as pessoas enxergam isso está mudando. As listas de casamento do iCasei, por exemplo, permitem que os casais criem cotas de itens ou lua de mel para os convidados escolherem. Depois, o valor arrecadado é convertido em dinheiro – parte dele pode, inclusive, ser destinado para auxiliar ONGs.

Ainda na Ásia, na Coreia os noivos recebem pancadinhas nas solas dos pés com pedaços de madeira ou cano. Por fim, no Japão, a celebração é mais animada! Três goles de saquê de três copos diferentes para o casal. Kampai!

Fonte: www.icasei.com.br

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto da capa: Reprodução Facebook

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,505,556SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe produz muito leite e doa para quem não pode amamentar

Há muitos casos em que os responsáveis pelos bebês não conseguem amamentá-los: mães que não conseguem produzir leites, mulheres que tiraram os seios devido...

Projeto faz festas de aniversários para crianças carentes que moram em abrigos

Fazer festas de aniversários pode ser uma feliz rotina para muitas crianças ao redor do mundo, mas, bem aqui na cidade de São Paulo, também...

Jessie J interrompe show para ler carta de fã e não consegue segurar emoção

O vídeo de um show da cantora britânica Jessie J em Manila, Filipinas, lendo a carta de um fã agradecendo à artista por ajudá-lo...

Jovem dança valsa de 15 anos com o pai da bebê que doou seu coração

O convite foi feito em cima da hora para que ele não recusasse a homenagem.

Apenas 9% das pessoas sabem que soropositivos com tratamento em dia não transmitem HIV

Pessoas soropositivas que realizam tratamento não tem condições de transmitir o vírus HIV, aponta estudo.

Instagram